SONHO

José Araujo de Souza

Era como um arco íris

de belo matiz e muitos sóis.

Tinha um pouco de tudo e de nada

e cantava, cantava como um curió.

Nas noites enluaradas, saía de casa

e andava e voava como mariposa.

De dia, ficava quieto, arredio,

como se a luz do dia lhe fizesse mal.

E não se importava se ia ou vinha

e ficava rodando, como u m girassol.

Depois, repentinamente, um dia,

virou fantasia na minha mente.

Foi então que virou pensamento

e poesia, para morrer, simplesmente,

neste papel.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s