A despedida


Johann Wolfgang Goeth

Deixe-me dizer adeus com meus olhos,
já que para dizer isso, negue meus lábios
Adeus é coisa séria
até para um homem, como eu, temperamental!
Triste em transe nos deixa quites
do amor a mais doce e terna prova;
frio eu desejo o beijo da sua boca
solte sua mão, deixe a minha segurar.

A menor carícia, em outro momento
furtivo e inconstante, adorei!
Era algo como a violeta precoce,
que começou nos jardins em março.
Não vou mais cortar rosas perfumadas
para coroar sua testa com eles.
Paquita é primavera, mas outono
para mim, infelizmente, sempre será.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s