ACONCHEGO

José Araujo de Souza

Quero fazer do teu corpo

a morada derradeira

e fazer do meu corpo

o teu aconchego.

Todas as noites serei a tua paz

e velarei o teu sono, em meus braços.

Quero poder ver-te antes do sol nascer,

pela manhã, e acordar-te

com carícias que há muito buscas.

Quero amar-te com ardor e com malicia

para acalmar o teu desejo intenso.

Quero poder sonhar-te enquanto durmo

e, ao despertar, ter as tuas mãos nas minhas e sentir o teu calor.

Quero poder dispor do tempo que quiseres

e, se preciso for, ficar contigo,

habitando o teu corpo

por toda a minha vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s