Inocência

Adolfo Casais Monteiro

Eu que procuro a paz e a detesto,
que sonho as Babilónias, já sabendo
o cansaço que delas hei-de ter,
eu que tudo amo… e nada quero,
embora sempre em busca doutra coisa,
donde tiro ainda a força dos meus braços?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s