Arquivos Mensais: junho 2020

OERATION MUTUM – THE SUFFOCATION

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é image.png

(episode 6)

In 1966 Paulo de Sa was arrested in Ipatinga and, as a result of his arrest and incarceration, there was a great uproar in Mutum. His brother Professor Carlos traveled for days without anyone knowing inform the destination of your trip.

The family, his wife and two children, pretended that nothing was happening, but try as they might continue their daily routines, let transpire sometimes clear signs of much concern and insecurity.

Upon returning, days after traveling, we learned by Carlos that his brother Paul, who had been taken prisoner at the union’s headquarters in Ipatinga, in the Steel Valley, was missing, but is not on the official records of trade unionists held for investigation.

He, Carlos, had tried with the influential known locate his brother, without any success. He feared for his life . “I do not want to imagine – said – what poor old Paul must be going.” Asked about the risks that he was running, and there was also a danger for those who were enticed in Mutum, he said to be quiet because there was nothing that could lead to acts of subversion. He advised, however, that all they possessed at home the famous Statute of Brazil’s Communist Party got rid of it. They should not hide or throw away. They should burn it and throw the ashes away. Other books considered subversive should also have the same purpose. Finally, alerted to the fact that The less we discuss or safer policy would be.

The routine Of the people of Mutum has undergone some changes. They no longer saw groups of older residents formed the sidewalks, late at night, even when the heat became almost unbearable inside the residences.

Also in Central Plaza banks where the new communist sat to discuss the future of Brazil, they had almost always empty, and also showed the Billiard game  empty hall during the week.

Only on weekends, in the evenings of Saturday and Sunday, traffic increased on the sidewalks, in the Central Square and the Billiard game tables. Also the Social Club Mutum and Tringolingo became frequented only on weekends.

It could be seen in the air a hint of fear, suspicion and mistrust. When someone was not seen for more than two days, then it was rumored that the person had been arrested or had disappeared or had fled the city.

In fact, there were few arrests that took place in Mutum because of the revolution in those early days. But they happened. As was the case for example of Manoel Caxias, owner of House of Parties, specializes in selling fireworks and the like. His arrest happened during the day, with lots of people watching, all very scared, helpless, unable to help.

Manoel Caxias was gaucho, of Caxias do Sul, last name of the reason was known.

Until that day when he was taken into custody by military police, no one could even imagine that would be able to perform any crime, any ruse, do someone harm. Manoel Caxias always presented as an honest, fair and fraternal, fully reliable.

The explanation given later by the police who had participated in his arrest, the Cape Eleuterio, was that Manoel Caxias had been denounced as war material supplier to the government enemies. Better explaining the fireworks trader was accused of providing subversive explosive material used in the composition and making of homemade bombs. These bombs that were being used in bank robberies occurred in the region.

first taken to Juiz de Fora, he was transferred soon after to Belo Horizonte, where he was detained for thirty days, returning after a loose Mutum, where he continued merchant, but in another line of business, the haberdashery.

The House Parties closed its doors and ceased its activities. Manoel Caxias since then always avoided comment on his arrest.

Another the people of Mutum considered subversive, arrested and prosecuted, was the Marinho Paulista, gas station owner Mouth Road, one well known Bairrinho to be located where began the main road that served as access to the city.

Contrary to how Manoel Caxias was arrested during the day and in front of several people, Marinho Paulista was caught at his home overnight without the closest neighbors were unaware of something.

One morning the woman known for Nezinha Cota, who Marinho Paulista had an affair, went to the station and informed the attendants what had happened.

When inquired how everything happened, she simply said he did not know details of who was in his own house, nearby the Marinho Paulista, he saw come the cops. Who had called for him and trapped when the door opened. The led, according to her, handcuffed, in a jeep. There were four policemen. She could not identify any of them, which made understand that it was not anyone from Mutum policing.

The disappearance of Marinho Paulista according to the rumors that have spread through the city, would be related to the supply of fuel for vehicles used by subversives during robberies in nearby towns.

The bank robberies were becoming routine and there was not enough to know when they were committed by subversive groups or burglars. Some sought to assign the events to others.

Marinho Paulista not returned to more Mutum. Your gas station has been abandoned since it was not there any relative that his place of business. The grass was taking over everything taking place account.

Even today there are some who continue the people of Mutum stating that Marinho Paulista not only supplied subversives cars, but also earned commission in the assaults made by simple marginal and assigned to those. How did not return from prison, they began to circulate rumors that Marinho Paulista had not supported a torture session that had been submitted and that he had died, it was not known when or where.

also happened to other prisons important no less, but I will take the liberty to report for now, only these two cases and, of course, Paulo de Sá.

   THE VISIT

THE SUFFOCATION

In 1966 Paulo de Sa was arrested in Ipatinga and, as a result of his arrest and incarceration, there was a great uproar in Mutum. His brother Professor Carlos traveled for days without anyone knowing inform the destination of your trip.

The family, his wife and two children, pretended that nothing was happening, but try as they might continue their daily routines, let transpire sometimes clear signs of much concern and insecurity.

Upon returning, days after traveling, we learned by Carlos that his brother Paul, who had been taken prisoner at the union’s headquarters in Ipatinga, in the Steel Valley, was missing, but is not on the official records of trade unionists held for investigation.

He, Carlos, had tried with the influential known locate his brother, without any success. He feared for his life . “I do not want to imagine – said – what poor old Paul must be going.” Asked about the risks that he was running, and there was also a danger for those who were enticed in Mutum, he said to be quiet because there was nothing that could lead to acts of subversion. He advised, however, that all they possessed at home the famous Statute of Brazil’s Communist Party got rid of it. They should not hide or throw away. They should burn it and throw the ashes away. Other books considered subversive should also have the same purpose. Finally, alerted to the fact that The less we discuss or safer policy would be.

The routine Of the people of Mutum has undergone some changes. They no longer saw groups of older residents formed the sidewalks, late at night, even when the heat became almost unbearable inside the residences.

Also in Central Plaza banks where the new communist sat to discuss the future of Brazil, they had almost always empty, and also showed the Billiard game  empty hall during the week.

Only on weekends, in the evenings of Saturday and Sunday, traffic increased on the sidewalks, in the Central Square and the Billiard game tables. Also the Social Club Mutum and Tringolingo became frequented only on weekends.

It could be seen in the air a hint of fear, suspicion and mistrust. When someone was not seen for more than two days, then it was rumored that the person had been arrested or had disappeared or had fled the city.

In fact, there were few arrests that took place in Mutum because of the revolution in those early days. But they happened. As was the case for example of Manoel Caxias, owner of House of Parties, specializes in selling fireworks and the like. His arrest happened during the day, with lots of people watching, all very scared, helpless, unable to help.

Manoel Caxias was gaucho, of Caxias do Sul, last name of the reason was known.

Until that day when he was taken into custody by military police, no one could even imagine that would be able to perform any crime, any ruse, do someone harm. Manoel Caxias always presented as an honest, fair and fraternal, fully reliable.

The explanation given later by the police who had participated in his arrest, the Cape Eleuterio, was that Manoel Caxias had been denounced as war material supplier to the government enemies. Better explaining the fireworks trader was accused of providing subversive explosive material used in the composition and making of homemade bombs. These bombs that were being used in bank robberies occurred in the region.

first taken to Juiz de Fora, he was transferred soon after to Belo Horizonte, where he was detained for thirty days, returning after a loose Mutum, where he continued merchant, but in another line of business, the haberdashery.

The House Parties closed its doors and ceased its activities. Manoel Caxias since then always avoided comment on his arrest.

Another the people of Mutum considered subversive, arrested and prosecuted, was the Marinho Paulista, gas station owner Mouth Road, one well known Bairrinho to be located where began the main road that served as access to the city.

Contrary to how Manoel Caxias was arrested during the day and in front of several people, Marinho Paulista was caught at his home overnight without the closest neighbors were unaware of something.

One morning the woman known for Nezinha Cota, who Marinho Paulista had an affair, went to the station and informed the attendants what had happened.

When inquired how everything happened, she simply said he did not know details of who was in his own house, nearby the Marinho Paulista, he saw come the cops. Who had called for him and trapped when the door opened. The led, according to her, handcuffed, in a jeep. There were four policemen. She could not identify any of them, which made understand that it was not anyone from Mutum policing.

The disappearance of Marinho Paulista according to the rumors that have spread through the city, would be related to the supply of fuel for vehicles used by subversives during robberies in nearby towns.

The bank robberies were becoming routine and there was not enough to know when they were committed by subversive groups or burglars. Some sought to assign the events to others.

Marinho Paulista not returned to more Mutum. Your gas station has been abandoned since it was not there any relative that his place of business. The grass was taking over everything taking place account.

Even today there are some who continue the people of Mutum stating that Marinho Paulista not only supplied subversives cars, but also earned commission in the assaults made by simple marginal and assigned to those. How did not return from prison, they began to circulate rumors that Marinho Paulista had not supported a torture session that had been submitted and that he had died, it was not known when or where.

also happened to other prisons important no less, but I will take the liberty to report for now, only these two cases and, of course, Paulo de Sá.

   THE VISIT

OPERAÇÃO MUTUM – O SUFOCO

(Episódio 6)

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é image.png

Em 1966 Paulo de Sá foi preso em Ipatinga e, como consequência de sua detenção e encarceramento, houve um grande alvoroço em Mutum. Seu irmão, Professor Carlos viajou por uns dias sem que alguém soubesse informar o destino da sua viagem.

 A família, sua esposa e dois filhos, fingiam que nada estava acontecendo, mas, por mais que tentassem continuar suas rotinas diárias, deixavam transparecer, algumas vezes, sinais claros de muita preocupação e de insegurança.

Ao retornar, dias após ter viajado, soubemos por Carlos que o seu irmão Paulo, que havia sido feito prisioneiro na sede do sindicato, em Ipatinga, no Vale do Aço, estava desaparecido, sem constar dos registros oficiais de sindicalistas detidos para averiguação.

 Ele, Carlos, havia tentado junto a conhecidos influentes localizar o seu irmão, sem nenhum sucesso. Temia pela sua vida. “Nem quero imaginar – dizia – o que o coitado do Paulo deve estar passando”. Perguntado sobre os riscos que ele próprio corria, e se havia, também algum perigo para aqueles que havia aliciado em Mutum, dizia estar tranquilo porque não havia nada que os pudesse implicar em atos de subversão. Aconselhava, no entanto, que todos os que possuíssem em casa o famoso Estatuto do Partido Comunista do Brasil se livrassem dele. Não deviam esconder ou jogar fora. Deviam queimá-lo e jogar as cinzas fora. Outros livros considerados subversivos também deveriam ter o mesmo fim.  Finalmente, alertou para o fato de que quanto menos discutíssemos ou falássemos de política mais seguros estaríamos.

A rotina dos mutuenses sofreu algumas alterações. Já não se viam grupos de moradores mais velhos formados nas calçadas, até altas horas da noite, mesmo quando o calor se tornava quase insuportável no interior das residências.

Também na Praça Central os bancos, onde os novos comunistas se sentavam para discutir o futuro do Brasil, se apresentavam quase sempre vazios, assim como também se mostrava vazio o salão de sinucas durante a semana.

 Apenas nos finais de semana, nas noites de sábado e de domingo, o movimento aumentava nas calçadas, na Praça Central e nas mesas de sinucas. Também o Clube Social de Mutum e o Tringolingo passaram a ser frequentados apenas nos finais de semana.

Podia-se perceber no ar um quê de medo, de suspeição e de desconfiança. Quando alguém não era visto por mais de dois dias, corria logo o boato de que a pessoa havia sido presa ou que estava desaparecida ou que tinha fugido da cidade.

 Na realidade, poucas foram as prisões que aconteceram em Mutum em razão da revolução, naqueles primeiros tempos. Mas aconteceram. Como foi o caso, por exemplo, do Manoel Caxias, dono da Casa das Festas, especializada em vender fogos de artifícios e similares. Sua prisão aconteceu durante o dia, com muita gente assistindo, todos muito assustados, sem poder fazer nada, sem poder ajudar.

Manoel Caxias era gaúcho, de Caxias do Sul, motivo do apelido pelo qual era conhecido.

 Até aquele dia, quando foi levado preso pela polícia militar, ninguém sequer poderia imaginar que fosse capaz de praticar algum crime, alguma falcatrua, fazer mal a alguém. Manoel Caxias sempre se apresentara como uma pessoa honesta, íntegra e fraterna, totalmente confiável.

A explicação dada posteriormente, por uma das autoridades policiais que havia participado de sua prisão, o Cabo Eleutério, era a de que Manoel Caxias havia sido denunciado como fornecedor de material bélico para inimigos do Governo. Melhor explicando, o comerciante de fogos de artifícios era acusado de fornecer aos subversivos material explosivo, utilizado na composição e feitura de bombas caseiras. Bombas essas que estariam sendo utilizadas nos assaltos a bancos ocorridos na região.

Levado primeiramente para Juiz de Fora, foi transferido logo depois  para Belo Horizonte, onde ficou detido por trinta dias, retornando depois de solto a Mutum, onde continuou comerciante, mas em outro ramo de negócios, o de armarinhos.

 A Casa das Festas fechou as portas e encerrou suas atividades. Manoel Caxias, desde então, evitava sempre comentar sobre sua prisão.

Outro mutuense considerado subversivo, preso e processado, foi o Marinho Paulista, dono do Posto de Gasolina da Boca da Estrada, um bairrinho assim conhecido por estar situado onde começava a estrada principal que servia de acesso à cidade.

Contrariamente à forma pela qual Manoel Caxias foi preso, durante o dia e na frente de várias pessoas, Marinho Paulista foi apanhado em sua casa, durante a noite, sem que os vizinhos mais próximos se apercebessem de alguma coisa.

 Numa manhã a mulher conhecida por Nezinha do Cota, com quem Marinho Paulista tinha um caso amoroso, foi até o posto e comunicou aos frentistas o que havia acontecido.

Quando indagaram como tudo acontecera, ela simplesmente disse que não sabia de detalhes, que estava na sua própria casa, vizinha a de Marinho Paulista, quando viu chegarem os policiais. Que haviam chamado por ele e o prendido quando abrira a porta. O levaram, segundo ela, algemado, em um jipe. Eram quatro policiais. Ela não conseguiu identificar nenhum deles, o que deixava entender que não era ninguém do policiamento de Mutum.

O sumiço de Marinho Paulista segundo os boatos que se espalharam pela cidade, estaria relacionado com o fornecimento de combustível para abastecer veículos usados por subversivos durante assaltos em cidades próximas.

 Os assaltos a bancos estavam se tornando rotineiros e não dava mais para saber quando eram praticados por grupos subversivos ou por assaltantes comuns. Uns procuravam atribuir os acontecimentos aos outros.

 Marinho Paulista não retornou mais a Mutum. Seu posto de combustível foi abandonado já que não tinha lá nenhum parente que o substituísse nos negócios. O mato foi se apoderando de tudo, tomando conta do local.

Até hoje há alguns mutuenses que continuam afirmando que Marinho Paulista não só abastecia carros de subversivos, mas ganhava também comissão nos assaltos feitos por simples marginais e atribuídos àqueles. Como não retornou mais da prisão, começaram a circular boatos de que Marinho Paulista não tinha suportado a uma sessão de tortura a que tinha sido submetido e que tinha morrido, não se sabia quando nem onde.

Aconteceram também outras prisões não menos importanttes, mas vou tomar a liberdade de relatar, por enquanto, apenas esses dois casos e, naturalmente, o de Paulo de Sá.

O SUFOCO

Em 1966 Paulo de Sá foi preso em Ipatinga e, como consequência de sua detenção e encarceramento, houve um grande alvoroço em Mutum. Seu irmão, Professor Carlos viajou por uns dias sem que alguém soubesse informar o destino da sua viagem.

 A família, sua esposa e dois filhos, fingiam que nada estava acontecendo, mas, por mais que tentassem continuar suas rotinas diárias, deixavam transparecer, algumas vezes, sinais claros de muita preocupação e de insegurança.

Ao retornar, dias após ter viajado, soubemos por Carlos que o seu irmão Paulo, que havia sido feito prisioneiro na sede do sindicato, em Ipatinga, no Vale do Aço, estava desaparecido, sem constar dos registros oficiais de sindicalistas detidos para averiguação.

 Ele, Carlos, havia tentado junto a conhecidos influentes localizar o seu irmão, sem nenhum sucesso. Temia pela sua vida. “Nem quero imaginar – dizia – o que o coitado do Paulo deve estar passando”. Perguntado sobre os riscos que ele próprio corria, e se havia, também algum perigo para aqueles que havia aliciado em Mutum, dizia estar tranquilo porque não havia nada que os pudesse implicar em atos de subversão. Aconselhava, no entanto, que todos os que possuíssem em casa o famoso Estatuto do Partido Comunista do Brasil se livrassem dele. Não deviam esconder ou jogar fora. Deviam queimá-lo e jogar as cinzas fora. Outros livros considerados subversivos também deveriam ter o mesmo fim.  Finalmente, alertou para o fato de que quanto menos discutíssemos ou falássemos de política mais seguros estaríamos.

A rotina dos mutuenses sofreu algumas alterações. Já não se viam grupos de moradores mais velhos formados nas calçadas, até altas horas da noite, mesmo quando o calor se tornava quase insuportável no interior das residências.

Também na Praça Central os bancos, onde os novos comunistas se sentavam para discutir o futuro do Brasil, se apresentavam quase sempre vazios, assim como também se mostrava vazio o salão de sinucas durante a semana.

 Apenas nos finais de semana, nas noites de sábado e de domingo, o movimento aumentava nas calçadas, na Praça Central e nas mesas de sinucas. Também o Clube Social de Mutum e o Tringolingo passaram a ser frequentados apenas nos finais de semana.

Podia-se perceber no ar um quê de medo, de suspeição e de desconfiança. Quando alguém não era visto por mais de dois dias, corria logo o boato de que a pessoa havia sido presa ou que estava desaparecida ou que tinha fugido da cidade.

 Na realidade, poucas foram as prisões que aconteceram em Mutum em razão da revolução, naqueles primeiros tempos. Mas aconteceram. Como foi o caso, por exemplo, do Manoel Caxias, dono da Casa das Festas, especializada em vender fogos de artifícios e similares. Sua prisão aconteceu durante o dia, com muita gente assistindo, todos muito assustados, sem poder fazer nada, sem poder ajudar.

Manoel Caxias era gaúcho, de Caxias do Sul, motivo do apelido pelo qual era conhecido.

 Até aquele dia, quando foi levado preso pela polícia militar, ninguém sequer poderia imaginar que fosse capaz de praticar algum crime, alguma falcatrua, fazer mal a alguém. Manoel Caxias sempre se apresentara como uma pessoa honesta, íntegra e fraterna, totalmente confiável.

A explicação dada posteriormente, por uma das autoridades policiais que havia participado de sua prisão, o Cabo Eleutério, era a de que Manoel Caxias havia sido denunciado como fornecedor de material bélico para inimigos do Governo. Melhor explicando, o comerciante de fogos de artifícios era acusado de fornecer aos subversivos material explosivo, utilizado na composição e feitura de bombas caseiras. Bombas essas que estariam sendo utilizadas nos assaltos a bancos ocorridos na região.

Levado primeiramente para Juiz de Fora, foi transferido logo depois  para Belo Horizonte, onde ficou detido por trinta dias, retornando depois de solto a Mutum, onde continuou comerciante, mas em outro ramo de negócios, o de armarinhos.

 A Casa das Festas fechou as portas e encerrou suas atividades. Manoel Caxias, desde então, evitava sempre comentar sobre sua prisão.

Outro mutuense considerado subversivo, preso e processado, foi o Marinho Paulista, dono do Posto de Gasolina da Boca da Estrada, um bairrinho assim conhecido por estar situado onde começava a estrada principal que servia de acesso à cidade.

Contrariamente à forma pela qual Manoel Caxias foi preso, durante o dia e na frente de várias pessoas, Marinho Paulista foi apanhado em sua casa, durante a noite, sem que os vizinhos mais próximos se apercebessem de alguma coisa.

 Numa manhã a mulher conhecida por Nezinha do Cota, com quem Marinho Paulista tinha um caso amoroso, foi até o posto e comunicou aos frentistas o que havia acontecido.

Quando indagaram como tudo acontecera, ela simplesmente disse que não sabia de detalhes, que estava na sua própria casa, vizinha a de Marinho Paulista, quando viu chegarem os policiais. Que haviam chamado por ele e o prendido quando abrira a porta. O levaram, segundo ela, algemado, em um jipe. Eram quatro policiais. Ela não conseguiu identificar nenhum deles, o que deixava entender que não era ninguém do policiamento de Mutum.

O sumiço de Marinho Paulista segundo os boatos que se espalharam pela cidade, estaria relacionado com o fornecimento de combustível para abastecer veículos usados por subversivos durante assaltos em cidades próximas.

 Os assaltos a bancos estavam se tornando rotineiros e não dava mais para saber quando eram praticados por grupos subversivos ou por assaltantes comuns. Uns procuravam atribuir os acontecimentos aos outros.

 Marinho Paulista não retornou mais a Mutum. Seu posto de combustível foi abandonado já que não tinha lá nenhum parente que o substituísse nos negócios. O mato foi se apoderando de tudo, tomando conta do local.

Até hoje há alguns mutuenses que continuam afirmando que Marinho Paulista não só abastecia carros de subversivos, mas ganhava também comissão nos assaltos feitos por simples marginais e atribuídos àqueles. Como não retornou mais da prisão, começaram a circular boatos de que Marinho Paulista não tinha suportado a uma sessão de tortura a que tinha sido submetido e que tinha morrido, não se sabia quando nem onde.

Aconteceram também outras prisões não menos importantes, mas vou tomar a liberdade de relatar, por enquanto, apenas esses dois casos e, naturalmente, o de Paulo de Sá.

(Continua na próxima semana)

उन्हें मुझे मत मारो


जुआन रुल्फो

  • उन्हें बताओ कि मुझे मारने के लिए नहीं, जस्टिन! चलो, ऐसा कहो। परोपकार के लिए क्या। उन्हें ऐसा बताएं। उन्हें बताएं कि इसे दान के लिए करें।
  • मुझसे नहीं हो सकता। वहाँ एक हवलदार है जो आपसे सुनना भी नहीं चाहता है।
  • मुझे सुनाओ। अपने तरीकों का उपयोग करें और कहें कि पर्याप्त डर पर्याप्त है। उससे कहो कि वह ईश्वर के दान के लिए करे।
  • यह डरा नहीं है। ऐसा लगता है कि वे वास्तव में आपको मारने जा रहे हैं। मैं अब वहाँ वापस नहीं जाना चाहता।
  • फिर से जाएं। सिर्फ एक बार, यह देखने के लिए कि आपको क्या मिल सकता है।
  • नहीं, मेरा मन नहीं है। यह स्पष्ट है कि मैं आपका पुत्र हूं। और, अगर मैं कई बार उनके पास जाता हूं, तो वे यह जानकर खत्म हो जाएंगे कि मैं कौन हूं और आप उन्हें मुझे गोली मारने के लिए भी दे सकते हैं। चीजों को छोड़ना बेहतर है क्योंकि वे हैं।
  • आओ, जस्टिनो। उनसे कहो मेरे लिए बस थोड़ा सा खेद है। बस इतना ही कहूंगा।

जस्टिन ने अपने दाँत पीस लिए और अपना सिर घुमाया:

  • नहीं।

और वह बहुत देर तक सिर हिलाता रहा

  • सार्जेंट को बताएं कि आप कर्नल को देख सकते हैं। और उसे बताओ कि मैं कितना पुराना हूं। मैं किस लायक हूं। मुझे मारने से क्या लाभ होगा? कोई लाभ नहीं। आखिर उसके पास आत्मा होनी चाहिए। उसे अपनी आत्मा के धन्य उद्धार के लिए ऐसा करने के लिए कहें।

जस्टिन उन पत्थरों के ढेर से उठ गया, जिन पर वह बैठा था और कोरल दरवाजे पर चला गया। फिर उसने कहा:

  • तब मैं। लेकिन अगर वे मुझे भी गोली मार देंगे, तो मेरी पत्नी और बच्चों की देखभाल कौन करेगा?
  • प्रोविडेंस, जस्टिनो। वह उनकी देखभाल करेगा। वहां जाने की चिंता करना और देखना कि तुम मेरे लिए क्या करते हो। यह बहुत ज़रूरी है।

वे इसे भोर में लाए थे। और अब सुबह हो चुकी थी और वह अभी भी वहाँ था, एक हिस्सेदारी से बंधा हुआ, प्रतीक्षा कर रहा था। मैं शांत नहीं हो सकता था। उसने खुद को खुश करने के लिए कुछ नींद लेने की कोशिश की थी, लेकिन नींद हिल गई थी। इसने भूख को भी हिला दिया था। मुझे किसी चीज की कोई इच्छा नहीं थी। बस जीने के लिए। अब जब वह अच्छी तरह से जानता था कि वे उसे मारने जा रहे हैं, तो उसे जीने की इतनी तीव्र इच्छा थी कि एक नया पुनर्जीवित व्यक्ति ही इसे महसूस कर सकता था।

किसने कहा होगा कि वह उस मामले में इतना पुराना, इतना कठोर हो जाएगा, इसलिए उसे दफन कर दिया गया क्योंकि उसने सोचा था कि यह था। वह मामला जब आपको डॉन लूप को मारना था। यह सिर्फ वैसा नहीं था, जैसा कि आलिमा मानती थीं, बल्कि इसलिए कि उनके कारण थे। उन्होंने याद किया: डोन लूपे टेरेरोस, Puerta de Piedra के मालिक और उसके दोस्त। जिसे उसने, जुविसियो नावा को, उसी कारण से मारना पड़ा; Puerta de Piedra के मालिक होने के कारण और क्योंकि, उनके दोस्त होने के नाते, उन्हें अपने जानवरों के लिए चारागाह से वंचित रखा गया था।

पहले यह केवल प्रतिबद्धता के आधार पर आयोजित किया गया था। लेकिन फिर, सूखे के दौरान, जब उसने देखा कि कैसे उसके जानवर, भूख से मारे गए, उसके बाद उसकी मृत्यु हो गई और उसके दोस्त डॉन ल्यूप ने उसे अपने चरागाहों में घास से इनकार करना जारी रखा, तो यह तब था जब उसने बाड़ को तोड़ना शुरू कर दिया। और दुबले पशुओं के द्रव्यमान को घास में धकेलना ताकि वे भोजन से तंग आ जाएं। और डॉन लूपे को यह पसंद नहीं था, इतना है कि वह बाड़ को फिर से कवर किया गया था ताकि वह, जुविसियो नावा, उसके लिए फिर से छेद खोले। इस प्रकार, दिन के दौरान छेद को ढंक दिया गया और रात में यह फिर से खुल गया, जबकि मवेशी वहां थे, हमेशा बाड़ से चिपके हुए, हमेशा इंतजार करते हुए; तुम्हारा वह मवेशी जो केवल चखने के लिए बिना चारागाह को सूँघता था।

और वह और डॉन ल्यूप ने तर्क दिया और बिना किसी समझौते पर पहुंचे बहस करने के लिए वापस चले गए।

जब तक डोम लुपे ने एक बार उनसे कहा:

  • देखो, जुविसियो, एक और जानवर जिसे तुमने चरागाह में रखा है और मैं मारता हूं।

और उसने उत्तर दिया:

  • देखो, डॉन लूप, यह मेरी गलती नहीं है कि जानवर आपके आराम की तलाश करते हैं। वे निर्दोष हैं। यदि आप उन्हें मारते हैं तो आप परिणाम देखेंगे। और उसने एक बैल को मार दिया।

यह तीस-पैंतीस साल पहले, मार्च में हुआ था, क्योंकि अप्रैल में मैं पहले से ही पहाड़ पर चल रहा था, शिकारियों को छोड़कर। मेरे पास जज को दी गई दस गायों के लिए कोई फायदा नहीं था, और न ही मेरे घर के लगाव ने उन्हें जेल से बाहर निकाल दिया। फिर भी बाद में उन्होंने अपने आप को भुगतान किया जो बचा था, बस इसलिए उन्होंने मेरा पीछा नहीं किया, हालाँकि उन्होंने मेरा पीछा किया। इसलिए मैं अपने बेटे के साथ इस दूसरी छोटी भूमि में रहने के लिए आया था जो मेरे पास थी और जिसे पायो डी वेनाडो कहा जाता है। और मेरा बेटा बड़ा हुआ और मेरी बहू इग्नेशिया से शादी की और पहले से ही उसके आठ बच्चे थे। ठीक उसी तरह, चीजें पहले से पुरानी हैं, और इसीलिए उन्हें भुला दिया जाना चाहिए। लेकिन जाहिरा तौर पर, यह नहीं है।

मैंने तब गणना की कि लगभग सौ पेसो के साथ सब कुछ ठीक था। स्वर्गीय डॉन ल्यूप अकेले थे, वह अपनी पत्नी और दो लड़कों के साथ अकेले रहते थे जो अभी भी गर्म थे। और विधवा जल्दी मर गई, वे दुःख से कहते हैं। और लड़के उन्हें दूर, रिश्तेदारों के पास ले गए। तो, उनके हिस्से के लिए, डरने की कोई जरूरत नहीं थी।

लेकिन बाकी लोगों ने जोर देकर कहा कि मैं मुझे डराने और मुझे लूटने के लिए मुकदमे चलाने के अदालती आदेशों के साथ गया। जब भी कोई गांव में आता था, वे मुझसे कहते:

  • कुछ अजनबी आसपास हैं, Juvêncio।

और मैं पहाड़ पर भाग गया, अपने आप को स्ट्रॉबेरी के पेड़ों के बीच उलझा लिया और केवल पर्सलेन खाकर अपने दिन बिताए। कभी-कभी मुझे आधी रात को छोड़ना पड़ता था, मानो कुत्ते मेरा पीछा कर रहे हों। यह जीवन भर चलता रहा। यह एक या दो साल नहीं था। यह जीवन भर रहा।

और अब वे उसकी तलाश में गए थे, जब वह अब किसी से उम्मीद नहीं करता था, उस विस्मृति पर भरोसा करना जिसमें लोग उसके पास थे; यह विश्वास करते हुए कि कम से कम उनके आखिरी दिन उनके पास से गुजरेंगे। «कम से कम यह» उसने सोचा «मैं इसे पुराने होने के साथ कर सकता हूं। वे मुझे अकेला छोड़ देंगे। »

उन्होंने इस उम्मीद पर खुद को पूरी तरह से काबू कर लिया था। यही कारण है कि उसके लिए यह कल्पना करना कठिन था कि वह मृत्यु से छुटकारा पाने के लिए इतने संघर्ष के बाद, अपने जीवन में इस बिंदु पर अचानक मरने वाला था; अपना सर्वश्रेष्ठ समय झटके से घूमाते हुए बिताने के बाद और जब उसका शरीर एक साधारण सख्त चमड़ा निकला, बुरे दिनों से तंग आकर जब उसे सभी से छिपाना पड़ा।

क्या वह संयोग से नहीं बचा था, जब तक कि महिला ने उसे हिलाया नहीं था? उस दिन जब यह खबर आई कि महिला चली गई है, तो उसने उसकी तलाश में जाने का इरादा नहीं किया। उसने उसे बिना किसी से या कहां से हिलाए जाने दिया, इसलिए उसे गांव नहीं जाना था। उसने ऐसा होने दिया जैसे कि बाकी सब कुछ बिना भूसे को हिलाए चला गया हो। उसके लिए केवल एक ही चीज़ बची थी, वह थी ज़िन्दगी, और वैसे भी ज़िन्दगी उसे बचाए रखेगी। मैं उन्हें मार नहीं सकता था। नहीं कर सकता। अभी बहुत कम है। लेकिन इसके लिए वे उसे पाओ दे वेनाडो से वहाँ लाए थे। उन्हें उनका अनुसरण करने के लिए उन्हें बांधने की जरूरत नहीं थी। वह अकेला चला गया, केवल डर में आयोजित किया गया था। उन्होंने महसूस किया कि वह उस पुराने शरीर के साथ नहीं चल सकता, उन पैरों के साथ सूखी रस्सियों के रूप में कमजोर, पूरे, मरने के डर से। क्योंकि मैं इसके लिए जा रहा था। मरने के लिए, उन्होंने कहा।

मैंने इसे तब से जाना है। उसे अपने पेट में वह खुजली महसूस होने लगी, जो अचानक से जब भी वह मौत के करीब आता था, और जो उसकी आँखों में दिखाई देता था, और जो खट्टा पानी के उन घूंटों से उसका मुँह निगल जाता था कि उसे अनायास ही निगल जाना होता है। और वह चीज जिसने उसके पैरों को भारी बना दिया जबकि उसका सिर नरम हो गया और उसका दिल उसकी पसलियों में अपनी पूरी ताकत से धड़कने लगा। नहीं, वह इस विचार के लिए अभ्यस्त नहीं हो सका कि वह मारा गया था।
कुछ आशा रखनी पड़ी। कहीं न कहीं कुछ उम्मीद अभी भी हो सकती है। शायद वे गलत थे। हो सकता है कि वे एक और जुविस्कोयो नवा की तलाश कर रहे थे, न कि जुविसियो नावा की।

वह उन लोगों के बीच सन्नाटे में चला गया, उसकी बाहें डोल रही थीं। घना अंधेरा था, सितारों के बिना। हवा धीरे-धीरे बहती थी, शुष्क भूमि को अपने साथ लेती थी और अधिक लाती थी, उस गंध से भरी हुई, जिसमें पथरी की धूल थी।

उसकी आँखें, जो वर्षों से सिकुड़ी हुई थीं, पृथ्वी को देखने आईं, यहाँ, अपने पैरों के नीचे, अंधेरे के बावजूद। पृथ्वी पर उनका पूरा जीवन था। मांसाहार का स्वाद चखने के बाद साठ साल तक इसे अपने हाथों में पकड़े रहना। वह एक लंबे समय के लिए आया था, उसे अपनी आंखों से छानकर, प्रत्येक टुकड़े को छलनी कर रहा था जैसे कि यह आखिरी था, लगभग यह जानते हुए कि यह आखिरी होगा।

फिर, मानो कुछ कहने के लिए उसने अपने पास आने वाले आदमियों को देखा। मैं उन्हें बताने जा रहा था कि वह उसे जाने दें, उसे हिला दें: “मैंने किसी को भी चोट नहीं पहुंचाई,”, मैं उन्हें बताने जा रहा था, लेकिन मैं चुप रहा। “मैं आपको बाद में बताऊंगा,” उसने सोचा। और मैंने बस उनकी तरफ देखा। वह कल्पना भी कर सकता था कि वे उसके दोस्त थे; लेकिन मैं यह नहीं करना चाहता था। वे नहीं थे। मुझे नहीं पता था कि वे कौन थे। उसने उन्हें बगल में देखा, नीचे झुक कर समय-समय पर यह देखने के लिए कि वह कहाँ जा रहा था।

उसने उन्हें पहली बार दोपहर में देखा था, उस फीके घंटे में जब सब कुछ गाते हुए प्रतीत होता है। उन्होंने निविदा मकई को फैलाने वाले फरको पार कर लिया था। और वह इसके लिए नीचे आया था: उन्हें यह बताने के लिए कि मकई वहां बढ़ने लगा था। लेकिन वे रुके नहीं।

मैंने उन्हें लंबे समय से देखा था। वह हमेशा बहुत समय के साथ सब कुछ देखने के लिए भाग्यशाली था। वह छिपते हुए अंदर जा सकता था, कुछ घंटे पहाड़ी पर चलते हुए जब वे हिल नहीं रहे थे और फिर नीचे जा रहे थे। आखिरकार, मकई बिल्कुल भी नहीं बढ़ेगी। यह समय था कि पानी आ गया और पानी दिखाई नहीं दिया और कॉर्न विल्ट करने लगे। यह पूरी तरह से सूखने से पहले लंबे समय तक नहीं होगा।

तो नीचे जाने लायक भी नहीं था; एक छेद की तरह उन लोगों में मिल गया है, ताकि फिर से छोड़ न जाए।

और अब वह उनके साथ रहा, उनसे आग्रह किया कि वे उन्हें जाने दें। मैंने उनके चेहरे नहीं देखे; उन्होंने केवल उन आकृतियों को देखा, जो उनसे जुड़ीं या उनसे अलग हुईं। इस तरह से, जब उसने बोलना शुरू किया, तो उसे नहीं पता था कि क्या उन्होंने उसे सुना है। कहा च:

“मैंने कभी किसी को चोट नहीं पहुंचाई,” उन्होंने कहा। लेकिन कुछ भी नहीं बदला है। कोई भी आंकड़ा नजर नहीं आया। चेहरे उसे देखने के लिए नहीं मुड़े। वे वैसे ही बने रहे, जैसे वे सो रहे थे।

फिर उसने सोचा कि उसके पास कहने के लिए और कुछ नहीं है, कि उसे आशा के लिए कहीं और देखना होगा। उसने अपनी बाहें फिर से गिरा दीं और रात की काली गर्मी से उन चार आदमियों के बीच गाँव के पहले घरों में घुस गया।

  • कर्नल, यहाँ आदमी है।

वे दरवाज़े के सामने रुक गए थे। वह, अपने हाथ में टोपी के साथ, सम्मान से बाहर, किसी को देखने के लिए इंतजार कर रहा था। लेकिन केवल आवाज ही निकली:

  • क्या है? – उन्होंने पूछा।
  • पायो डी वेनाडो, मेरे कर्नल। आपने हमें पाने के लिए क्या भेजा है।

“उससे पूछें कि क्या वह कभी अलीमा में रहता था,” फिर से अंदर से आवाज आई।

  • अरे तुम! कर्नल पूछता है कि क्या आप अलीमा में रहते थे? उसके सामने हवलदार को दोहराया। ।
  • हां। कर्नल को बताएं कि मैं वास्तव में वहां से हूं। और यह कि मैं हाल तक वहाँ रहता था।
  • उससे पूछें कि क्या वह ग्वाडालूप टेरेरोस से मिला था।
  • वह पूछ रहा है कि क्या आप ग्वाडालूप टेरेरोस से मिले थे।
  • डॉन लुप को? हाँ। हाँ कहो कि मैं उससे मिला। मर चूका हे।

फिर अंदर की आवाज ने उसका स्वर बदल दिया:

“मैं पहले से ही जानता हूं कि आप मर गए,” उन्होंने कहा। और वह बोलता रहा जैसे कि वह नरकट की दीवार के दूसरी तरफ किसी से बात कर रहा हो:

  • गुआडालुप टेरेरोस मेरे पिता थे। जब मैं बड़ा हुआ और उसकी तलाश की, तो मुझे बताया गया कि वह मर चुका है। यह जान पाना थोड़ा मुश्किल है कि जिस चीज को हम जड़ से पकड़ सकते हैं वह मर चुकी है। यही हमारे साथ हुआ। तब मुझे पता चला कि उन्होंने उसे कुल्हाड़ी से मार डाला था, फिर पेट में चाकू मार दिया। उन्होंने मुझे बताया कि वह दो दिन से अधिक समय तक जीवित रहे और हार गए, जब उन्होंने उसे पाया, एक धारा में फेंक दिया, तब भी वह तड़प रहा था और उसे अपने परिवार की देखभाल करने के लिए कह रहा था। यह, समय के साथ, भूल जाना प्रतीत होता है। एक व्यक्ति भूलने की कोशिश करता है। जो नहीं भुला है, वह यह जानना है कि जिसने भी किया वह अभी भी जीवित है, अपनी सड़ी हुई आत्मा को अनन्त जीवन के भ्रम के साथ खिला रहा है। मैं उसे क्षमा नहीं कर सकता, भले ही मैं उसे नहीं जानता; लेकिन तथ्य यह है कि वह खुद को उस जगह पर रखता है जहां मुझे पता है कि वह है, मुझे उसे समाप्त करने का साहस देता है। मैं आपको जीवित रहने के लिए क्षमा नहीं कर सकता। मुझे कभी पैदा नहीं होना चाहिए था।

यहां, बाहर से, आपके द्वारा कही गई हर बात स्पष्ट रूप से सुनी गई थी। फिर उसने आदेश दिया:

  • उसे ले जाओ और उसे थोड़ा ऊपर टाई, ताकि वह पीड़ित हो, और फिर उसे गोली मार दे!
  • मुझे देखो, कर्नल! उसने पूछा। – मैं अब और लायक नहीं हूं। मैं अकेले मरने में लंबे समय तक नहीं रहूंगा, एक बूढ़े आदमी के रूप में खो गया। मुझे मत मारो!
  • उसे लेने के लिए! – अंदर से आवाज आई।
  • … मैं पहले से ही भुगतान किया है, कर्नल। मैंने कई बार भुगतान किया। उन्होंने मुझसे सब कुछ ले लिया। उन्होंने मुझे कई तरह से दंडित किया। मैं चालीस साल तक एक कीट की तरह छिपा रहा, हमेशा कूबड़ के साथ कि किसी भी क्षण वे मुझे मार डालेंगे। मैं उस कर्नल की तरह मरने के लायक नहीं हूं। प्रभु को कम से कम मुझे क्षमा करने दो। मुझे मत मारो! उनसे कहो कि मुझे न मारें!

वह वहाँ था, जैसे कि वह मारा गया था, पृथ्वी के खिलाफ अपनी टोपी हिलाकर। चिल्ला।

फिर अंदर की आवाज ने कहा:

  • उसे बांधें और उसे पीने के लिए कुछ दें जब तक वह नशे में न हो जाए, ताकि वे शॉट्स को चोट न पहुंचाएं।

अब, अंत में, वह शांत हो गया था। वह हिस्सेदारी के खिलाफ झुक रहा था। उनका बेटा जस्टिनो आया था और उसका बेटा जस्टिनो हिल गया था और वापस लौट आया था और अब वह फिर से आया।

इसे गधे के ऊपर रख दें। उसने उसे कसकर बांध दिया ताकि वह नीचे न गिरे। उसने अपना सिर एक बैग में रख लिया ताकि वह बुरा आभास न दे। और फिर उसने गधे के अयाल पर तंज कसा और वे जल्दी-जल्दी पत्थर मारते हुए, पियो डी वेनाडो तक पहुंचने के लिए समय के साथ मृतक के अंतिम संस्कार का आयोजन करने लगे।

  • आपकी बहू और आपके पोते आपको याद करेंगे – मैं कहूंगा। – वे आपको चेहरे पर देखेंगे और सोचेंगे कि यह आप नहीं हैं। यह उन्हें प्रतीत होगा कि यह कोयोट था जिसने आपको खा लिया था, जब वे आपको उस चेहरे से देखते हैं तो बहुत दया से भरा हुआ क्योंकि इतनी दया की गोली उन्होंने आपको दी थी।

TELL THEM THAT DON’T KILL ME

Juan Rulfo

  • Tell them not to kill me, Justin! Come on, say that. What for charity. Tell them like that. Tell them to do it for charity.
  • I can not. There is a sergeant there who doesn’t even want to hear from you.
  • Make me hear you. Use your ways and say that enough scares is enough. Tell him to do it for the charity of God.
  • It’s not scares. It looks like they’re really going to kill you. I don’t want to go back there anymore.
  • Go again. Just one more time, to see what you can get.
  • No. I don’t feel like going. It is evident that I am your son. And if I go to them many times, they will end up knowing who I am and you can give them to shoot me too. It is better to leave things as they are.
  • Come on, Justino. Tell them to be just a little sorry for me. Just say that.

Justin gritted his teeth and moved his head, saying:

  • No.

And he continued to shake his head for a long time

  • Tell the sergeant to let you see the colonel. And tell him how old I am. What little I am worth. What profit will you make by killing me? No profit. After all, he must have a soul. Tell him to do it for the blessed salvation of his soul.

Justin got up from the pile of stones he was sitting on and walked to the corral door. Then he turned to say:

  • I will, then. But if they happen to shoot me too, who will take care of my wife and children?
  • Providence, Justino. She will take care of them. Worry about going there and seeing what things you do for me. This is urgent.

They had brought it at dawn. And now it was late in the morning and he was still there, tied to a stake, waiting. I couldn’t be quiet. He had tried to get some sleep to appease himself, but sleep had been shaken. It had also shaken the hunger. I had no desire for anything. Just to live. Now that he knew quite well that they were going to kill him, he had such a strong desire to live that only a newly resurrected person could feel.

Who would have said that he would return to that matter so old, so rancid, so buried as he thought it was. That matter of when you had to kill Don Lupe. It was not just like that, as those of Alima wanted to believe, but because he had his reasons. He remembered: Don Lupe Terreros, the owner of Puerta de Piedra, and his friend. Which he, Juvêncio Nava, had to kill for that very reason; for being the owner of Puerta de Piedra and because, being also his friend, he was denied grazing for his animals.

First it held on by mere commitment. But then, during the drought, when he saw how his animals, lashed by hunger, died after him and that his friend Don Lupe continued to deny him the grass in his pastures, it was then that he started to break the fence. and pushing the mass of lean animals to the grass so that they get fed up with food. And Don Lupe had not liked that, so much so that he had the fence covered again so that he, Juvêncio Nava, would open the hole for him again. Thus, during the day the hole was covered and at night it opened again, while the cattle were there, always glued to the fence, always waiting; that cattle of yours that used to only smell the pasture without being able to taste it.

And he and Dom Lupe argued and went back to arguing without reaching an agreement.

Until Dom Lupe once said to him:

  • Look, Juvêncio, another animal that you put in the pasture and I kill.

And he replied:

  • Look, Don Lupe, it is not my fault that animals seek your comfort. They are innocent. You will see the consequences if you kill them. And he killed a bullock.

This happened thirty-five years ago, in March, because in April I was already walking on the mountain, fleeing the precatory. I was of no use to the ten cows I gave to the judge, nor the attachment of my house to pay for my release from prison. Still later they paid themselves with what was left, just so they wouldn’t chase me, although they chased me anyway. That’s why I came to live with my son in this other little land that I had, called Paio de Venado. And my son grew up and married my daughter-in-law Ignacia and already had eight children. Just like that, things are already old, and that is why they should be forgotten. But apparently, it is not.

I then calculated that with about a hundred pesos everything was fine. The late Don Lupe was alone, he lived alone with his wife and the two boys who were still hot. And the widow quickly died too, they say from sadness. And the boys took them away, to relatives. So, for their part, there was no need to be afraid.

But the others insisted that I went with court orders on trial to scare me and continue to rob me. Every time someone came to the village, they told me:

  • Some strangers are around, Juvêncio.

And I fled to the mountain, entangling myself among the strawberry trees and spending my days eating only purslane. Sometimes I had to leave at midnight, as if the dogs were chasing me. This went on for a lifetime. It was not a year or two. It’s been a lifetime.

And now they had gone looking for him, when he no longer expected anyone, relying on the forgetfulness in which people had him; believing that at least their last days would pass them by. «At least this» he thought «I can do it with being old. They will leave me alone. »

He had given himself over to this hope entirely. That was why it was hard for him to imagine that he was going to die suddenly, at this point in his life, after so much struggle to get rid of death; having spent his best time walking back and forth dragged by jerks and when his body had turned out to be a simple hard leather, tanned by the bad days when he had to hide from everyone.

Hadn’t he, by chance, left until the woman shook him? That day that dawned with the news that the woman was gone, he didn’t even intend to go out looking for her. He let him shake without asking either with whom or where, so he wouldn’t have to go down to the village. He let it be as if everything else had gone without moving a straw. The only thing left for him to take care of was life, and life would preserve it anyway. I couldn’t let them kill him. Could not. Much less now. But for that they had brought him from there, from Paio de Venado. They didn’t have to tie him up to follow them. He walked alone, only held in fear. They realized that he could not run with that old body, with those legs weak as dry ropes, whole, with the fear of dying. Because I was going for it. To die, they said.

I’ve known it ever since. He began to feel that itch in his stomach, which came to him suddenly whenever he saw death up close and which tugged at his eyes, and which swelled his mouth with those sips of sour water that he had to swallow unintentionally. And that thing that made his feet heavy while his head softened and his heart beat with all his strength in his ribs. No, he couldn’t get used to the idea that he was killed.
There had to be some hope. Somewhere there could still be some hope. Maybe they were wrong. Maybe they were looking for another Juvêncio Nava and not the Juvêncio Nava he was.

He walked among those men in silence, his arms drooping. The dawn was dark, without stars. The wind blew slowly, took the dry land with it and brought more, full of that urine-like smell that has dust from the paths.

His eyes, which had shriveled over the years, came to see the earth, here, under his feet, despite the darkness. There on earth was his whole life. Sixty years of living off it, holding it in your hands, after tasting it as you taste the meat. He came for a long time, scrutinizing her with his eyes, savoring each piece as if it were the last, almost knowing it would be the last.

Then, as if to say something, he looked at the men who came to him. I was going to tell them to let him go, to let him shake: “I didn’t hurt anyone, boys”, I was going to tell them, but I kept quiet. “I’ll tell you later,” he thought. And I just looked at them. He could even imagine that they were his friends; but I didn’t want to do it. They were not. I didn’t know who they were. He saw them beside him, leaning down and crouching from time to time to see where he was going.

I had seen them for the first time at dusk in the afternoon, in that faded hour when everything seems to be singed. They had crossed the furrows treading the tender corn. And he had come down to it: to tell them that the corn was beginning to grow there. But they did not stop.

I had seen them for a long time. He was always lucky to see everything with plenty of time. He could have gone into hiding, walking a few hours up the hill while they were not shaking and then going back down. After all, corn would not grow at all. It was time that the waters arrived and the waters did not appear and the corn began to wilt. It wouldn’t be long before it was completely dry.

So it wasn’t even worth it to go down; to have gotten into those men like a hole, so as not to leave again.

And now he stayed with them, enduring the urge to tell them to let him go. I didn’t see their faces; he saw only the shapes that joined or separated from him. In such a way that, when he started to speak, he did not know if they had heard him. Said:

“I never hurt anyone,” he said. But nothing has changed. None of the figures seemed to notice. The faces did not turn to see him. They remained the same, as if they had been sleeping.

Then he thought he had nothing more to say, that he would have to look elsewhere for hope. He dropped his arms again and entered the first houses of the village in the midst of those four men darkened by the black heat of the night.

  • Colonel, here’s the man.

They had stopped in front of the doorjamb. He, with his hat in his hand, out of respect, waiting to see someone leave. But only the voice came out:

  • What man? – they asked.
  • The one by Paio de Venado, my colonel. What you sent us to get.

“Ask him if he ever lived in Alima,” said the voice from inside again.

  • Hey, you! The colonel asks if you lived in Alima? repeated the sergeant in front of him. .
  • Yes. Tell the colonel that I’m really from there. And that I lived there until recently.
  • Ask him if he met Guadalupe Terreros.
  • He’s asking if you met Guadalupe Terreros.
  • To Don Lupe? Yes. Say yes that I met him. Has died.

Then the voice inside changed his tone:

“I already know you died,” he said. And he continued to speak as if he were talking to someone, on the other side of the wall of reeds:

  • Guadalupe Terreros was my father. When I grew up and looked for him, I was told he was dead. It is a bit difficult to grow up knowing that the thing we can hold on to to take root is dead. That happened to us. Then I learned that they had killed him with an ax, then stabbed him in the stomach. They told me that he survived more than two days lost and that, when they found him, thrown into a stream, he was still in agony and asking him to take care of his family. This, over time, seems to be forgotten. A person tries to forget. What is not forgotten is to come to know that whoever did that is still alive, feeding his rotten soul with the illusion of eternal life. I couldn’t forgive him, even though I don’t know him; but the fact that he put himself in the place where I know he is, gives me the courage to end him. I cannot forgive you for continuing to live. I should never have been born.

From here, from outside, everything you said was clearly heard. Then he ordered:

  • Take him and tie him up for a while, and then shoot him!
  • Look at me, Colonel! he asked. – I’m not worth anything anymore. I will not be long in dying alone, lost as an old man. Don’t kill me!
  • Take him! – said the voice from inside.
  • … I already paid, Colonel. I paid many times. They took everything from me. They punished me in many ways. I spent forty years hidden like a pest, always with the hunch that at any moment they would kill me. I don’t deserve to die like that, Colonel. Let the Lord at least forgive me. Don’t kill me! Tell them not to kill me!

He was there, as if he had been hit, shaking his hat against the earth. Screaming.

Then the voice inside said:

  • Tie him up and give him something to drink until he gets drunk so they don’t hurt the shots.

Now, at last, he had calmed down. He was leaning against the stake. His son Justino had come and his son Justino had shaken and returned and now he came again.

Put it on top of the donkey. He tied him tightly to the harness so he wouldn’t fall down the path. He put his head in a bag so he wouldn’t give a bad impression. And then he tugged on the donkey’s mane and they rocked, hurled, quickly, to reach Paio de Venado with time to organize the funeral for the deceased.

  • Your daughter-in-law and your grandchildren will miss you – I would say. – They’ll look you in the face and think it’s not you. It will seem to them that it was the coyote that ate you, when they see you with that face so full of holes because of so much mercy shot they gave you.

DIGA A ELES QUE NÃO ME MATEM

Juan Rulfo

– Diga a eles que não me matem, Justino! Anda, vai dizer isso. Que por caridade. Diga a eles assim. Diga que o façam por caridade.

– Não posso. Há ali um sargento que nem quer ouvir falar de ti.

– Faz com que te ouça. Usa as tuas manhas e diga que para sustos já chega. Diga que o faça pela caridade de Deus.

– Não se trata de sustos. Parece que te vão matar de verdade. Eu já não quero voltar lá.

– Vai outra vez. Só mais uma vez, a ver o que consegues.

– Não. Não tenho vontade de ir. É evidente que eu sou teu filho. E, se vou muitas vezes ter com eles, acabarão por saber quem sou e pode dar-lhes para me fuzilarem a mim também. É melhor deixar as coisas tal como estão.

– Anda, Justino. Diz-lhes que tenham só um bocadinho de lástima de mim. Diga só isso.

Justino apertou os dentes e moveu a cabeça, dizendo:

– Não.

E continuou a abanar a cabeça durante muito tempo

– Diga ao sargento que te deixe ver o coronel. E conta-lhe quão velho estou. O pouco que valho. Que lucro terá por matar-me? Nenhum lucro. Ao fim e ao cabo ele deve ter uma alma. Diga que o faça pela bendita salvação da sua alma.

Justino levantou-se do monte de pedras em que estava sentado e caminhou até à porta do curral. Depois voltou-se para dizer:

– Vou, então. Mas se por acaso me fuzilam a mim também, quem cuidará da minha mulher e dos filhos?

– A Providência, Justino. Ela se encarregará deles. Preocupa-te em ir lá e ver que coisas fazes por mim. Isso é que urge.

Tinham-no trazido de madrugada. E agora já ia avançada a manhã e ele continuava ainda ali, amarrado a uma estaca, esperando. Não conseguia estar quieto. Tinha feito a tentativa de dormir um pouco para se apaziguar, mas o sono tinha abalado. Também tinha abalado a fome. Não tinha vontade de nada. Só de viver. Agora que sabia bastante bem que o iam matar, tinha-lhe entrado uma vontade tão grande de viver como só a pode sentir um recém-ressuscitado.

Quem lhe haveria de dizer que havia de voltar àquele assunto tão velho, tão rançoso, tão enterrado como pensava que estava. Aquele assunto de quando teve que matar dom Lupe. Não foi sem mais nem menos, como lhe quiseram fazer crer os de Alima, mas sim porque teve as suas razões. Ele lembrava-se: Dom Lupe Terreros, o dono da Puerta de Piedra, ainda por cima seu compadre. Ao qual ele, Juvêncio Nava, teve que matar por isso mesmo; por ser o dono da Puerta de Piedra e porque, sendo também seu compadre, lhe negou o pasto para os seus animais.

Primeiro aguentou-se por mero compromisso. Mas depois, quando da seca, em que viu como lhe morriam um atrás do outro os seus animais fustigados pela fome e que o seu compadre dom Lupe continuava a negar-lhe a erva dos seus pastos, foi então que se pôs a partir a cerca e a empurrar a massa de animais magros até ao capim para que se fartassem de comer. E o dom Lupe não tinha gostado disso, tanto que mandou tapar outra vez a cerca para que ele, Juvêncio Nava, lhe voltasse a abrir outra vez o buraco. Assim, de dia tapava-se o buraco e de noite voltava a abrir-se, enquanto o gado estava ali, sempre colado à cerca, sempre esperando; aquele seu gado que antes só vivia cheirando o pasto sem o poder provar.

E ele e dom Lupe discutiam e voltavam a discutir sem chegarem a acordo.

Até que uma vez dom Lupe lhe disse:

– Olha, Juvêncio, outro animal mais que tu metes no pasto e eu mato.

E ele respondeu:

– Olhe, dom Lupe, eu não tenho a culpa que os animais procurem o seu conforto. Eles são inocentes. Você verá as consequências, se os matar. E matou-me um novilho.

Isto aconteceu há trinta e cinco anos, em Março, porque em Abril eu já andava no monte, fugindo da precatória. De nada me serviram as dez vacas que dei ao juiz, nem a penhora da minha casa para lhe pagar a minha saída da prisão. Ainda depois se pagaram com o que restava, só para não me perseguirem, embora de toda a maneira me tenham perseguido. Por isso vim viver com o meu filho neste outro terrenozinho que eu tinha e que se chama Paio de Venado. E o meu filho cresceu e casou-se com a minha nora Ignacia e já teve oito filhos. Assim como assim a coisa já vai para velha, e por isso deveria estar esquecida. Mas, pelos vistos, não está.

Eu então calculei que com uns cem pesos ficava tudo arrumado. O defunto dom Lupe era sozinho, vivia só com a mulher e os dois rapazinhos ainda de gatas. E a viúva depressa morreu também, dizem que de tristeza. E aos rapazinhos levaram-nos para longe, para casa de uns parentes. Assim que, pela parte deles, não havia que ter medo.

Mas os demais insistiam em que eu andava com a precatórias em julgamento para me assustarem e continuarem a roubar-me. Cada vez que alguém chegava à aldeia avisavam-me:

– Andam por aí uns forasteiros, Juvêncio.

E eu fugia para o monte, emaranhando-me entre os medronheiros e passando os dias a comer só beldroegas. Às vezes tinha que sair à meia-noite, como se me estivessem perseguindo os cães. Isso durou a vida toda. Não foi um ano nem dois. Foi a vida toda.

E agora tinham ido à sua procura, quando já não esperava ninguém, confiado no esquecimento em que as pessoas o tinham; acreditando que pelo menos os seus últimos dias os passaria tranquilo. «Pelo menos isto» pensou «conseguirei com estar velho. Deixar-me-ão em paz.»

Tinha-se entregado a esta esperança por inteiro. Era por isso que lhe custava trabalho imaginar que ia morrer assim de repente, nesta altura da sua vida, depois de tanto lutar para se livrar da morte; de ter passado o seu melhor tempo andando de um lado para o outro arrastado pelos sobressaltos e quando o seu corpo tinha acabado por ser um simples couro duro, curtido pelos maus dias em que teve que andar a esconder-se de todos.

Não tinha ele, por acaso, deixado até que a mulher lhe abalasse? Naquele dia que amanheceu com a novidade de que a mulher se tinha ido embora, nem sequer lhe passou pela cabeça a intenção de sair a procurá-la. Deixou que abalasse sem perguntar nem com quem nem para onde, para não ter de descer à aldeia. Deixou que se fosse como se lhe tinha ido tudo o resto, sem mexer uma palha. A única coisa que lhe restava para cuidar era a vida, e esta conservá-la-ia fosse como fosse. Não podia deixar que o matassem. Não podia. Muito menos agora. Mas para isso o tinham trazido de lá, de Paio de Venado. Não precisaram de amarrá-lo para que os seguisse. Ele andou sozinho, unicamente manietado pelo medo. Eles deram-se conta de que ele não podia correr com aquele corpo velho, com aquelas pernas fracas como cordas secas, inteiriçadas, com o medo de morrer. Porque ia para isso. Para morrer, disseram.

Soube desde então. Começou a sentir essa comichão no estômago, que lhe chegava de repente sempre que via a morte de perto e que lhe puxava a ânsia pelos olhos, e que lhe inchava a boca com aqueles goles de água azeda que tinha que engolir sem querer. E essa coisa que lhe fazia os pés pesados enquanto a cabeça lhe amolecia e o coração lhe batia com todas as suas forças nas costelas. Não, não se podia acostumar à ideia que o matassem.
Tinha que haver alguma esperança. Em algum lugar poderia ainda restar alguma esperança. Talvez eles se tivessem enganado. Talvez procurassem outro Juvêncio Nava e não o Juvêncio Nava que ele era.

Caminhou entre aqueles homens em silêncio, de braços caídos. A madrugada era escura, sem estrelas. O vento soprava devagar, levava consigo a terra seca e trazia mais, cheio desse cheiro como de urina que tem o pó dos caminhos.

Os seus olhos, que com os anos se tinham encarquilhado, vinham vendo a terra, aqui, debaixo dos seus pés, apesar da escuridão. Ali na terra estava toda a sua vida. Sessenta anos a viver dela, contendo-a entre as suas mãos, depois de a ter provado como se prova o sabor da carne. Veio durante longo tempo esmiuçando-a com os olhos, saboreando cada pedaço como se fosse o último, quase sabendo que seria o último.

Depois, como querendo dizer alguma coisa, olhava os homens que iam junto dele. Ia dizer-lhes que o soltassem, que o deixassem abalar: «Eu não fiz mal a ninguém, rapazes», ia dizer-lhes, mas ficava calado. «Mais adiante digo-lhes», pensava. E só os olhava. Podia até imaginar que eram seus amigos; mas não o queria fazer. Não eram. Não sabia quem eram. Via-os a seu lado inclinando-se e agachando-se de vez em quando para ver por onde seguia o caminho.

Tinha-os visto pela primeira vez ao empardecer da tarde, nessa hora desbotada em que tudo parece chamuscado. Tinham atravessado os sulcos pisando o milho tenro. E ele tinha descido para isso: para lhes dizer que ali estava a começar a crescer o milho. Mas eles não se detiveram.

Tinha-os visto bastante tempo. Sempre teve a sorte de ver tudo com bastante tempo. Podia ter-se escondido, caminhar umas quantas horas pelo cerro enquanto eles não abalavam e depois voltar a descer. Ao fim e ao cabo, o milho não cresceria de maneira nenhuma. Já era tempo de terem chegado as águas e as águas não apareciam e o milho começava a murchar. Não tardaria em estar completamente seco.

Assim nem merecia a pena ter descido; ter-se metido entre aqueles homens como num buraco, para já não voltar a sair.

E agora continuava junto deles, aguentando a vontade de lhes dizer que o soltassem. Não lhes via a cara; só via os vultos que se juntavam ou se separavam dele. De tal maneira que, quando se pôs a falar, não soube se o tinham ouvido. Disse:

– Eu nunca fiz mal a ninguém – disse isso. Mas nada mudou. Nenhum dos vultos pareceu aperceber-se. As caras não se viraram para o ver. Continuaram na mesma, como se tivessem vindo a dormir.

Então pensou que não tinha mais nada para dizer, que teria de procurar a esperança em qualquer outro lugar. Deixou cair outra vez os braços e entrou nas primeiras casas da aldeia no meio daqueles quatro homens escurecidos pelo negro calor da noite.

– Meu coronel, aqui está o homem.

Tinham parado à frente da ombreira da porta. Ele, com o seu chapéu na mão, por respeito, esperando ver sair alguém. Mas só saiu a voz:

– Qual homem? – perguntaram.

– O de Paio de Venado, meu coronel. O que o senhor nos mandou buscar.

– Pergunta-lhe se alguma vez viveu em Alima – voltou a dizer a voz de lá de dentro.

– Eh, tu! O coronel pergunta se habitaste em Alima? repetiu o sargento que estava à frente dele. .

– Sim. Diga ao coronel que sou mesmo de lá. E que lá vivi até há pouco tempo.

– Pergunta-lhe se conheceu Guadalupe Terreros.

– Está a perguntar se conheceste Guadalupe Terreros.

– Ao dom Lupe? Sim. Diga que sim que o conheci. Já morreu.

Então a voz lá de dentro mudou de tom:

– Já sei que morreu – disse. E continuou a falar como se conversasse com alguém, do outro lado da parede de carriços:

– Guadalupe Terreros era meu pai. Quando cresci e o procurei disseram-me que estava morto. É um bocado difícil crescer sabendo que a coisa a que podemos agarrar-nos para criar raízes está morta. Conosco, aconteceu isso. Depois soube que o tinham matado à machadada, cravando-lhe depois uma vara de ferrão no estômago. Contaram-me que ele sobreviveu mais de dois dias perdido e que, quando o encontraram, atirado num arroio, ainda estava agonizando e pedindo que se encarregassem de lhe cuidar da família. Isto, com o tempo, parece que se esquece. Uma pessoa tenta esquecer. Aquilo que não se esquece é chegar a saber que quem fez aquilo ainda está vivo, alimentando a sua alma podre com a ilusão da vida eterna. Não poderia perdoar-lhe, embora não o conheça; mas o facto de se ter posto no lugar onde eu sei que está, dá-me ânimo para acabar com ele. Não lhe posso perdoar que continue a viver. Não devia ter nascido nunca.

Daqui, de cá de fora, ouviu-se claramente tudo o que disse. Depois ordenou:

– Levem-no e amarrem-no um bocado, para que padeça, e depois fuzilem-no!

– Olha para mim, coronel! – pediu ele. – Já não valho nada. Não tardarei em morrer sozinho, derreado de velho. Não me mates!

– Levem-no! – voltou a dizer a voz lá de dentro.

– … Já paguei, coronel. Paguei muitas vezes. Tiraram-me tudo. Castigaram-me de muitas formas. Passei coisa de quarenta anos escondido como um pestilento, sempre com o palpite de que a qualquer momento me matariam. Não mereço morrer assim, coronel. Deixa que, pelo menos, o Senhor me perdoe. Não me mates! Diga que não me matem!

Estava ali, como se lhe tivessem batido, sacudindo o seu chapéu contra a terra. Gritando.

De seguida a voz lá de dentro disse:

– Amarrem-no e dêem-lhe alguma coisa para beber até que se embebede para não lhe doerem os tiros.

Agora, por fim, tinha-se apaziguado. Estava ali encostado ao pé da estaca. Tinha vindo o seu filho Justino e o seu filho Justino tinha abalado e tinha voltado e agora vinha outra vez.

Pô-lo em cima do burro. Amarrou-o bem amarrado aos arreios para que não caísse pelo caminho. Meteu-lhe a cabeça dentro de um saco para que não desse má impressão. E depois deu um puxão na crina do burro e abalaram, lançados, depressa, para chegar a Paio de Venado ainda com tempo para organizar o velório do defunto.

– A tua nora e os teus netos vão ter saudades tuas – ia dizendo. – Olhar-te-ão na cara e pensarão que não és tu. Vai parecer-lhes que foi o coiote que te comeu, quando te virem com essa cara tão cheia de buracos por causa de tanto tiro de misericórdia que te deram.

कोई पैठ नहीं है


चार्ल्स बुकोवस्की


मैं वेस्टर्न एवेन्यू पर एक बार में बैठा था। यह आधी रात के करीब था और मैं अपने सामान्य भ्रमों में से एक में था। मेरा मतलब है, आप जानते हैं, कुछ भी काम नहीं करता है: महिलाओं, नौकरियों, नौकरियों की कमी, समय, कुत्ते। अंत में, आप बस एक प्रकार की ट्रान्स अवस्था में बैठते हैं और इंतजार करते हैं जैसे कि आप मौत के इंतजार में बस स्टॉप पर हैं।
खैर, मैं वहां बैठा था और फिर इस महिला के पास लंबे काले बाल, अच्छी बॉडी, भूरी और उदास आँखें हैं। मैं उसकी ओर देखने के लिए नहीं मुड़ा। मैंने उसे अनदेखा कर दिया, भले ही वह मेरे बगल में बेंच पर बैठी, जब एक दर्जन अन्य खाली जगह थीं। वास्तव में, हम केवल क्लर्क को छोड़कर बार में थे। उसने एक सूखी शराब मंगवाई। फिर उसने मुझसे पूछा कि मैं क्या पी रहा था।

  • पानी के साथ स्कॉच।
    “उसे पानी के साथ एक स्कॉच दें,” उसने क्लर्क से कहा।
    खैर, यह असामान्य था।
    उसने बैग खोला, एक छोटे से तार के पिंजरे को हटाया और कुछ छोटे लोगों को निकालकर उन्हें काउंटर पर रखा। वे सभी लगभग दस सेंटीमीटर लंबे थे और जीवित और अच्छी तरह से तैयार थे। उनमें से चार, दो पुरुष और दो महिलाएँ थीं।
    “अभी करो,” उसने कहा। – वे बहुत महंगे हैं। जब मैंने इसे खरीदा था तो इसकी कीमत लगभग दो हजार डॉलर थी। अब वे $ 2,400 तक पहुंच रहे हैं। मुझे नहीं पता कि वे कैसे कर रहे हैं, लेकिन यह शायद गैरकानूनी है।
    काउंटर पर छोटे-छोटे लोग चल रहे थे। अचानक एक छोटे आदमी ने एक महिला को चेहरे पर थप्पड़ मार दिया।
    “तुम कुतिया,” उन्होंने कहा, “यह पर्याप्त है !!
  • नहीं जॉर्ज, तुम नहीं कर सकते – वह चिल्लाया – मैं तुमसे प्यार करता हूँ! मैं खुद को मारने जा रहा हूँ! मेरे पास तुम्हारे पास है!
  • मुझे परवाह नहीं है! छोटे साथी ने कहा और एक सिगरेट निकाली और उसे जलाया। – मुझे जीने का अधिकार है।
    “अगर आप यह नहीं चाहते हैं,” एक और छोटे साथी ने कहा, “मैं इसे ले जाऊंगा, मुझे यह पसंद है।”
  • लेकिन मैं तुम्हें नहीं चाहता, मार्टी। मुझे जॉर्ज से प्यार है।
  • लेकिन वह एक मूर्ख, अन्ना, एक पूर्ण बेवकूफ है!
  • मुझे पता है, लेकिन मैं उसे वैसे भी प्यार करता हूं।
    थोड़ा बेवकूफ काउंटर पर चला गया और अन्य छोटी औरत चूमा।
    “मेरे पास प्रगति में एक प्रेम त्रिकोण है,” उस महिला ने कहा जिसने मुझे एक पेय खरीदा था। – ये मार्टी और जॉर्ज और अन्ना और रूटी हैं। जॉर्ज बुरा होने वाला है, बहुत बुरा। मार्टी आधा वर्ग है।
  • क्या यह सब देखकर दुख नहीं होता? इर्र, तुम्हारा नाम क्या है?
  • भोर। यह एक भयानक नाम है। लेकिन ऐसा कभी-कभी माताएं अपने बच्चों के साथ करती हैं।
  • मेरा हांक है। लेकिन यह दुख की बात नहीं है …
  • नहीं, यह सब देखना दुखद नहीं है। मैं अपने प्यार के साथ बहुत भाग्यशाली नहीं था, बहुत बुरी किस्मत, जिस तरह से …
  • हम सभी के साथ ऐसा ही है।
  • ऐसा लगता है। वैसे भी, मैंने इन छोटे लोगों को खरीदा है और अब मैं उन्हें देखता हूं। और यह इन समस्याओं के होने और न होने जैसा है। लेकिन मैं वास्तव में उत्साहित हो जाता हूं जब वे प्यार करना शुरू करते हैं। बस यहीं से मुश्किल हो जाती है।
  • क्या वे रोमांचक हैं?
  • बहुत, बहुत रोमांचक। मेरे भगवान, वे मुझे पागल कर देते हैं!
  • आप उन्हें सेक्स क्यों नहीं करवाते? मेरा मतलब है अभी। हम साथ दिखेंगे।
  • आप उन्हें मजबूर नहीं कर सकते। उन्हें यह अपने दम पर करना होगा।
  • यह कितनी बार होता है?
  • ओह, वे बहुत अच्छे हैं। सप्ताह में चार या पांच बार।
    वे काउंटर से चल रहे थे।
    “सुनो,” मार्टी ने कहा, “मुझे एक मौका दें।” बस एक मौका, अन्ना।
    “नहीं,” अन्ना ने कहा। – मेरा दिल जॉर्ज का है। यह किसी अन्य तरीके से नहीं हो सकता।
    जॉर्ज Ruthie चुंबन किया गया था, उसके स्तन को छू। रूटी उत्तेजित हो रही थी।
    “रूटी उत्तेजित हो रही है,” मैंने डॉन से कहा।
  • हाँ यही है।
    मैं भी रह रहा था। मैं डॉन पकड़ा और उसे चूमा।
    “सुनो,” उसने कहा। – मैं उन्हें सार्वजनिक रूप से सेक्स करना पसंद नहीं करता। मैं तुम्हें घर ले जा रहा हूं और तुम्हें सेक्स के लिए बुलाऊंगा।
  • लेकिन तब मैं नहीं देख पाऊंगा।
  • अच्छा, आपको मेरे साथ आना पड़ेगा।
    “ठीक है,” मैंने कहा। – आ जाओ।
    मैंने अपना ड्रिंक खत्म किया और हम एक साथ बाहर गए। उसने एक छोटे से तार के पिंजरे में जीवों को रखा। हम उसकी कार में सवार हो गए और हम लोगों को सामने की सीट पर बिठा दिया। मैंने डॉन को देखा। वह वास्तव में युवा और सुंदर थी। अंदर से भी अच्छा लग रहा था। मैं पुरुषों को कैसे विफल कर सकता था? चीजों को गलत करने के लिए बहुत सारे तरीके हैं। चार छोटों ने उसकी कीमत आठ हजार बताई। यह सब रिश्तों से दूर होने के लिए और वास्तव में रिश्तों से दूर होने के लिए नहीं।
    घर पहाड़ियों के करीब था, एक सुखद उपस्थिति वाला स्थान। हम कार से बाहर निकले और दरवाजे पर चले गए। जब वह दरवाजा खोलती थी, तब मैं छोटों के साथ पिंजरे में रहता था।
  • मैंने पिछले हफ्ते द ट्रॉब्डर में रैंडी न्यूमैन को सुना। – क्या वह महान नहीं है? – उसने पूछा।
  • हाँ यह बहुत अच्छा है।
    हमने कमरे में प्रवेश किया, और डॉन ने छोटे लोगों को पिंजरे से बाहर निकाला और उन्हें एक छोटी मेज पर रखा। फिर वह रसोई में चला गया, रेफ्रिजरेटर खोला, और शराब की एक बोतल ली। मैं दो गिलास लाया।
    “क्षमा करें,” उसने कहा। – लेकिन तुम थोड़े पागल लगते हो। आप क्या करते हैं?
  • मैं एक लेखक हूं।
  • और क्या आप इसके बारे में लिखेंगे?
  • कोई भी कभी भी इस पर विश्वास नहीं करेगा, लेकिन मैं करूंगा।
    “देखो,” डॉन ने कहा। जॉर्ज ने रूटी की पैंटी उतार दी। वह अपनी उंगलियों को इसके माध्यम से चिपका रहा है। बर्फ?
  • हाँ, आप ऐसा कर रहे हैं। नहीं, बर्फ नहीं। शुद्ध महान है।
    “मुझे नहीं पता कि क्या होता है,” डॉन ने कहा, “लेकिन मैं वास्तव में उत्साहित हूं जब मैं उन्हें देखता हूं। शायद ऐसा इसलिए है क्योंकि

शायद इसलिए क्योंकि वे इतने छोटे हैं। यह वास्तव में मुझे चालू करता है।मैं समझता हूं तुम्हारा क्या मतलब है।

देखो, जॉर्ज उसे चूस रहा है।

वास्तव में।

उन्हें देखें!

अरे या वाह!
मैंने डॉन को पकड़ लिया। हम वहाँ चुंबन खड़ा था। इस बीच, उनकी नजर मेरे ऊपर से हटकर उनकी ओर चली गई।
लिटिल मार्टी और छोटे अन्ना भी देख रहे थे।
“देखो,” मार्टी ने कहा, “वे बकवास करने जा रहे हैं।” हम भी कर सकते थे। यहां तक ​​कि बड़े भी सेक्स करेंगे। उन्हें देखें!

आपने यह सुना? मैंने डॉन से पूछा। – उन्होंने कहा कि हम बकवास करने जा रहे हैं। यह सत्य है?
“मुझे उम्मीद है,” डॉन ने कहा।
मैं उसे सोफे पर ले गया और कमर से ऊपर की ड्रेस उतार दी। मैं अपनी गर्दन को चूम लिया।
“मैं तुमसे प्यार करता हूँ,” मैंने कहा।

वही? प्रेम?

हाँ, किसी तरह, हाँ …
“ठीक है,” थोड़ा मार्टी को अन्ना ने कहा। – हम बकवास कर सकते हैं, भले ही मैं तुमसे प्यार नहीं करता।
वे मेज के बीच में गले मिले। मैंने डॉन की पैंटी पहले ही उतार दी थी। वह कराहती रही। रूटी ने विलाप किया। मार्टी अन्ना के पास जा रहा था। यह हर जगह हो रहा था। मुझे अंदाजा था कि दुनिया में हर कोई चुदाई कर रहा है। इसलिए मैं बाकी दुनिया के बारे में भूल गया। किसी तरह हम कमरे में गए। फिर मैंने लंबी, धीमी सवारी के लिए डॉन में प्रवेश किया।
जब वह बाथरूम से बाहर आई, मैं प्लेबॉय पर एक बहुत ही बेवकूफ कहानी पढ़ रहा था।

यह इतना अच्छा था। – उसने कहा।
“यह मेरी खुशी थी,” मैंने जवाब दिया।
वह वापस बिस्तर पर चली गई। मैंने पत्रिका एक तरफ रख दी।

क्या आपको लगता है कि हम साथ काम कर सकते हैं? उसने पूछा

आपका मतलब क्या है?

क्या आपको लगता है कि हम कुछ समय के लिए एक साथ रह पाएंगे?

नही पता। चीजें होती रहती हे। शुरुआत हमेशा आसान होती है।
तभी हमें कमरे से एक चीख सुनाई दी।
“आउच, आउच,” उसने कहा।
वह बिस्तर से कूद गया और लिविंग रूम में भाग गया। मैंने पीछे से पीछा किया। जब मैं वहां गया, तो वह जॉर्ज को अपने हाथों में पकड़े हुए थी।

हे भगवान!

क्या हुआ?

यह अन्ना था!

अन्ना के बारे में क्या?

उसकी गेंदों को काट दो! जॉर्ज एक यूनुच है!

वाह!

  • टॉयलेट पेपर, जल्दी जाओ! वह खून बह सकता है!
    “एक कुतिया का बेटा,” मेज से अन्ना ने कहा, “अगर मेरे पास जॉर्ज नहीं हो सकता, तो कोई भी नहीं होगा।”
  • अब आप दो मेरे हैं! मार्टी ने कहा।
    “नहीं, अब आप में से एक को चुनना है,” अन्ना ने कहा।
  • तो, ​​आप कौन सा रखेंगे? रूठी से पूछा।
    “मैं आप दोनों से प्यार करता हूं,” मार्टी ने कहा।
    “यह खून बह रहा बंद कर दिया,” डॉन ने कहा। – वह ठंडा है।
    उसने जॉर्ज को एक स्कार्फ में लपेटा और फायरप्लेस के किनारे पर रख दिया।
    “मेरा मतलब है,” डॉन ने जारी रखा, “अगर आपको नहीं लगता कि हम काम करेंगे, तो मैं जोर नहीं दूंगा।”
  • मुझे लगता है कि मैं तुमसे प्यार करता हूं, डॉन।
    “देखो,” उसने कहा। – मार्टी रूटी को गले लगा रहा है!
  • चोदने जा रहे हो?
  • नही पता। वे उत्साहित दिखते हैं।
    डॉन ने अन्ना को लिया और उसे तार के पिंजरे में डाल दिया।
  • मुझे यहाँ से बाहर जाने दो! मैं उन दोनों को मार दूंगा! मुझे यहाँ से जाने दो!
    जॉर्ज किनारे पर दुपट्टे के अंदर से कांप गया। मार्टी ने पहले ही रूटी की पैंटी उतार दी थी। मैंने डॉन को अपने पास खींच लिया। वह अंदर से खूबसूरत और जवान और अच्छी थी। मुझे फिर से प्यार हो सकता है। यह संभव हो गया था, हम चूमा। मैं उसकी आँखों में गहरी पॉप। इसलिए मैं उभरा और भागने लगा। मुझे पता था कि मैं कहां हूं। एक कॉकरोच और एक बाज ने प्यार किया। समय उनके हाथ में बैंजो वाला एक मूर्ख था। मैं दौड़ता रहा। उसके लंबे बाल मेरे चेहरे पर गिर गए।
  • मैं सभी को मारने जा रहा हूं! थोड़ा अन्ना चिल्लाया।
    इससे सुबह तीन बजे तार के पिंजरे में हड़कंप मच गया।

NO PATH TO PARADISE


Charles Bukowski


I was sitting at a bar on Western Avenue. It was close to midnight and I was in one of my usual confusions. I mean, you know, nothing works: women, jobs, lack of jobs, time, dogs. Finally, you simply sit in a kind of trance state and wait as if you are on the bench at the bus stop awaiting death.
Well, I was sitting there and then this woman comes with long black hair, good body, brown and sad eyes. I didn’t turn to look at her. I ignored her, even though she sat on the bench next to mine, when there were a dozen other vacant places. In fact, we were the only ones at the bar, except for the clerk. She ordered a dry wine. Then he asked me what I was drinking.

  • Scotch with water.
    “Give him a scotch with water,” she said to the clerk.
    Well, that was unusual.
    He opened the bag, removed a small wire cage and took out a few small people and placed them on the counter. They were all about ten centimeters tall and were alive and well dressed. There were four of them, two men and two women.
    “Do it now,” she said. – They are very expensive. It cost almost two thousand dollars each when I bought it. Now they are reaching $ 2,400. I don’t know how they’re done, but it’s probably outlawed.
    Miniature people were walking over the counter. Suddenly one of the little men slapped one of the women in the face.
    “You bitch,” he said, “that’s enough !!
  • No George, you can’t – she shouted – I love you! I’m going to kill myself! I have to have you!
  • I do not care! Said the little fellow and pulled out a cigarette and lit it. – I have a right to live.
    “If you don’t want it,” said another little fellow, “I’ll take it, I love it.”
  • But I don’t want you, Marty. I’m in love with George.
  • But he is an idiot, Anna, a complete idiot!
  • I know, but I love him anyway.
    The little idiot walked over the counter and kissed the other little woman.
    “I have a love triangle in progress,” said the woman who had bought me a drink. – These are Marty and George and Anna and Ruthie. George is going to be bad, very bad. Marty is half square.
  • Isn’t it sad to see all this? Errr, what’s your name?
  • Dawn. It’s a terrible name. But it is what mothers do with their children sometimes.
  • Mine is Hank. But it’s not sad …
  • No, it is not sad to observe all this. I was not very lucky with my own loves, very bad luck, by the way …
  • It’s the same with all of us.
  • It seems so. Anyway, I bought these little people and now I look at them. And it’s like having and not having these problems. But I get really excited when they start making love. That’s where it gets difficult.
  • Are they exciting?
  • Very, very exciting. My God, they make me crazy!
  • Why don’t you make them have sex? I mean now. We’ll be looking together.
  • You can’t force them. They have to do it on their own.
  • How often does it happen?
  • Oh, they’re pretty good. Four or five times a week.
    They were walking by the counter.
    “Listen,” said Marty, “give me a chance.” Just a chance, Anna.
    “No,” said Anna. – My heart belongs to George. It cannot be in any other way.
    George was kissing Ruthie, touching her breasts. Ruthie was getting excited.
    “Ruthie is getting excited,” I said to Dawn.
  • Yes, it is.
    I was staying, too. I grabbed Dawn and kissed her.
    “Listen,” she said. – I don’t like them having sex in public. I’m going to take you home and put you in for sex.
  • But then I won’t be able to look.
  • Well, you’ll have to come with me.
    “Okay,” I said. – Come on.
    I finished my drink and we went out together. She carried the creatures in a small wire cage. We got in her car and put the people among us in the front seat. I looked at Dawn. She was really young and beautiful. It looked good on the inside too. How could I have failed men? There are so many ways for things to go wrong. The four little ones cost her eight thousand. All this to get away from relationships and in fact not to get away from relationships.
    The house was close to the hills, a place with a pleasant appearance. we got out of the car and walked to the door. I held the cage with the little ones while she opened the door.
  • I heard Randy Newman last week at The Troubador. – Isn’t he great? – He asked.
  • Yes it’s great.
    We entered the room, and Dawn took the little ones out of the cage and placed them on a small table. Then he walked into the kitchen, opened the refrigerator, and took a bottle of wine. I brought two glasses.
    “Sorry,” she said. – But you look a little crazy. What do you do?
  • I’m a writer.
  • And will you write about it?
  • No one will ever believe it, but I will.
    “Look,” said Dawn. George took off Ruthie’s panties. He’s sticking his fingers through it. Ice?
  • Yes, you’re doing that. No, no ice. Pure is great.
    “I don’t know what happens,” said Dawn, “but I’m really excited when I watch them. Maybe it’s because

because they are so small. It really turns me on.

  • I understand what you mean.
  • Look, George is sucking on her.
  • Really.
  • Look at them!
  • Good heavens!
    I grabbed Dawn. We stood there kissing. In the meantime, his eyes went from mine to them and back to mine.
    Little Marty and little Anna were watching, too.
    “Look,” said Marty, “they’re going to fuck.” We could do it too. Even the big ones will have sex. Look at them!
  • Did you hear that? I asked Dawn. – They said we’re going to fuck. It is true?
    “I hope so,” said Dawn.
    I took her to the sofa and lifted the dress above the waist. I kissed your neck.
    “I love you,” I said.
  • Same? Love?
  • Yes, somehow, yes …
    “Okay,” said little Anna to little Marty. – We can also fuck, even if I don’t love you.
    They hugged in the middle of the table. I had already taken off Dawn’s panties. She moaned. Ruthie moaned. Marty was approaching Anna. It was happening everywhere. I had the idea that everyone in the world was fucking. So I forgot about the rest of the world. Somehow we went to the room. Then I entered Dawn for the long, slow ride.
    When she came out of the bathroom, I was reading a really stupid story on Playboy.
  • It was so good. – she said.
    “It was my pleasure,” I replied.
    She went back to bed. I put the magazine aside.
  • Do you think we can work together? He asked
  • What you mean?
  • Do you think we’ll be able to be together for a while?
  • Do not know. Things happen. The beginning is always easier.
    Then we heard a shout from the room.
    “Ouch, ouch,” she said.
    He jumped out of bed and ran into the living room. I followed close behind. When I got there, she was holding George in her hands.
  • Oh my God!
  • What happened?
  • It was Anna!
  • What about Anna?
  • Cut his balls off! George is a Eunuch!
  • Wow!
  • Get toilet paper, quick! He can bleed to death!
    “That son of a bitch,” said Anna from the table, “if I can’t have George, no one will.”
  • Now you two are mine! Said Marty.
    “No, now you have to choose one of us,” said Anna.
  • So, which one will you keep? Asked Ruthie.
    “I love you both,” said Marty.
    “It stopped bleeding,” said Dawn. – He’s cold.
    She wrapped George in a scarf and placed it over the edge of the fireplace.
    “I mean,” Dawn continued, “that if you don’t think we will work, I won’t insist.”
  • I think I love you, Dawn.
    “Look,” she said. – Marty is hugging Ruthie!
  • Are you going to fuck?
  • Do not know. They look excited.
    Dawn took Anna and put her in the wire cage.
  • Let me out of here! I’ll kill them both! Let me out of here!
    George shivered from inside the scarf over the edge. Marty had already removed Ruthie’s panties. I pulled Dawn close to me. She was beautiful and young and good inside. I could be in love again. It was possible, we kissed. I popped deep into his eyes. So I emerged and started running. I knew where I was. A cockroach and an eagle made love. Time was an idiot with a banjo in his hand. I kept running. His long hair fell over my face.
  • I’m going to kill everyone! screamed little Anna.
    It stirred in the wire cage at three in the morning.

NENHUM CAMINHO PARA O PARAÍSO

Charles Bukowski

Eu estava sentado em um bar na avenida Western. Era perto da meia-noite e estava metido em uma das minhas habituais confusões. Quero dizer, você sabe, nada dá certo: as mulheres, os trabalhos, a falta de trabalhos, o tempo, os cães. Por fim, você simplesmente senta em uma espécie de estado de transe e espera como se estivesse no banco da parada de ônibus aguardando a morte.
Bem, estava sentado lá e então chega essa mulher com cabelo preto e longo, bom corpo, olhos castanhos e tristes. Não me virei para olhá-la. Ignorei-a, mesmo ela tendo sentado no banco ao lado do meu, quando havia uma duzia de outros lugares vagos. Na verdade, éramos os únicos no bar, exceto pelo balconista. Ela pediu um vinho seco. Depois me perguntou o que eu estava bebendo.
– Scotch com água.
– Dê-lhe um scotch com água – ela disse ao balconista.
Bem, isso era incomum.
Abriu a bolsa, removeu uma pequena gaiola de arame e tirou algumas pessoas pequenas e as colocou no balcão. Tinham todos aproximadamente dez centimetros de altura e estavam vivos e bem vestidos. Havia quatro deles, dois homens e duas mulheres.
– Fazem desses agora – ela disse. – São muito caros. Custaram quase dois mil dolores cada um quando comprei. Agora estão chegando aos 2.400 dólares. Não sei como são feitos, mas provavelmente é coisa fora da lei.
As pessoas em miniatura estavam caminhando por cima do balcão. Repentinamente um dos pequenos homens deu um tapa na cara de uma das mulheres.
– Sua vagabunda – ele disse – , já chega!!
– Não George, você não pode – ela gritou -, eu te amo! Vou me matar! Tenho que ter você!
– Não me importo! – disse o pequeno sujeito e puxou um cigarrinho e o acendeu. – Tenho direito de viver.
– Se você não a quer – disse outro sujeitinho -, fico com ela, eu a amo.
– Mas eu não quero você, Marty. Estou apaixonada pelo George.
– Mas ele é um idiota, Anna, um idiota completo!
– Eu sei, mas o amo de qualquer forma.
O idiotinha caminhou pelo balcão e beijou a outra mulherzinha.

– Estou com um triângulo amoroso em andamento – disse a mulher que havia me pagado uma bebida. – Esses são Marty e George e Anna e Ruthie. George vai se dar mal, muito mal. Marty é meio quadrado.
– Não é triste ver tudo isso? Errr, qual o seu nome?
– Dawn. É um nome terrivel. Mas é o que as mães fazem com suas crianças às vezes.
– O meu é Hank. Mas não é triste…
– Não, não é triste observar isso tudo. Não tive muita sorte com os meus próprios amores, péssima sorte, aliás…
– Passa o mesmo com todos nós.
– Parece que sim. De qualquer forma, comprei essas pessoinhas e agora fico olhando elas. E é como ter e não ter esses problemas. Mas fico muito excitada quando começam a fazer amor. É aí que fica dificil.
– São excitantes?
– Muito, muito excitantes. Meu Deus, me deixam louca!
– Por que você não os obriga a fazer sexo? Quero dizer agora. Ficaremos olhando juntos.
– Não se pode forçá-los. Têm de fazer por conta própria.
– Com que frequencia acontece?
– Oh, eles são bem bons. Quatro ou cinco vezes por semana.
Estavam caminhando pelo balcão.
– Escute – disse Marty -, me dê uma chance. Apenas uma chance, Anna.
– Não – disse Anna. – Meu coração pertence ao George. Não pode ser de nenhuma outra maneira.
George estava beijando Ruthie, apalpando seus peitos. Ruthie estava ficando excitada.
– Ruthie está ficando excitada – Eu disse a Dawn.
– Está, está mesmo.
Eu também estava ficando. Agarrei Dawn e a beijei.
– Escute – ela disse. – não gosto que eles façam sexo em público. Vou levá-los para casa e colocá-los para transar.
– Mas aí não poderei olhar.
– Bem, terá que vir comigo.
– Tudo bem – respondi. – Vamos lá.
Acabei minha bebida e saímos juntos. Ela carregava as criaturas em uma pequena gaiola de arame. Entramos no carro dela e colocamos o pessoal entre nós, no banco da frente. Olhei para Dawn. Era realmente jovem e bonita. Parecia ser boa também por dentro. Como podia ter fracassado com os homens? Há tantas maneiras de as coisas saírem erradas. Os quatro pequenos custaram-na oito mil. Tudo isso para se afastar de relacionamentos e na verdade não se afastar de relacionamentos.
A casa era perto dos morros, um lugar com uma aparência agradavel. descemos do carro e caminhamos até a porta. Segurei a gaiola com os pequenos enquanto ela abria a porta.
– Ouvi Randy Newman semana passada no The Troubador. – Ele não está ótimo? – perguntou.
– Sim, é ótimo.
Entramos na sala, e Dawn tirou os pequenos da gaiola e os colocou em uma mesinha. Então caminhou até a cozinha, abriu o refrigerador e pegou uma garrafa de vinho. Trouxe dois copos.
– Perdão – ela disse. – Mas você parece um pouco louco. O que você faz?
– Sou escritor.
– E irá escrever sobre isso?
– Ninguém jamais acreditará, mas vou.
– Olha – disse dawn. – George tirou as calcinhas de Ruthie. Ele está enfiando os dedos nela. Gelo?
– Sim, está fazendo isso. Não, sem gelo. Puro está ótimo.
– Não sei o que acontece – disse Dawn -, mas fico realmente excitada quando os observo. Talvez seja porque são tão pequenos. Realmente me excita.
– Entendo o que quer dizer.
– Olhe, o George está chupando ela.
– É mesmo.
– Olhe pra eles!
– Deus do céu!
Agarrei Dawn. Ficamos ali em pé nos beijando. Enquanto isso, seus olhos iam dos meus para eles e novamente para os meus.
O pequeno Marty e a pequena Anna também estavam olhando.
– Olhe – disse Marty -, eles vão trepar. Nós bem que podíamos trepar também. Até os grandes vão transar. Olhe pra eles!
– Você ouviu isso? – perguntei a Dawn. – Eles disseram que nós vamos trepar. É verdade?
– Espero que sim – disse Dawn.
Levei-a para o sofá e levantei o vestido acima da cintura. Beijei seu pescoço.
– Eu te amo – eu disse.
– Mesmo? Ama?
– Sim, de alguma forma, sim…
– Tudo bem – disse a pequena Anna ao pequeno Marty. – Também podemos trepar, mesmo que eu não ame você.
Eles se abraçaram no meio da mesinha. Eu já tinha tirado a calcinha de Dawn. Ela gemia. Ruthie gemia. Marty se aproximava de Anna. Estava acontecendo por toda parte. Tive a idéia de que todas as pessoas do mundo estavam trepando. Então esqueci do resto do mundo. De alguma forma fomos para o quarto. Então penetrei Dawn para a longa e lenta cavalgada.

Quando ela saiu do banheiro, eu estava lendo uma história muito idiota na Playboy.
– Foi tão bom. – ela disse.
– O prazer foi meu – respondi.
Ela voltou para a cama. Pus a revista de lado.
– Acha que daremos certo juntos? perguntou
– O que quer dizer?
– Acha que vamos conseguir ficar juntos por algum tempo?
– Não sei. Coisas acontecem. O começo é sempre mais fácil.
Então ouvimos um grito vindo da sala.
– Ai, ai – ela disse.
Saltou da cama e correu para a sala. Segui logo atrás. Quando cheguei lá, ela estava segurando George nas mãos.
– Oh, meu Deus!
– O que aconteceu?
– Foi a Anna!
– O que tem a Anna?
– Cortou fora as bolas dele! George é um Eunuco!
– Uau!
– Pegue papel higiênico, rápido! Ele pode sangrar até morrer!
– Esse filho da puta – disse Anna da mesinha -, se não posso ter George, ninguém terá.
– Agora vocês duas são minhas! – disse Marty.
– Não, agora você tem que escolher uma de nós – disse Anna.
– Então, com qual vai ficar? – perguntou Ruthie.
– Amo as duas – disse Marty.
– Parou de sangrar – disse Dawn. – Ele está frio.
Ela embrulhou George em um lenço e colocou sobre a borda da lareira.
– Quero dizer – seguiu Dawn – que se você acha que não daremos certo, não vou insistir.
– Acho que amo você, Dawn.
– Olhe, – ela disse. – Marty está abraçando Ruthie!
– Vão trepar?
– Não sei. Parecem excitados.
Dawn pegou Anna e a colocou na gaiola de arame.
– Deixe-me sair daqui! Vou matar os dois! Deixe-me sair daqui!
George tremeu de dentro do lenço sobre a borda. Marty ja tirara a calcinha de Ruthie. Puxei Dawn para perto de mim. Era bonita e jovem e boa por dentro. Eu podia estar apaixonado novamente. Era possível, nos beijamos. Megulhei fundo em seus olhos. Então emergi e comecei a correr. Eu sabia onde estava. Uma barata e uma águia faziam amor. O tempo era um idiota com um banjo na mão. Continuei correndo. Seu cabelo longo caía sobre meu rosto.
– Vou matar todo mundo! gritava a pequena Anna.
Agitava-se na gaiola de arame às três horas da manhã.

NENHUM CAMINHO PARA O PARAISO

Charles Bukowski

Eu estava sentado em um bar na avenida Western. Era perto da meia-noite e estava metido em uma das minhas habituais confusões. Quero dizer, você sabe, nada dá certo: as mulheres, os trabalhos, a falta de trabalhos, o tempo, os cães. Por fim, você simplesmente senta em uma espécie de estado de transe e espera como se estivesse no banco da parada de ônibus aguardando a morte.
Bem, estava sentado lá e então chega essa mulher com cabelo preto e longo, bom corpo, olhos castanhos e tristes. Não me virei para olhá-la. Ignorei-a, mesmo ela tendo sentado no banco ao lado do meu, quando havia uma duzia de outros lugares vagos. Na verdade, éramos os únicos no bar, exceto pelo balconista. Ela pediu um vinho seco. Depois me perguntou o que eu estava bebendo.
– Scotch com água.
– Dê-lhe um scotch com água – ela disse ao balconista.
Bem, isso era incomum.
Abriu a bolsa, removeu uma pequena gaiola de arame e tirou algumas pessoas pequenas e as colocou no balcão. Tinham todos aproximadamente dez centimetros de altura e estavam vivos e bem vestidos. Havia quatro deles, dois homens e duas mulheres.
– Fazem desses agora – ela disse. – São muito caros. Custaram quase dois mil dolores cada um quando comprei. Agora estão chegando aos 2.400 dólares. Não sei como são feitos, mas provavelmente é coisa fora da lei.
As pessoas em miniatura estavam caminhando por cima do balcão. Repentinamente um dos pequenos homens deu um tapa na cara de uma das mulheres.
– Sua vagabunda – ele disse – , já chega!!
– Não George, você não pode – ela gritou -, eu te amo! Vou me matar! Tenho que ter você!
– Não me importo! – disse o pequeno sujeito e puxou um cigarrinho e o acendeu. – Tenho direito de viver.
– Se você não a quer – disse outro sujeitinho -, fico com ela, eu a amo.
– Mas eu não quero você, Marty. Estou apaixonada pelo George.
– Mas ele é um idiota, Anna, um idiota completo!
– Eu sei, mas o amo de qualquer forma.
O idiotinha caminhou pelo balcão e beijou a outra mulherzinha.

– Estou com um triângulo amoroso em andamento – disse a mulher que havia me pagado uma bebida. – Esses são Marty e George e Anna e Ruthie. George vai se dar mal, muito mal. Marty é meio quadrado.
– Não é triste ver tudo isso? Errr, qual o seu nome?
– Dawn. É um nome terrivel. Mas é o que as mães fazem com suas crianças às vezes.
– O meu é Hank. Mas não é triste…
– Não, não é triste observar isso tudo. Não tive muita sorte com os meus próprios amores, péssima sorte, aliás…
– Passa o mesmo com todos nós.
– Parece que sim. De qualquer forma, comprei essas pessoinhas e agora fico olhando elas. E é como ter e não ter esses problemas. Mas fico muito excitada quando começam a fazer amor. É aí que fica dificil.
– São excitantes?
– Muito, muito excitantes. Meu Deus, me deixam louca!
– Por que você não os obriga a fazer sexo? Quero dizer agora. Ficaremos olhando juntos.
– Não se pode forçá-los. Têm de fazer por conta própria.
– Com que frequencia acontece?
– Oh, eles são bem bons. Quatro ou cinco vezes por semana.
Estavam caminhando pelo balcão.
– Escute – disse Marty -, me dê uma chance. Apenas uma chance, Anna.
– Não – disse Anna. – Meu coração pertence ao George. Não pode ser de nenhuma outra maneira.
George estava beijando Ruthie, apalpando seus peitos. Ruthie estava ficando excitada.
– Ruthie está ficando excitada – Eu disse a Dawn.
– Está, está mesmo.
Eu também estava ficando. Agarrei Dawn e a beijei.
– Escute – ela disse. – não gosto que eles façam sexo em público. Vou levá-los para casa e colocá-los para transar.
– Mas aí não poderei olhar.
– Bem, terá que vir comigo.
– Tudo bem – respondi. – Vamos lá.
Acabei minha bebida e saímos juntos. Ela carregava as criaturas em uma pequena gaiola de arame. Entramos no carro dela e colocamos o pessoal entre nós, no banco da frente. Olhei para Dawn. Era realmente jovem e bonita. Parecia ser boa também por dentro. Como podia ter fracassado com os homens? Há tantas maneiras de as coisas saírem erradas. Os quatro pequenos custaram-na oito mil. Tudo isso para se afastar de relacionamentos e na verdade não se afastar de relacionamentos.
A casa era perto dos morros, um lugar com uma aparência agradavel. descemos do carro e caminhamos até a porta. Segurei a gaiola com os pequenos enquanto ela abria a porta.
– Ouvi Randy Newman semana passada no The Troubador. – Ele não está ótimo? – perguntou.
– Sim, é ótimo.
Entramos na sala, e Dawn tirou os pequenos da gaiola e os colocou em uma mesinha. Então caminhou até a cozinha, abriu o refrigerador e pegou uma garrafa de vinho. Trouxe dois copos.
– Perdão – ela disse. – Mas você parece um pouco louco. O que você faz?
– Sou escritor.
– E irá escrever sobre isso?
– Ninguém jamais acreditará, mas vou.
– Olha – disse dawn. – George tirou as calcinhas de Ruthie. Ele está enfiando os dedos nela. Gelo?
– Sim, está fazendo isso. Não, sem gelo. Puro está ótimo.
– Não sei o que acontece – disse Dawn -, mas fico realmente excitada quando os observo. Talvez seja porque são tão pequenos. Realmente me excita.
– Entendo o que quer dizer.
– Olhe, o George está chupando ela.
– É mesmo.
– Olhe pra eles!
– Deus do céu!
Agarrei Dawn. Ficamos ali em pé nos beijando. Enquanto isso, seus olhos iam dos meus para eles e novamente para os meus.
O pequeno Marty e a pequena Anna também estavam olhando.
– Olhe – disse Marty -, eles vão trepar. Nós bem que podíamos trepar também. Até os grandes vão transar. Olhe pra eles!
– Você ouviu isso? – perguntei a Dawn. – Eles disseram que nós vamos trepar. É verdade?
– Espero que sim – disse Dawn.
Levei-a para o sofá e levantei o vestido acima da cintura. Beijei seu pescoço.
– Eu te amo – eu disse.
– Mesmo? Ama?
– Sim, de alguma forma, sim…
– Tudo bem – disse a pequena Anna ao pequeno Marty. – Também podemos trepar, mesmo que eu não ame você.
Eles se abraçaram no meio da mesinha. Eu já tinha tirado a calcinha de Dawn. Ela gemia. Ruthie gemia. Marty se aproximava de Anna. Estava acontecendo por toda parte. Tive a idéia de que todas as pessoas do mundo estavam trepando. Então esqueci do resto do mundo. De alguma forma fomos para o quarto. Então penetrei Dawn para a longa e lenta cavalgada.

Quando ela saiu do banheiro, eu estava lendo uma história muito idiota na Playboy.
– Foi tão bom. – ela disse.
– O prazer foi meu – respondi.
Ela voltou para a cama. Pus a revista de lado.
– Acha que daremos certo juntos? perguntou
– O que quer dizer?
– Acha que vamos conseguir ficar juntos por algum tempo?
– Não sei. Coisas acontecem. O começo é sempre mais fácil.
Então ouvimos um grito vindo da sala.
– Ai, ai – ela disse.
Saltou da cama e correu para a sala. Segui logo atrás. Quando cheguei lá, ela estava segurando George nas mãos.
– Oh, meu Deus!
– O que aconteceu?
– Foi a Anna!
– O que tem a Anna?
– Cortou fora as bolas dele! George é um Eunuco!
– Uau!
– Pegue papel higiênico, rápido! Ele pode sangrar até morrer!
– Esse filho da puta – disse Anna da mesinha -, se não posso ter George, ninguém terá.
– Agora vocês duas são minhas! – disse Marty.
– Não, agora você tem que escolher uma de nós – disse Anna.
– Então, com qual vai ficar? – perguntou Ruthie.
– Amo as duas – disse Marty.
– Parou de sangrar – disse Dawn. – Ele está frio.
Ela embrulhou George em um lenço e colocou sobre a borda da lareira.
– Quero dizer – seguiu Dawn – que se você acha que não daremos certo, não vou insistir.
– Acho que amo você, Dawn.
– Olhe, – ela disse. – Marty está abraçando Ruthie!
– Vão trepar?
– Não sei. Parecem excitados.
Dawn pegou Anna e a colocou na gaiola de arame.
– Deixe-me sair daqui! Vou matar os dois! Deixe-me sair daqui!
George tremeu de dentro do lenço sobre a borda. Marty ja tirara a calcinha de Ruthie. Puxei Dawn para perto de mim. Era bonita e jovem e boa por dentro. Eu podia estar apaixonado novamente. Era possível, nos beijamos. Megulhei fundo em seus olhos. Então emergi e comecei a correr. Eu sabia onde estava. Uma barata e uma águia faziam amor. O tempo era um idiota com um banjo na mão. Continuei correndo. Seu cabelo longo caía sobre meu rosto.
– Vou matar todo mundo! gritava a pequena Anna.
Agitava-se na gaiola de arame às três horas da manhã.

Charles Bukowski

Eu estava sentado em um bar na avenida Western. Era perto da meia-noite e estava metido em uma das minhas habituais confusões. Quero dizer, você sabe, nada dá certo: as mulheres, os trabalhos, a falta de trabalhos, o tempo, os cães. Por fim, você simplesmente senta em uma espécie de estado de transe e espera como se estivesse no banco da parada de ônibus aguardando a morte.
Bem, estava sentado lá e então chega essa mulher com cabelo preto e longo, bom corpo, olhos castanhos e tristes. Não me virei para olhá-la. Ignorei-a, mesmo ela tendo sentado no banco ao lado do meu, quando havia uma duzia de outros lugares vagos. Na verdade, éramos os únicos no bar, exceto pelo balconista. Ela pediu um vinho seco. Depois me perguntou o que eu estava bebendo.
– Scotch com água.
– Dê-lhe um scotch com água – ela disse ao balconista.
Bem, isso era incomum.
Abriu a bolsa, removeu uma pequena gaiola de arame e tirou algumas pessoas pequenas e as colocou no balcão. Tinham todos aproximadamente dez centimetros de altura e estavam vivos e bem vestidos. Havia quatro deles, dois homens e duas mulheres.
– Fazem desses agora – ela disse. – São muito caros. Custaram quase dois mil dolores cada um quando comprei. Agora estão chegando aos 2.400 dólares. Não sei como são feitos, mas provavelmente é coisa fora da lei.
As pessoas em miniatura estavam caminhando por cima do balcão. Repentinamente um dos pequenos homens deu um tapa na cara de uma das mulheres.
– Sua vagabunda – ele disse – , já chega!!
– Não George, você não pode – ela gritou -, eu te amo! Vou me matar! Tenho que ter você!
– Não me importo! – disse o pequeno sujeito e puxou um cigarrinho e o acendeu. – Tenho direito de viver.
– Se você não a quer – disse outro sujeitinho -, fico com ela, eu a amo.
– Mas eu não quero você, Marty. Estou apaixonada pelo George.
– Mas ele é um idiota, Anna, um idiota completo!
– Eu sei, mas o amo de qualquer forma.
O idiotinha caminhou pelo balcão e beijou a outra mulherzinha.

– Estou com um triângulo amoroso em andamento – disse a mulher que havia me pagado uma bebida. – Esses são Marty e George e Anna e Ruthie. George vai se dar mal, muito mal. Marty é meio quadrado.
– Não é triste ver tudo isso? Errr, qual o seu nome?
– Dawn. É um nome terrivel. Mas é o que as mães fazem com suas crianças às vezes.
– O meu é Hank. Mas não é triste…
– Não, não é triste observar isso tudo. Não tive muita sorte com os meus próprios amores, péssima sorte, aliás…
– Passa o mesmo com todos nós.
– Parece que sim. De qualquer forma, comprei essas pessoinhas e agora fico olhando elas. E é como ter e não ter esses problemas. Mas fico muito excitada quando começam a fazer amor. É aí que fica dificil.
– São excitantes?
– Muito, muito excitantes. Meu Deus, me deixam louca!
– Por que você não os obriga a fazer sexo? Quero dizer agora. Ficaremos olhando juntos.
– Não se pode forçá-los. Têm de fazer por conta própria.
– Com que frequencia acontece?
– Oh, eles são bem bons. Quatro ou cinco vezes por semana.
Estavam caminhando pelo balcão.
– Escute – disse Marty -, me dê uma chance. Apenas uma chance, Anna.
– Não – disse Anna. – Meu coração pertence ao George. Não pode ser de nenhuma outra maneira.
George estava beijando Ruthie, apalpando seus peitos. Ruthie estava ficando excitada.
– Ruthie está ficando excitada – Eu disse a Dawn.
– Está, está mesmo.
Eu também estava ficando. Agarrei Dawn e a beijei.
– Escute – ela disse. – não gosto que eles façam sexo em público. Vou levá-los para casa e colocá-los para transar.
– Mas aí não poderei olhar.
– Bem, terá que vir comigo.
– Tudo bem – respondi. – Vamos lá.
Acabei minha bebida e saímos juntos. Ela carregava as criaturas em uma pequena gaiola de arame. Entramos no carro dela e colocamos o pessoal entre nós, no banco da frente. Olhei para Dawn. Era realmente jovem e bonita. Parecia ser boa também por dentro. Como podia ter fracassado com os homens? Há tantas maneiras de as coisas saírem erradas. Os quatro pequenos custaram-na oito mil. Tudo isso para se afastar de relacionamentos e na verdade não se afastar de relacionamentos.
A casa era perto dos morros, um lugar com uma aparência agradavel. descemos do carro e caminhamos até a porta. Segurei a gaiola com os pequenos enquanto ela abria a porta.
– Ouvi Randy Newman semana passada no The Troubador. – Ele não está ótimo? – perguntou.
– Sim, é ótimo.
Entramos na sala, e Dawn tirou os pequenos da gaiola e os colocou em uma mesinha. Então caminhou até a cozinha, abriu o refrigerador e pegou uma garrafa de vinho. Trouxe dois copos.
– Perdão – ela disse. – Mas você parece um pouco louco. O que você faz?
– Sou escritor.
– E irá escrever sobre isso?
– Ninguém jamais acreditará, mas vou.
– Olha – disse dawn. – George tirou as calcinhas de Ruthie. Ele está enfiando os dedos nela. Gelo?
– Sim, está fazendo isso. Não, sem gelo. Puro está ótimo.
– Não sei o que acontece – disse Dawn -, mas fico realmente excitada quando os observo. Talvez seja porque são tão pequenos. Realmente me excita.
– Entendo o que quer dizer.
– Olhe, o George está chupando ela.
– É mesmo.
– Olhe pra eles!
– Deus do céu!
Agarrei Dawn. Ficamos ali em pé nos beijando. Enquanto isso, seus olhos iam dos meus para eles e novamente para os meus.
O pequeno Marty e a pequena Anna também estavam olhando.
– Olhe – disse Marty -, eles vão trepar. Nós bem que podíamos trepar também. Até os grandes vão transar. Olhe pra eles!
– Você ouviu isso? – perguntei a Dawn. – Eles disseram que nós vamos trepar. É verdade?
– Espero que sim – disse Dawn.
Levei-a para o sofá e levantei o vestido acima da cintura. Beijei seu pescoço.
– Eu te amo – eu disse.
– Mesmo? Ama?
– Sim, de alguma forma, sim…
– Tudo bem – disse a pequena Anna ao pequeno Marty. – Também podemos trepar, mesmo que eu não ame você.
Eles se abraçaram no meio da mesinha. Eu já tinha tirado a calcinha de Dawn. Ela gemia. Ruthie gemia. Marty se aproximava de Anna. Estava acontecendo por toda parte. Tive a idéia de que todas as pessoas do mundo estavam trepando. Então esqueci do resto do mundo. De alguma forma fomos para o quarto. Então penetrei Dawn para a longa e lenta cavalgada.

Quando ela saiu do banheiro, eu estava lendo uma história muito idiota na Playboy.
– Foi tão bom. – ela disse.
– O prazer foi meu – respondi.
Ela voltou para a cama. Pus a revista de lado.
– Acha que daremos certo juntos? perguntou
– O que quer dizer?
– Acha que vamos conseguir ficar juntos por algum tempo?
– Não sei. Coisas acontecem. O começo é sempre mais fácil.
Então ouvimos um grito vindo da sala.
– Ai, ai – ela disse.
Saltou da cama e correu para a sala. Segui logo atrás. Quando cheguei lá, ela estava segurando George nas mãos.
– Oh, meu Deus!
– O que aconteceu?
– Foi a Anna!
– O que tem a Anna?
– Cortou fora as bolas dele! George é um Eunuco!
– Uau!
– Pegue papel higiênico, rápido! Ele pode sangrar até morrer!
– Esse filho da puta – disse Anna da mesinha -, se não posso ter George, ninguém terá.
– Agora vocês duas são minhas! – disse Marty.
– Não, agora você tem que escolher uma de nós – disse Anna.
– Então, com qual vai ficar? – perguntou Ruthie.
– Amo as duas – disse Marty.
– Parou de sangrar – disse Dawn. – Ele está frio.
Ela embrulhou George em um lenço e colocou sobre a borda da lareira.
– Quero dizer – seguiu Dawn – que se você acha que não daremos certo, não vou insistir.
– Acho que amo você, Dawn.
– Olhe, – ela disse. – Marty está abraçando Ruthie!
– Vão trepar?
– Não sei. Parecem excitados.
Dawn pegou Anna e a colocou na gaiola de arame.
– Deixe-me sair daqui! Vou matar os dois! Deixe-me sair daqui!
George tremeu de dentro do lenço sobre a borda. Marty ja tirara a calcinha de Ruthie. Puxei Dawn para perto de mim. Era bonita e jovem e boa por dentro. Eu podia estar apaixonado novamente. Era possível, nos beijamos. Megulhei fundo em seus olhos. Então emergi e comecei a correr. Eu sabia onde estava. Uma barata e uma águia faziam amor. O tempo era um idiota com um banjo na mão. Continuei correndo. Seu cabelo longo caía sobre meu rosto.
– Vou matar todo mundo! gritava a pequena Anna.
Agitava-se na gaiola de arame às três horas da manhã.