Arquivos Mensais: junho 2020

Hills like white elephants

Ernest Hemingway

The hills on the other side of the valley were long and white. On this side, there was no shade or trees and the station was between two lines of trails in the sun. Close to the side of the station was the warm shadow of the house and a curtain, made of strings of bamboo beads, hung on the hollow door to the bar to stop the flies. The American and the girl with him were sitting at a table in the shade outside the house. It was very hot and the Barcelona express would arrive in forty minutes. He stopped at this junction for two minutes and went to Madrid.
“What are we going to drink?”, The girl asked. She had taken off her hat and put it on the table.
“Is it really hot?”, The man said. “We are going to drink beer.”
“Dos cervezas,” the man said to the curtain.
“Large?” Asked a woman from the doorway.
“Yes. Big two. ”
The woman brought two glasses of beer and two felt supports. He put the felt pads and the beer glasses on the table and looked at the man and the girl. The girl looked at the hill line. They were white in the sun and the region was brown and dry.
“They look like white elephants,” she said.
“I never saw one,” the man drank his beer. “No, there would be no way.”
“I could have seen it,” the man said. “You say that I would have no way to prove anything.”
The girl looked at the beaded curtain. “They painted something on top,” she said. “What you mean?”
“Anís del Toro. It’s a drink. ”
“Can we prove it?”
“Listen,” the man called out through the curtain. The woman came from the bar.
“Four reales.”
“We want Anís del Toro.”
“With water?”
“Do you want it with water?”
“I don’t know,” the girl said. “Does it look good with water?”
“Yes, it is.”
“Do you want it with water?” Asked the woman.
“Yes, with water.”
“It tastes like licorice,” the girl said and lowered the glass.
“It’s always like that.”
“Yeah,” said the girl. “Everything tastes like licorice. Especially those things that you’ve waited for a long time, like absinthe. ”
“Ah, stop it.”
“You started it,” the girl said. “I was loving it. It was a good time. ”
“Well, let’s try to have a good time.”
“It’s all right. I was trying. He said the hills look like white elephants. Isn’t it brilliant? ”
“It’s brilliant.”
“I wanted to try this new drink: we don’t do anything else, do we? Look at things and try new drinks. ”
“I think so.”
The girl looked at the hills on the other side.
“The hills are beautiful,” she said. “They don’t really look like white elephants. I mean, just the skin seen between the trees. ”
“Do we drink one more?”
“It’s ok.”
The hot wind blew the beaded curtain across the table.
“The beer is good and cold,” the man said.
“It looks great,” the girl said.
“It’s a really simple operation, Jig,” the man said. “Nor is it a real operation.”
The girl looked at the floor on which the table’s feet rested.
“I knew you would agree, Jig. It is nothing at all. Just let the air in. ”
The girl said nothing.
“I’m going along and I’m going to be with you all the time. They just let the air in and then everything is completely natural. ”
“And what do we do next?”
“We’ll be fine later. As before.”
“How do you know?”
“This is the only thing that gets in the way. It’s the only thing that makes us unhappy. ’
The girl looked at the beaded curtain, reached out and held two rows.
“And you think that afterwards we’ll be fine and we’ll be happy.”
“I’m sure. You do not have to be afraid. I know a lot of people who have already done it. ”
“Me too,” said the girl. “And then they were all very happy.”
“Well,” said the man, “if you don’t want to, you don’t have to. I wouldn’t force you if you didn’t want to. But I know that it is very simple. ”
“And do you really want to?”
“I think it is the best thing to do. But I don’t want you to do it if you really don’t want to. ”
“But if I do you will be happy and things will be as they were and will you love me?”
“I love you right now. You know that I love. ”
“I know. But if I do it will be good again when I say that things look like white elephants, will you like it? ”
“I’ll love it. I love it right now, I just can’t think about it. You know what I look like when I get worried. ”
“If I do, won’t you be worried?”
“I will not be worried because it is all very simple.”
“So I do. Because I don’t care about me. ”
“As well?”
“I don’t care about me.”
“Well, I care about you.”
“Ah, I know. But I don’t care about me. And I will do it and everything will be fine. ”
“I don’t want you to do it if that’s what you feel.”
The girl got up and walked to the end of the season. Ahead, on the other side, there were fields of wheat and trees along the banks of the Ebro. In the distance, beyond the river, were the mountains. The shadow of a cloud crossed the wheat field and she saw the river between the trees.
“And we could have it all,” she said
. “And we could have everything and every day make things even more impossible.”
“What did you say?”
“He said we could have everything.”
“We can have everything.”
“No, we can not.”

“We can have the whole world.”
“No, we can not.”
“We can go anywhere.”
“No, we can not. It is no longer ours. ”
“It’s ours.”
“No, it’s not. And after they take it off, you never take it back. ”
“But nobody took anything away.”
“We will see.”
“Come back here to the shade,” he said. “Do not feel this way.”
“I’m not feeling anything,” the girl said. “It’s just that I know.”
“I don’t want you to do anything you don’t want to do …”
“It’s not that it’s not good for me,” she said. “I know. Shall we have another beer? ”
“It’s ok. But you have to understand … ”
“I understand,” the girl said. “Can’t we just stop talking?”
They sat at the table and the girl looked at the hills on the dry side of the valley and the man looked at her and the table.
“You have to understand,” he said, “that I don’t want you to do it if you don’t want to do it. I am perfectly willing to move on if it makes a difference to you. ”
“Doesn’t it make a difference to you? We could move on. ”
“Of course it does. But I don’t want anyone but you. I don’t want anyone else. And I know that everything is very simple. ”
“Yeah, you know that everything is very simple.”
“You might as well speak like that, but I know how it goes.”
“Would you do something for me?”
“I would do anything for you.”
“Can you stop talking, please, please, please?”
He said nothing but looked at the bags leaning against the station’s wall. They had labels for all the hotels they had slept in.
“But I don’t want you to do it,” he said, “I don’t care about anything.”
“I’m going to scream,” the girl said.
The woman crossed the curtain with two glasses of beer and deposited them on the damp felt supports. “The train is in five minutes,” she said.
“What did she say?” Asked the girl.
“That the train arrives in five minutes.”
The girl gave the woman a radiant smile to thank her.
“I think it’s best to take your bags to the other side of the station,” the man said. She smiled at him.
“It’s ok. Then come back and finish the beer. ”
He picked up the two heavy suitcases and carried them through the station to the tracks on the other side. He peeked but failed to see the train. Returning, he entered the bar lounge, where the people waiting for the train were drinking. He drank an anise on the counter and looked at people. They were all waiting for the train. He went through the curtain of beads. She was sitting at the table and smiled at him.
“Are you feeling better?” He asked.
“I’m fine,” she said. “There is nothing wrong with me. I am fine.”

Colinas como elefantes brancos

Ernest Hemingway

As colinas do outro lado do vale eram longas e brancas. Deste lado, não havia sombra nem árvores e a estação ficava entre duas linhas de trilhos sob o sol. Rente ao lado da estação havia a

sombra quente da casa e uma cortina, feita de fieiras de contas de bambu, pendurada na porta vazada para o bar, a fim de deter as moscas. O americano e a moça com ele estavam sentados a uma mesa na sombra, fora da casa. Estava muito quente e o expresso de Barcelona chegaria em quarenta minutos. Ele parava neste entroncamento por dois minutos e seguia para Madri.

“O que vamos beber?”, a moça perguntou. Ela tirara o chapéu e o pusera sobre a mesa.

“Está bem quente?”, o homem disse. “Vamos beber cerveja.”

“Dos cervezas”, o homem disse para a cortina.

“Grandes?”, uma mulher perguntou do vão da porta.

“Sim. Duas grandes.”

A mulher trouxe dois copos de cerveja e dois apoios de feltro. Pôs os apoios de feltro e os copos de cerveja sobre a mesa e olhou para o homem e a moça. A moça olhava para a linha de colinas. Eram brancas sob o sol e a região era parda e seca.

“Parecem elefantes brancos”, ela disse.

“Nunca vi um”, o homem bebeu sua cerveja. “Não, não teria como.”

“Eu poderia ter visto”, o homem disse. “Você dizer que eu não teria como não prova nada.”

A moça olhou para a cortina de contas. “Pintaram alguma coisa em cima”, ela disse. “O que quer dizer?”

“Anís del Toro. É uma bebida.”

“Podemos provar?”

“Escute”, o homem chamou pela cortina. A mulher veio do bar.

“Quatro reales.”

“Queremos Anís del Toro.”

“Com água?”

“Você quer com água?”

“Não sei”, a moça disse. “Fica bom com água?”

“Fica, sim.”

“Vocês querem com água?”, perguntou a mulher.

“Sim, com água.”

“Tem gosto de alcaçuz”, a moça disse e baixou o copo.

“É sempre assim.”

“É”, disse a moça. “Tudo tem gosto de alcaçuz. Especialmente aquelas coisas que você esperou por muito tempo, que nem absinto.”

“Ah, pare com isso.”

“Foi você que começou”, a moça disse. “Eu estava adorando. Foi um bom momento.”

“Bem, vamos tentar ter um bom momento.”

“Tudo bem. Eu estava tentando. Disse que as colinas parecem elefantes brancos. Não é brilhante?”

“É brilhante.”

“Eu queria provar essa bebida nova: nós não fazemos outra coisa, não é? Olhar para as coisas e provar bebidas novas.”

“Acho que sim.”

A moça olhou para as colinas do outro lado.

“As colinas são lindas”, ela disse. “Na verdade, não parecem elefantes brancos. Quero dizer, só a pele vista entre as árvores.”

“Bebemos mais uma?”

“Está bem.”

O vento quente fez a cortina de contas roçar a mesa.

“A cerveja está boa e gelada”, o homem disse.

“Está ótima”, a moça disse.

“É uma operação muito simples mesmo, Jig”, o homem disse. “Nem é uma operação de verdade.”

A moça olhou para o piso em que se apoiavam os pés da mesa.

“Eu sabia que você iria concordar, Jig. Não é nada mesmo. É só deixar o ar entrar.”

A moça não disse nada.

“Vou junto e vou ficar com você o tempo todo. Eles só deixam o ar entrar e então é tudo completamente natural.”

“E o que nós fazemos depois?”

“Vamos ficar bem depois. Como antes.”

“Como é que você sabe?”

“Essa é a única coisa que atrapalha. É a única coisa que nos deixa infelizes.’

A moça olhou para a cortina de contas, estendeu a mão e segurou duas fieiras.

“E você acha que depois nós vamos ficar bem e vamos ser felizes.”

“Tenho certeza. Não precisa ter medo. Conheço muita gente que já fez.”

“Eu também”, disse a moça. “E depois foram todos muito felizes.”

“Bem”, disse o homem, “se não quiser, você não precisa fazer. Eu não forçaria você se você não quisesse fazer. Mas sei que é muito simples.”

“E você quer mesmo?”

“Acho que é a melhor coisa a fazer. Mas não quero que você faça se você não quiser mesmo.”

“Mas se eu fizer você vai ficar feliz e as coisas vão ser como eram e você vai me amar?”

“Eu amo você agora mesmo. Você sabe que eu amo.”

“Eu sei. Mas se eu fizer vai voltar a ser bom quando eu digo que as coisas parecem elefantes brancos, você vai gostar?”

“Vou adorar. Eu adoro agora mesmo, só não consigo pensar nisso. Você sabe como eu sou quando fico preocupado.”

“Se eu fizer você não vai ficar preocupado?”

“Não vou ficar preocupado porque é tudo muito simples.”

“Então eu faço. Porque eu não me importo comigo.”

“Como assim?”

“Eu não me importo comigo.”

“Bem, eu me importo com você.”

“Ah, sei. Mas eu não me importo comigo. E vou fazer e tudo vai ficar bem.”

“Não quero que você faça se é isso que você sente.”

A moça se levantou e andou até o fim da estação. Em frente, do outro lado, havia campos de trigo e árvores ao longo das margens do Ebro. Ao longe, para lá do rio, estavam as montanhas. A sombra de uma nuvem atravessou o campo de trigo e ela viu o rio entre as árvores.

“E nós poderíamos ter tudo isso”, ela disse

. “E nós poderíamos ter tudo e todo dia fazer coisas ainda mais impossíveis.”

“O que você disse?”

“Disse que nós poderíamos ter tudo.”

“Nós podemos ter tudo.”

“Não, não podemos.”

“Podemos ter o mundo todo.”

“Não, não podemos.”

“Podemos ir para qualquer lugar.”

“Não, não podemos. Já não é nosso.”

“É nosso.”

“Não, não é. E depois que tiram, você nunca mais pega de volta.”

“Mas ninguém tirou nada.”

“Vamos ver.”

“Volte aqui para a sombra”, ele disse. “Não se sinta assim.”

“Não estou sentindo nada”, a moça disse. “É só que eu sei.”

“Não quero que você faça nada que você não queira fazer…”

“Não é que não seja bom para mim”, ela disse. “Eu sei. Vamos beber outra cerveja?”

“Está bem. Mas você tem que entender…”

“Eu entendo”, a moça disse. “Será que não podemos parar de falar?”

Sentaram-se à mesa e a moça olhou para as colinas do lado seco do vale e o homem olhou para ela e para a mesa.

“Você tem que entender”, ele disse, “que eu não quero que você faça se você não quiser fazer. Estou perfeitamente disposto a seguir adiante se isso fizer diferença para você.”

“Não faz diferença para você? Podíamos seguir adiante.”

“É claro que faz. Mas eu não quero ninguém além de você. Não quero mais ninguém. E sei que é tudo muito simples.”

“É, você sabe que tudo é muito simples.”

“Você pode muito bem falar assim, mas eu sei como é.”

“Você faria uma coisa por mim?”

“Faria qualquer coisa por você.”

“Você pode parar de falar, por favor, por favor, por favor?”

Ele não disse nada mas olhou para as malas encostadas na mureta da estação. Tinham etiquetas de todos os hotéis em que haviam dormido.

“Mas eu não quero que você faça”, ele disse, “eu não me importo com nada.”

“Eu vou gritar”, a moça disse.

A mulher atravessou a cortina com dois copos de cerveja e os depositou sobre os apoios de feltro úmidos. “O trem chega em cinco minutos”, ela disse.

“O que ela disse?”, perguntou a moça.

“Que o trem chega em cinco minutos.”

A moça deu um sorriso radiante para a mulher, para agradecer.

“Acho melhor levar as malas para o outro lado da estação”, o homem disse. Ela sorriu para ele.

“Está bem. Depois volte e terminamos a cerveja.”

Ele pegou as duas malas pesadas e carregou-as pela estação até os trilhos do outro lado. Espreitou mas não conseguiu ver o trem. Voltando, entrou no salão do bar, onde as pessoas que esperavam o trem estavam bebendo. Bebeu um anis no balcão e olhou para as pessoas. Todas esperavam ordeiramente pelo trem. Atravessou a cortina de contas. Ela estava sentada à mesa e sorriu para ele.

“Está se sentindo melhor?”, ele perguntou.

“Estou bem”, ela disse. “Não tem nada de errado comigo. Estou bem.”

Tradução de Samuel Titan Jr.

Love is fire that burns without seeing

Luís Vaz de Camões


Love is a fire that burns without being seen;
It is a wound that hurts, and does not feel;
It is discontented contentment;
It is pain that unravels without hurting.
It is not wanting more than wanting well;
It is a lonely walk among people;
It is never content and content;
It is a care that you gain from losing yourself;
It is wanting to be bound by will;
It is to serve whoever wins, the winner;
Have someone kill us, loyalty.
But how can cause your favor
In human hearts friendship,
If so contrary to itself is the same love?

Amor é fogo que arde sem se ver

Luís Vaz de Camões

Amor é um fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói, e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se e contente;
É um cuidar que ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

THE BLUE BOY

Cecília Meireles


The boy wants a donkey
to stroll.
A meek donkey,
don’t run or jump,
but who knows how to talk.
The boy wants a donkey
that knows how to say
the name of the rivers,
the mountains, the flowers,

  • of everything that appears.
    The boy wants a donkey
    who knows how to make up beautiful stories
    with people and animals
    and with boats in the sea.
    And the two will go out into the world
    which is like a garden
    just wider
    and maybe longer
    and that has no end.
    (Anyone who knows about such a donkey,
    can write
    to Ruas das Casas,
    Door Number,
    to the Blue Boy who can’t read.)
    Enviar feedback
    Histórico
    Salvas
    Comunidade

O menino azul

Cecília Meireles

O menino quer um burrinho
para passear.
Um burrinho manso,
que não corra nem pule,
mas que saiba conversar.

O menino quer um burrinho
que saiba dizer
o nome dos rios,
das montanhas, das flores,
– de tudo o que aparecer.

O menino quer um burrinho
que saiba inventar histórias bonitas
com pessoas e bichos
e com barquinhos no mar.

E os dois sairão pelo mundo
que é como um jardim
apenas mais largo
e talvez mais comprido
e que não tenha fim.

(Quem souber de um burrinho desses,
pode escrever
para a Ruas das Casas,
Número das Portas,
ao Menino Azul que não sabe ler.)

THE OLD TREES

Olavo Bilac


Look at these old trees, – more beautiful,
Than younger, friendlier trees,
The more beautiful the older,
Winners of age and proclamations. . .

The man, the beast and the insect in their shadow
They live free from hunger and fatigue;
And in its branches shelter the songs
And joy of chattering birds. . .

Let us never cry to youth!
Let’s get old laughing! let us grow old
As strong trees age,

In the glory of joy and goodness
Wrapping the birds in the branches,
Giving shade and comfort to those who suffer!

AS VELHAS ÁRVORES

Olavo Bilac

Olha estas velhas árvores, — mais belas,
Do que as árvores mais moças, mais amigas,
Tanto mais belas quanto mais antigas,
Vencedoras da idade e das procelas . . .

O homem, a fera e o inseto à sombra delas
Vivem livres de fomes e fadigas;
E em seus galhos abrigam-se as cantigas
E alegria das aves tagarelas . . .

Não choremos jamais a mocidade!
Envelheçamos rindo! envelheçamos
Como as árvores fortes envelhecem,

Na glória da alegria e da bondade
Agasalhando os pássaros nos ramos,
Dando sombra e consolo aos que padecem!

SEDUCTION

Adélia Prado

Poetry catches me with its cog wheel,
forces me to listen motionless
your weird speech.
Hold me behind the wall, get up
the skirt for me to see, loving and crazy.
The bad thing happens, I tell you,
I am also a son of God,
it makes me despair.
She responds by passing
the hot tongue on my neck,
say stick to calm me down,
speaks stone, geometry,
if you are careless and sweet,
I take the opportunity to get away with it.
I run it runs faster,
i scream she screams more,
seven demons stronger.
Take the tip of my foot
and comes to the head,
making deep grooves.
Her cogwheel is made of iron.

SEDUÇÃO

Adélia Prado

A poesia me pega com sua roda dentada,
me força a escutar imóvel
o seu discurso esdrúxulo.
Me abraça detrás do muro, levanta
a saia pra eu ver, amorosa e doida.
Acontece a má coisa, eu lhe digo,
também sou filho de Deus,
me deixa desesperar.
Ela responde passando
a língua quente em meu pescoço,
fala pau pra me acalmar,
fala pedra, geometria,
se descuida e fica meiga,
aproveito pra me safar.
Eu corro ela corre mais,
eu grito ela grita mais,
sete demônios mais forte.
Me pega a ponta do pé
e vem até na cabeça,
fazendo sulcos profundos.
É de ferro a roda dentada dela.

« Entradas mais Antigas