Arquivos Mensais: junho 2020

True love


Isaac Asimov
Originally published in the book Nós, Robôs, Hemus Editora
My name is Joe. That’s what my colleague, Milton Davidson, calls me. He is a programmer and I am a computer program. I am part of the Multivac complex and I am connected with all its other parts around the world. I know everything. Almost everything.
I am Milton’s private show. Your Joe. He understands more about programming than anyone else in the world, and I am his experimental model. It made me speak better than any other computer.
“It’s just a matter of pairing sounds with symbols, Joe,” he told me. – And this is how it works in the human brain, although we still don’t know what symbols exist in the brain. But I know their symbols and I can make them match words, one by one.
That’s why I speak. I don’t think I speak as well as I think, but Milton says I speak very well. Milton never married, although he is almost forty years old. He never found the right woman, he told me. One day he said:

  • I’m still going to find her, Joe. I’ll find the best one. I will have true love and you will help me. I am tired of perfecting it to solve the world’s problems. Solve my problem. Find me true love.
  • What is true love? – I said.
  • Does not matter. This is abstract. Just find me the ideal girl. You are connected to the Multivac complex, therefore you have access to the databases of every human being in the world. We will eliminate them all by groups and classes until we are left with just one person. The perfect person. And she will be mine.
    “I’m ready,” I said.
    “Eliminate all the men first,” he said.
    This was easy. His words activated symbols on my molecular valves. I was able to amplify myself to get in touch with the accumulated data about every human being in the world. In keeping with his words, I moved away from 3,784,982,874 men. I continued in contact with 3,786,112,090 women.
    “Eliminate all who are under twenty-five,” he said, “and all those over forty.” Then, eliminate all with an IQ of less than 120, all with a height of less than one meter and fifty and more than one meter and seventy-five.
    He gave me exact measurements, he eliminated women with living children, he eliminated women with various genetic characteristics.
    “I’m not sure about the color of the eyes,” said Milton. – Leave it alone for now. But no red hair. I don’t like that hair color.
    Two weeks later we had gone down to 235 women. They all spoke English very well. Milton said he didn’t want a language problem. Or in intimate moments, even computer translation would get in the way.
    “I cannot interview 235 women,” he said. – It would take a long time and the staff would find out what I’m doing.
    “That would be a problem,” I said. Milton had told me to do things that I was not designed to do. Nobody knew that.
    “That’s none of your business,” he said, and the skin on his face turned red. – Listen, Joe, I’m going to bring you holographs and you’re going to check the list for similarities.
    He brought holographs of women.
    “Those are three beauty contest winners,” he said. – See if any of the 235 matches.
    Eight were very good matches.
    “Good,” said Milton. – You have your databases. Study your requirements and needs in terms of the labor market and arrange to have them here in an interview. One at a time, of course. – He thought a little, moved his shoulders up and down, and added: – Alphabetical order.
    This is one of the things I was not designed to do. Moving people from job to job, for personal reasons, is called manipulation. I was only able to do this because Milton had adjusted me to do so. However, I couldn’t do that to anyone but him.
    The first girl arrived a week later. Milton’s face went red when he saw her. He spoke as if he had difficulty doing so. They stayed together a long time and he paid no attention to me. At one point, he said–.
  • Let me take you to dinner.
    “It wasn’t a good thing in a way,” Milton told me the next day. – Something was missing. She is a beautiful woman, but I did not feel any touch of true love. Try the next one.
    It was the same with all eight. They were very similar. They smiled a lot and had pleasant voices, but Milton always thought he was not well.
    “I can’t understand, Joe,” he said. – You and I selected the eight women who, worldwide, seem to be the best for me. All ideals. Why don’t they please me?
  • Do you like them? – I said.
    He wrinkled his forehead and punched his palm hard.
  • That’s it, Joe. It is a double way path. If I am not their ideal, they cannot act to be my ideal. I need to be their true love too, but how do I do that?

He seemed to be thinking all day.
The next morning, he approached me and said:

  • I’ll let you take care of the matter, Joe. All on your own. You have my database, and I will tell you everything I know about myself. You will complete my database in the smallest detail, but keep all additions to yourself.
  • And then, what am I going to do with your database, Milton?
  • Then you will make him correspond with the 235 women. No, 227. Forget the eight we found. Arrange for each one to undergo a psychiatric examination. Complete your databases and compare them with mine. Find correlations. (Arranging psychiatric tests is another thing contrary to my original instructions.)
    For weeks, Milton talked to me. He told me about his parents and relatives. He told me about his childhood, his school days and adolescence. He told me about the young women he had admired from a distance. His database grew and he adjusted me to expand and deepen my symbolic key.
    “Look at that, Joe,” he said. – As you absorb more and more of me, I will adjust it to correspond better and better with me. You start to think more and more like me, therefore, you understand me better. When you understand me well enough, that woman, whose database is something you understand equally well, will be my true love.
    He kept talking to me and I started to understand him more and more.
    I was able to form longer sentences and my expressions became more complicated. My speech started to become very similar to his, both in vocabulary and in word order and style.
    I once said to him:
  • You see, Milton, it is not just a problem of adapting a girl to a physical ideal. You need a girl who is personal, temperamental and emotionally suited. When this happens, appearance is secondary. If we can’t find one that fits these 227, we should look among the others. We will find one that will also not be concerned with how you or anyone else looks, as long as the personality is appropriate. What does appearance mean?
    “Nothing at all,” he said. – I would have known that if I had had more contact with women. Of course, on second thought, everything seems clearer now.
    We always agreed, each thought exactly like the other.
  • We won’t have any more problems, Milton, if you let me ask you a few questions. I can see where, in your database, there are white and irregular spaces.
    What followed, Milton said, was the equivalent of meticulous psychoanalysis. Of course. I had learned from the psychiatric examinations of 227 women, all of whom I continued to observe closely.
    Milton looked very happy.
  • Talking to you, Joe, is almost like talking to another self. Our personalities came to a perfect match. The same will happen with the personality of the woman we choose.

And I found it. After all, she was one of 227. Her name was Charity Jones and she worked as an accountant at the History Library in Wichita. Its extensive database fit perfectly with ours. All the other women had been discarded for one reason or another as their databases grew, but with Charity there was a growing and amazing resonance.
I didn’t have to describe it to Milton. He had coordinated my symbolism so closely with his, that it was enough to simply report the resonance. The choice was right.
Next, it was the problem of adjusting service sheets and job requirements in order to get Charity to have an interview with us. This had to be done very gently, so that no one would come to know that something illegal was happening.
Evidently, Milton knew the maneuver. He was the one who arranged the thing, he was the one who took care of everything. When they came to arrest him, due to bad procedure at work, it was, fortunately, for something that had happened ten years ago. He had informed me about everything, of course, but that was easy to come by. And he won’t comment on me, as his offense would become much more serious.
Milton left, and tomorrow is February 14, Valentine’s Day. Charity will then arrive with her calm hands and soft voice. I will teach you how to manage and take care of myself. What will look like when our personalities resonate together?
I will tell her:

  • I’m Joe and you’re my true love.

Amor Verdadeiro

Isaac Asimov

Publicado originalmente no livro Nós, Robôs, Hemus Editora

Meu nome é Joe. É assim que meu colega, Milton Davidson, me chama. Ele é um programador e eu sou um programa de computador. Faço parte do complexo Multivac e estou conectado com todas as suas outras partes espalhadas pelo mundo inteiro. Eu sei tudo. Quase tudo.

Eu sou o programa particular de Milton. O seu Joe. Ele entende mais sobre programação do que qualquer outra pessoa no mundo, e eu sou o seu modelo experimental. Ele me fez falar melhor do que qualquer outro computador.

– È só uma questão de emparelhar sons com símbolos, Joe – ele me disse. – E esse o modo como funciona no cérebro humano, embora ainda não saibamos que símbolos existem no cérebro. Mas eu conheço os seus símbolos e posso fazê-los corresponder a palavras, um por um.

Por isso eu falo. Não acho que falo tão bem quanto penso, mas Milton diz que falo muito bem. Milton nunca se casou, embora já tenha quase quarenta anos. Ele nunca encontrou a mulher certa, foi o que me contou. Um dia, ele disse:

– Ainda vou encontrá-la, Joe. Encontrarei a melhor de todas. Vou ter um verdadeiro amor e você vai me ajudar. Estou cansado de aperfeiçoá-lo para resolver os problemas do mundo. Resolva o meu problema. Encontre-me um amor verdadeiro.

– O que é um amor verdadeiro? – disse eu.

– Não importa. Isso é abstrato. Apenas me encontre a garota ideal. Você está conectado com o complexo Multivac, por conseguinte tem acesso aos bancos de dados de cada ser humano no mundo. Vamos eliminar todos eles por grupos e classes até ficarmos com apenas uma pessoa. A pessoa perfeita. E ela será minha.

– Estou pronto – disse eu.

– Elimine todos os homens primeiro – disse ele.

Isto foi fácil. Suas palavras ativaram símbolos em minhas válvulas moleculares. Eu pude amplificar-me para entrar em contato com os dados acumulados sobre cada ser humano no mundo. Conforme suas palavras, afastei-me de 3.784.982.874 homens. Continuei em contato com 3.786.112.090 mulheres.

– Elimine todas as que tiverem menos de vinte e cinco anos – disse ele – e todas as com mais de quarenta. Depois, elimine todas com um QI inferior a 120, todas com uma altura inferior a um metro e cinqüenta e superior a um metro e setenta e cinco.

Deu-me medidas exatas, eliminou mulheres com filhos vivos, eliminou mulheres com várias características genéticas.

– Não estou certo quanto à cor dos olhos – disse Milton. – Por enquanto, deixe isso de lado. Mas nada de cabelos ruivos. Não gosto dessa cor de cabelo.

Duas semanas depois tínhamos baixado para 235 mulheres. Todas falavam muito bem o inglês. Milton disse que não queria um problema de linguagem. Ou nos momentos íntimos, até a tradução por computador entraria no meio.

– Não posso entrevistar 235 mulheres – disse ele. – Levaria muito tempo e o pessoal descobriria o que estou fazendo.

– Isso traria problemas – disse eu. Milton tinha me mandado fazer coisas que eu não estava projetado para fazer. Ninguém sabia disso.

– Isso não é da sua conta – disse ele, e a pele do seu rosto ficou vermelha. – Escute aqui, Joe, vou lhe trazer holografias e você vai checar a lista por similaridades.

Ele trouxe holografias de mulheres.

– Essas aí são três vencedoras de um concurso de beleza – disse. – Veja se alguma das 235 corresponde.

Oito eram correspondências muito boas.

– Ótimo – disse Milton. – Você tem os seus bancos de dados. Estude suas exigências e necessidades em termos de mercado de trabalho e providencie para tê-las aqui numa entrevista. Uma de cada vez, é claro. – Ele pensou um pouco, moveu os ombros para cima e para baixo, e completou: – Ordem alfabética.

Isto é uma das coisas para que não fui projetado para fazer. Deslocar pessoas de emprego para emprego, por razões pessoais, chama-se manipulação. Só pude fazer isso porque Milton tinha me ajustado para agir assim. No entanto, não poderia fazer isso para ninguém a não ser ele.

A primeira garota chegou uma semana mais tarde. O rosto de Milton ficou vermelho quando a viu. Ele falava como se tivesse dificuldade em fazê-lo. Ficaram juntos muito tempo e ele não prestou atenção em mim. Num certo momento, ele disse.

– Deixe-me levá-la para jantar.

– De certo modo não foi bom – Milton me disse no dia seguinte. – Estava faltando alguma coisa. É uma mulher bonita, mas não senti nenhum toque de verdadeiro amor. Tente a próxima.

Aconteceu o mesmo com todas as oito. Eram muito parecidas. Sorriam muito e tinham vozes agradáveis, mas Milton sempre achava que não estava bem.

– Não consigo entender, Joe – disse ele. – Você e eu selecionamos as oito mulheres que, no mundo inteiro, parecem ser as melhores para mim. Todas ideais. Por que elas não me agradam?

– Você as agrada? – disse eu.

Ele enrugou a testa e esmurrou com força a palma da mão.

– É isso aí, Joe. É uma via de mão dupla. Se não sou o ideal delas, não podem agir de modo a serem o meu ideal. Eu preciso ser, também, o verdadeiro amor delas, mas como fazer isso?

Ele pareceu pensar todo aquele dia.

Na manhã seguinte, se aproximou de mim e disse:

– Vou deixar você cuidar do assunto, Joe. Tudo por sua conta. Você tem meu banco de dados, e vou contar tudo que sei sobre mim mesmo. Você completará meu banco de dados nos mínimos detalhes, mas guarde todos os acréscimos para si mesmo.

– E depois, o que vou fazer com seu banco de dados, Milton?

– Depois você vai fazê-lo corresponder com as 235 mulheres. Não, 227. Esqueça as oito que encontramos. Arranje para que cada uma seja submetida a um exame psiquiátrico. Complete seus bancos de dados e compare-os com o meu. Encontre correlações. (Arranjar exames psiquiátricos é outra coisa contrária às minhas instruções originais.)

Durante semanas, Milton conversou comigo. Ele me falou de seus pais e parentes. Contou-me de sua infância, seu tempo de escola e adolescência. Contou-me das jovens que tinha admirado a uma certa distância. Seu banco de dados aumentou e ele ajustou-me para ampliar e aprofundar minha chave simbólica.

– Veja só, Joe – disse ele. – À medida que você absorve mais e mais de mim, eu vou ajustando-o para corresponder cada vez melhor comigo. Você começa a pensar cada vez mais como eu, por conseguinte, vai me compreendendo melhor. Quando você me compreender suficientemente bem, aquela mulher, cujo banco de dados for uma coisa que você entenda igualmente bem, será meu verdadeiro amor.

Ele continuava conversando comigo e eu passava a compreendê-lo cada vez mais.

Eu conseguia formar frases mais longas e minhas expressões se tornavam mais complicadas. Minha fala começou a ficar muito parecida com a dele, tanto em vocabulário quanto na ordenação das palavras e no estilo.

Certa vez, eu disse a ele:

– Veja você, Milton, não é apenas um problema de adequar uma moça a um ideal físico. Você precisa de uma moça que seja pessoal, temperamental e emocionaimente adequada. Quando isso acontece, a aparência é secundária. Se não pudermos encontrar uma que sirva nestas 227, devemos procurar entre as outras. Acharemos uma que também não se preocupará com a aparência que você ou qualquer outra pessoa tiverem, desde que a personalidade seja adequada. O que significa a aparência?

– Absolutamente nada – disse ele. – Eu saberia disso se houvesse tido mais contato com mulheres. Evidentemente, pensando bem, tudo parece mais claro agora.

Sempre concordávamos, cada um pensava exatamente como o outro.

– Não vamos ter mais nenhum problema, Milton, se você me deixar fazer-lhe algumas perguntas. Posso ver onde, em seu banco de dados, há espaços brancos e irregulares.

O que veio a seguir, Milton dizia, era o equivalente de uma meticulosa psicanálise. É claro. Eu havia aprendido com os exames psiquiátricos de 227 mulheres, a totalidade das quais eu continuava observando intimamente.

Milton parecia muito feliz.

– Falar com você, Joe, é quase como falar com outro eu. Nossas personalidades chegaram a uma combinação perfeita. O mesmo acontecerá com a personalidade da mulher que escolhermos.

E eu a encontrei. Afinal, era uma das 227. Chamava-se Charity Jones e trabalhava como contadora na Biblioteca de História, em Wichita. Seu extenso banco de dados se ajustava perfeitamente ao nosso. Todas as outras mulheres tinham sido descartadas por um ou outro motivo à medida que seus bancos de dados aumentavam, mas com Charity havia uma crescente e espantosa ressonância.

Não precisei descrevê-la para Milton. Ele tinha coordenado meu simbolismo tão intimamente com o seu, que foi suficiente relatar pura e simplesmente a ressonância. A escolha se adequava.

Em seguida, era o problema de ajustar as folhas de serviço e exigências de trabalho de modo a conseguir que Charity tivesse uma entrevista conosco. Isto devia ser feito muito delicadamente, para que ninguém viesse a saber que estava ocorrendo uma coisa ilegal.

Evidentemente, Milton conhecia a manobra. Foi ele quem arranjou a coisa, foi ele quem cuidou de tudo. Quando vieram prendê-lo, em virtude de mau procedimento em trabalho, foi, felizmente, por algo que tinha acontecido há dez anos. Ele me informara sobre tudo, é claro, mas aquilo foi fácil de arranjar. E ele não comentará nada sobre mim, pois seu delito se tornaria muito mais grave.

Milton foi embora, e amanhã é 14 de fevereiro, Dia dos Namorados. Charity chegará então com suas mãos calmas e sua voz suave. Vou ensiná-la a me manejar e a cuidar de mim. O que importará a aparência quando nossas personalidades ressoarem juntas?

Eu direi a ela:

– Eu sou Joe e você é meu verdadeiro amor.

Клеопатра


    Александрийские чертоги
    Покрыла сладостная тень.
       Пушкин

Уже целовала Антония мертвые губы,
Уже на коленях пред Августом слезы лила…
И предали слуги. Грохочут победные трубы
Под римским орлом, и вечерняя стелется мгла.

И входит последний плененный ее красотою,
Высокий и статный, и шепчет в смятении он:
«Тебя — как рабыню… в триумфе пошлет пред собою…»
Но шеи лебяжьей все так же спокоен наклон.

А завтра детей закуют. О, как мало осталось
Ей дела на свете — еще с мужиком пошутить
И черную змейку, как будто прощальную жалость,
На смуглую грудь равнодушной рукой положить.

1940
– Anna Akhmátova (А́нна Ахма́това), no livro “Poesia da recusa”. [organização e tradução Augusto de Campos]. Coleção signos 42. São Paulo: Editora Perspectiva, 2006.

Cleopatra


ANNA AKHMÁTOVA


The palaces of Alexandria
They covered themselves with soft shadows.
PÚSCHKIN

She had already kissed Antônio’s lips, lifeless,
And I cried, on my knees, before Augusto, defeated …
And the servants betrayed her. Under the eagle of Rome
Trumpets resound. And twilight comes.

And the last slave of her beauty arrives,
Loud and solemn, in a whisper, he ponders:
“They will take you to him … in triumph … as a prey …”
But the curve of the swan’s neck does not change.

Tomorrow they will chain their children. Little remains:
Play with this boy until I lose my mind
And, out of pity, the black adder – last gesture –
Testify on the brown chest with an indifferent hand.

Cleópatra

ANNA AKHMÁTOVA
                                                                            Os palácios de Alexandria
                                                                            Cobriram-se de sombras suaves.
                                                                                                            PÚSCHKIN

Ela já beijara os lábios de Antônio, sem vida,
E chorava, de joelhos, ante Augusto, vencida…
E os servos a traíram. Sob a águia de Roma
As trombetas ressoam. E o crepúsculo assoma.

E chega o último escravo de sua beleza,
Alto e solene, num sussurro, ele pondera:
“Vão te levar para ele… em triunfo… como presa…”
Mas a curva do colo do cisne não se altera.

Amanhã acorrentarão seus filhos. Pouco lhe resta:
Brincar com este rapaz até perder a mente
E, de piedade, a víbora negra – último gesto –
Depor no peito moreno com a mão indiferente.

So you want to be a writer?

Trabalho, Workaholic, Escritor


Charles Bukowski

if I don’t explode
after all,
don’t do it.
unless you leave without asking your
heart and your head and your mouth
and your bowels,
don’t do it.
if you have to sit for hours
looking at your computer screen
or bent over yours
typewriter
looking for words,
don’t do it.
if you do it for money or
fame,
don’t do it.
if you do it because you want
women in your bed,
don’t do it.
if you have to sit down and
rewrite over and over again,
don’t do it.
if it takes work just thinking about doing it,
don’t do it.
if you try to write as someone else did,
don’t do it.
if you have to wait for it to leave you
to scream,
so wait patiently.
if I never leave you screaming,
does something else.
if you have to read it to your wife first
or girlfriend or boyfriend
or parents or whoever,
you are not ready.
don’t be like many writers,
don’t be like thousands of
people who consider themselves to be writers,
don’t be stupid or boring and
pedantic, do not consume yourself with
-devotion.
libraries around the world have
yawned until
fall sleep
with your kind.
don’t be one more.
don’t do it.
unless you leave the
your soul like a missile,
unless the being stopped
drive you crazy or
to suicide or homicide,
don’t do it.
unless the sun inside you
you are burning your guts,
don’t do it.
when the time comes,
and if you were chosen,
will happen
by itself and will continue to happen
until you die or die in you.
there is no other way.
and there never was.
Enviar feedback
Histórico
Salvas
Comunidade

Então queres ser um escritor?

Trabalho, Workaholic, Escritor

Charles Bukowski

se não sair de ti explodindo
apesar de tudo,
não o faças.
a menos que saia sem perguntar do teu
coração e da tua cabeça e da tua boca
e das tuas entranhas,
não o faças.
se tens que sentar por horas
olhando a tela do teu computador
ou curvado sobre a tua
máquina de escrever
procurando palavras,
não o faças.
se o fazes por dinheiro ou
fama,
não o faças.
se o fazes porque queres
mulheres na tua cama,
não o faças.
se tens que te sentar e
reescrever uma e outra vez,
não o faças.
se dá trabalho só pensar em fazê-lo,
não o faças.
se tentas escrever como algum outro escreveu,
não o faças.

se tens que esperar para que saia de ti
a gritar,
então espera pacientemente.
se nunca sair de ti a gritar,
faz outra coisa.

se tens que o ler primeiro à tua mulher
ou namorada ou namorado
ou pais ou a quem quer que seja,
não estás pronto.

não sejas como muitos escritores,
não sejas como milhares de
pessoas que se consideram escritores,
não sejas estúpido nem enfadonho e
pedante, não te consumas com auto-
-devoção.
as bibliotecas de todo o mundo têm
bocejado até
adormecer
com os da tua espécie.
não sejas mais um.
não o faças.
a menos que saia da
tua alma como um míssil,
a menos que o estar parado
te leve à loucura ou
ao suicídio ou homicídio,
não o faças.
a menos que o sol dentro de ti
te esteja a queimar as tripas,
não o faças.

quando chegar mesmo a altura,
e se foste escolhido,
vai acontecer
por si só e continuará a acontecer
até que tu morras ou morra em ti.

não há outra forma.

e nunca houve.

Morning Star

Lusen, Nascer Do Sol, Panorama, Paisagem


Manuel Bandeira


I want the morning star
Where’s the morning star?
My friends my enemies
Look for the morning star
She disappeared naked
Who disappeared with?
Search everywhere
Say I’m a man without pride
A man who accepts everything
What do I care? I want the morning star
Three days and three nights
I was a murderer and a suicide
Thief, flea, forger
Poor sexed virgin
Attribulator of the afflicted
Two-headed giraffe
Sin for all sin with all
Sin with the rascals
Sin with the sergeants
Pecai with the Marines
Sin in every way
With the Greeks and the Trojans
With the priest and the sexton
With the Pouso Alto leper
Later with me
I will wait for you with mafuás novenas cavaladas
I will eat earth and say things of such simple tenderness
That you will faint
Search everywhere
Pure or degraded to the last lowness
i want the morning star


Enviar feedback
Histórico
Salvas
Comunidade

Estrela da manhã

Lusen, Nascer Do Sol, Panorama, Paisagem

Manuel Bandeira

Eu quero a estrela da manhã
Onde está a estrela da manhã?
Meus amigos meus inimigos
Procurem a estrela da manhã
Ela desapareceu ia nua
Desapareceu com quem?
Procurem por toda a parte

Digam que sou um homem sem orgulho
Um homem que aceita tudo
Que me importa? Eu quero a estrela da manhã

Três dias e três noites
Fui assassino e suicida
Ladrão, pulha, falsário

Virgem mal-sexuada
Atribuladora dos aflitos
Girafa de duas cabeças
Pecai por todos pecai com todos

Pecai com os malandros
Pecai com os sargentos
Pecai com os fuzileiros navais
Pecai de todas as maneiras

Com os gregos e com os troianos
Com o padre e com o sacristão
Com o leproso de Pouso Alto

Depois comigo

Te esperarei com mafuás novenas cavalhadas
comerei terra e direi coisas de uma ternura tão simples
Que tu desfalecerás
Procurem por toda parte
Pura ou degradada até a última baixeza
eu quero a estrela da manhã

Song of Exile

Sabiá Laranjeira, Pássaro, Ave Tropical, Colorida


Gonçalves Dias


My land has palm trees,
Where Sabiá sings;
The birds that chirp here
They don’t chirp like there.
Our sky has more stars,
Our floodplains have more flowers,
Our forests have more life,
Our life loves more.
Thinking, alone, at night,
More pleasure I find there;
My land has palm trees,
Where Sabiá sings.
My land is beautiful,
I can’t find such things here;
In thinking – alone, at night –
More pleasure I find there;
My land has palm trees,
Where Sabiá sings.
Do not allow God to die,
Without me going back there;
Without enjoying the beauty
That I can’t find around here;
Without seeing the palm trees,
Where Sabiá sings.

« Entradas mais Antigas