Arquivos Mensais: junho 2020

The Stolen Letter

Tradução de Brenno Silveira e outros. POE, Edgar Allan. Histórias Extraordinárias. —————: Victor Civita, 1981.  
Nil sapientiae odiosus accumine nimio.
Seneca
The Stolen Letter
In Paris, just after a dark and stormy night, in the autumn of the year 18 …, I enjoyed the double luxury of meditation and a pipe made of sea foam, in the company of my friend Auguste Dupin, in his little one. library, or reading office, located on the third floor of 33 rue Dunôt, Faubourg Saint-Germain. For an hour, at least, we remained profoundly silent; each of us, in the eyes of some casual observer, would have seemed intensely and exclusively occupied with the swirls of smoke that made the room’s atmosphere dense. As for me, however, I mentally discussed certain topics that had been the subject of the conversation between us in the first part of the night. I withdraw to the case of Rua Morgue and the mystery surrounding the murder of Marie Rogêt. It seemed, therefore, almost a coincidence, when the door to our apartment opened and our old acquaintance, Monsieur G …, Paris police chief, entered.
We received him warmly, as there was both contemptible and fun in him, and we hadn’t seen him in several years. We had been sitting in the dark and, at the visitor’s entrance, Dupin stood up to turn on the light, but sat down again without doing so after G … told us he was visiting us to consult us, or rather, to to ask my friend’s opinion on some official cases that had caused him great inconvenience.
“If this is a case that requires reflection,” said Dupin, “giving up on lighting the fuse will be better examined in the dark.”

  • This is another one of his strange ideas – commented the delegate, who had the habit of ‘calling “strange” all the things that were beyond his comprehension and that, in this way, he lived among a whole legion of “oddities”.
    “Exactly,” said Dupiu, as he offered a pipe to the visitor and pushed a comfortable armchair to him.
  • And what is the difficulty now? – I asked. – I hope it is nothing that refers to murders.
  • Oh no! Nothing like that! It is, in fact, a very simple case, and have no doubt that we can solve it satisfactorily. But then I thought that Dupin might like to know some of his details, which are quite strange.
    “A simple and strange case,” said Dupin.
  • Yes really; but on the other hand, it is neither. The fact is that we are all very intrigued, because, although it is so simple, the case entirely escapes our understanding.
    “Perhaps it is your own simplicity that disorients you,” said my friend.
    “Why, what nonsense,” exclaimed the chief, laughing heartily.
    “Perhaps the mystery is a little too simple,” said Dupin.
  • Oh, God in heaven! Who has heard such a thing?
  • A little too evident.
    The police chief burst out laughing loudly, enjoying himself:
  • Oh, Dupin, you still end up killing me with laughter!
  • And what, after all, is the case at hand? – I asked.
    “Well, I’ll tell you,” replied the deputy, lounging in his chair, taking a long, meditative puff of his pipe. – I will say everything in a few words; but before I begin, let me recommend that this case requires the utmost secrecy. I would probably lose the place I occupy today if they knew that I entrusted it to someone.
    “Go on,” I said.
    “Or don’t say anything,” added Dupin.
  • Well. I received personal information, from a very high source, that a certain document of the utmost importance was stolen from the royal apartments. It is known who was the person who stole it. There is no doubt about it; they saw her take it. It is also known that the document remains in the possession of that person.
  • How do you know that? Asked Dupin.
  • It is something that is clearly deduced – replied the delegate – by the nature of such document and by the fact that certain consequences had not arisen that would have appeared incontinently, if the document was not yet in the thief’s possession, that is, if it had already been used with the end that the latter proposes.
    “Be a little more explicit,” I asked.
  • Well, I dare say that this document gives those who possess it a certain power, in a medium in which such power is immensely valuable.
    The delegate was very fond of diplomatic strips.
    “I still don’t quite understand,” said Dupin.
  • Not? Good. The display of this document to a third person, whose name I will not mention, would compromise the honor of a person of the highest position, and this fact grants to the person who possesses the ancestry document over that illustrious personality, whose honor and tranquility are found, thus, threatened.
  • But that ancestry – I intervened – depends on the thief knowing that the stolen person knows him. Who would dare.
  • The thief – said G … – is Minister D …, who dares everything, both what is worthy and what is unworthy of a man.

The theft was committed not only ingeniously but boldly. The document in question … a letter, to be frank, was received by the stolen personality when she was alone in her rooms. When he read it, he was suddenly interrupted by the entry of another high-ranking personality, from whom he particularly wished to hide the letter. After trying in haste and in vain to put it in a drawer, she was forced to place it, open as it was, on a table. The envelope, however, was on top and the contents were therefore kept safe. At that moment, Minister D enters … His lynx eyes immediately perceive the letter, and he recognizes the letter of the envelope, observes the recipient’s confusion and penetrates its secret. After dealing with some matters, in his usual hurried manner, he takes a letter similar to the one in question from his pocket, opens it, pretends to read it, and then places it right next to the first. He talks again, for about fifteen minutes, about public affairs. Finally, when he leaves, he removes the letter that did not belong to him from the table. Its true owner saw everything, certainly, but he did not dare to call his attention in the presence of the third character, who was at his side. The minister withdrew, leaving his letter – an unimportant letter – on the table.
“There you have it,” said Dupin, “exactly what it would take to make such an ancestry complete: the thief knows that the stolen person knows him.

  • Yes – confirmed the delegate – and the power obtained in this way has been used, for several months, for political purposes, up to a very dangerous point. The robbed person is more and more convinced that it is necessary to recover the letter. But this, of course, cannot be done openly. Finally, driven to despair, I was entrusted with this task.
    “It would not have been possible, I believe,” said Dupin, amid a perfect spiral of
    smoke – choose or even imagine a more shrewd agent.
    “You flatter me,” replied the deputy, “but it is possible that you may have thought more or less.
    “It is clear, as you have just observed,” I said, “that the letter is still in the hands of the minister, since it is the possession of the letter, and not any use thereof, that gives it power. If he uses it, the power dissipates.
  • Okay – agreed G … – and it was based on this conviction that I started to act. My first care was to conduct a thorough search at the hotel where the minister lives. The main difficulty lies in the fact that it is necessary to carry out such an investigation without him knowing it. Furthermore, they prevented me from danger if he suspects our purpose.
    “But,” I said, “you are perfectly aware of these investigations.” Parisian police have done this many times before.
  • It is true. For that reason, I didn’t despair. The minister’s habits give me, above all, a great advantage. He often spends the night away from home. His servants are not numerous. They sleep away from their master’s apartment and, since almost all of them are Neapolitans, it is not difficult to get them drunk. As you know, I have keys that can open any room or office in Paris. For three months, there was not a single night that I did not personally strive to search Hotel D … My honor is at stake and, to mention a big secret, the reward is enormous. So I will not abandon research until I am fully convinced that the thief is more astute than I am. I believe I have investigated every corner and hiding place where the paper could be hidden.
    “But wouldn’t it be possible,” I remembered, “that although the letter may be in the minister’s possession, as it indisputably is, he hid it elsewhere than in his own home?”
    “It is unlikely,” said Dupin. – The current situation, very particular, of the affairs of the court and especially the intrigues in which, as is known, D … is involved, make the immediate effectiveness of the document – the possibility of being presented at any time – an almost as important point as to its possession.
  • The possibility of being introduced? – I asked.
    “Which is to say, to be destroyed,” said Dupin.
    “That’s right,” I observed. – There is no doubt that the document is in the minister’s quarters. As for being with yourself, kept in your pockets, it is something that we can consider out of the question.
    “Okay,” said the deputy. Twice, I’ve had it checked, by my own eyes, by pickpockets.
    “I could have avoided all that work,” said Dupin. – D …, I believe, he is not entirely stupid and, therefore, he must have foreseen, as a common thing, these “magazines”.
  • He is not entirely foolish – said G … – but he is a poet, which puts him not far from a fool.
    “Okay,” said Dupin, after a long, thoughtful puff of his pipe, “although I’m also guilty of certain lines.”
  • How about telling us, with details. how did the search proceed? – I suggested.
  • Well then. We examined, at length, every corner. I have long experience of these things. We scanned the entire building, room by room, dedicating the nights of an entire week to each of them. We first examined the furniture in each room. We have opened all possible drawers, and I assume that you know that for a properly qualified police officer, there are no secret drawers. It would be a fool to allow a “secret” drawer to escape your observation in research like this. The thing is too simple. There is a certain size – a certain space – that you must take
    into account on each desk. In addition, we have precise rules. Not even the fiftieth part of a line would go unnoticed. After the desks, we examined the chairs. The pads were subjected to the needle test. that you have seen me employ. We removed the top of the tables.
  • For what?
  • Sometimes, the top of a table, or similar furniture, is removed by the person who wants to hide an object; then, the leg is excavated, the object is deposited inside the cavity and the upper part is replaced. The feet and the upper part of the bed columns are used for the same purpose.
  • But couldn’t you discover the hollow part by sound? – I asked.
  • Not at all, if when the object placed there is wrapped by cotton. In addition, in our case, we are obliged to act without making a noise.
  • But you couldn’t have removed it. . . he could not have examined, piece by piece, all the furniture in which it would have been possible to hide something in the manner to which he referred. A letter can be transformed into a tiny spiral, not very different, in shape and volume, from a large sewing needle and, in this way, it can be inserted into the cross of a chair, for example. Naturally, you didn’t take apart all the chairs, did you?
  • Of course not. But we did better: we examined the sleepers of all the chairs in the hotel and also the joints of all kinds of furniture. We did it with the help of a powerful microscope. If there were signs of recent changes, we would not have missed it immediately. A simple grain of auger powder, for example, would have been as evident as an apple. Any change in the glue – anything unusual in the joints – would be enough to get our attention.
  • I assume they examined the mirrors, between the boards and the glass, as well as the beds, bedding, curtains and rugs.
  • Naturally! And after examining all the furniture in this way, we proceed to examine the house itself. We divided its entire surface into compartments, which were numbered by us, so that none could be forgotten. Then we searched the rooms inch by inch, including the two adjoining houses. And that with the help of the microscope, as before.
  • The two adjoining houses ?! I exclaimed. – They must have had a lot of work!
  • We did. But the reward offered is, as I said, very large.
  • Did they also include the land of those houses?
  • All land is covered with bricks. They gave us relatively little work. We examined the moss between the bricks, found that there was no change.
  • Naturally, they also looked at the papers of D.. . What about the library books?
  • No doubt. We opened all the packages and packages, and not only did we open all the volumes, but we leafed through them page by page, without contenting ourselves with a simple shake, as is customary among some of our policemen. We also measure the thickness of each binding, subjecting each one to the most scrupulous microscopic examination. If any bookbinding showed signs that it had recently changed, that fact would not have gone unnoticed. As for about five or six volumes, which had just arrived from the bookbinder’s hands, they were carefully examined by us, longitudinally, by means of a needle.
  • Did you check the floors under the rugs?
  • No doubt. We removed all the carpets and examined the floorboards with the microscope.
  • And the role of the walls?
  • Also.
  • Did they search the basement?
  • Demos.
    “So,” I said, “you were wrong, because the letter is not in the house, as you suppose.”
  • I am afraid that you are right about that, agreed the delegate. And now, Dupin, what would you advise to do?
  • A complete new investigation in the house.

“That is entirely useless,” replied G.. . – I am not so sure that I breathe as that the letter is not in the hotel.
“I have no better advice to give you,” said Dupin. – You, of course, have an accurate description of the letter, don’t you?

  • Certainly!
    And here, taking a memo out of his pocket, the police chief began to read aloud a detailed description of the internal and, mainly, external aspect of the stolen document. Soon after he finished reading, he left much more depressed than I had ever seen him before.
    After about a month, he paid us another visit, and found us delivered to the same occupation as the previous time. He took a pipe and an armchair and began to talk about everyday matters. Finally, I asked:
  • So, Monsieur G.. . , what about the stolen letter? I suppose you were convinced, after all, that it is no simple thing to be more astute than the minister.
  • May the devil carry the minister! He exclaimed.
    Yes, in spite of everything, I underwent a new examination, as Dupin suggested. But work lost, as I knew it would be.
  • What was the reward offered, to which you referred? Asked Dupin.
  • Well, a very big reward. . . very generous. . . But I don’t like to say how much, precisely. I will say, however, that I would not mind giving my check for fifty thousand francs to anyone who managed to obtain this letter. The truth is that it becomes, with each passing day, more important. . . and the reward has been doubled lately. But even if it was tripled, I couldn’t do more than I already did.
    “Yes,” said Dupin, dragging his words between the puffs of his foam pipe, “really.” It seems to me. . . However. . . G.. . who didn’t do his best on this issue. . . I think you could do a little more, well?
  • As? In what way?
  • Now (puff), you could (puff) make an appointment on this subject, huh? (puff). Remember the story about Abernethy?
  • No. Go to the devil Abernethy!
  • Yes, go to the devil and be welcomed! But once, a wealthy miser came up with the idea of ​​getting a free consultation from Ahernethy. To this end, during a conversation between a group of friends, he insinuated his case to the doctor, as if it were the case of an imaginary individual.
    “” Suppose, “said the miser,” that your symptoms are such and such. In that case, what would the doctor advise you to take? “
  • “To take! I would, of course, advise you to take advice. “
  • But – said the deputy, somewhat disconcerted – I am entirely willing to listen to an advice and pay for it. I would really give fifty thousand francs to anyone who helped me in this matter.
    “In that case,” said Dupin, opening a drawer and pulling out a checkbook.
  • you can write a check for that amount. When I signed it, I will give it to you
    the letter.
    I was perplexed. The deputy looked like he was struck by lightning. For a few minutes he remained silent and immobile, looking at my friend, incredulous and gaping, with his eyes almost jumping out of his sockets. Then, seeming to return, in a way, to himself, he picked up a pen and, after several pauses and vague looks, finally wrote a check for fifty thousand francs, handing it over the table to Dupin. He examined it carefully and put it in his wallet; then, opening a desk, he took a letter from it and handed it to the police chief. The clerk caught her with a spasm of joy. he opened it with trembling hands, cast a quick glance at its contents, and then, grabbing the door and struggling to open it, at last he rushed unceremoniously out of the apartment and the house, without uttering a single word since the moment Dupin asked him to write the check.
    After his departure, my friend went into some explanations.
    “The Parisian police,” he said, “are extremely skillful in their own way. Its agents are persevering, resourceful, cunning and perfectly versed in the knowledge that their duties seem to require in a special way. So when G. . . told us, in detail, the way in which he conducted his research at Hotel D. . ., I had no doubt that I had carried out a satisfactory investigation. . . to the point where your work has reached.
  • How far has your work gone? – I asked.
    “Yes,” said Dupin. – The measures adopted were not only the best that could be taken, but were carried out with absolute perfection. If the letter had been deposited within the radius of their investigation, these boys would undoubtedly have found it.
    I just laughed – but he seemed to have said all that with the utmost seriousness.

“The measures, therefore,” he continued, “were good in their kind, and were well executed: their defect lay in being inapplicable to the case and the man in question. A certain set of highly ingenious resources is, for the delegate, a kind of Procusto bed, to which he seeks to adapt all his plans by force. But, in the present case, he made a series of mistakes, being too deep or too superficial, and many schoolchildren reason better than him. I met an eight-year-old boy whose success as a diviner, in the “even or odd” game, aroused everyone’s admiration. This game is simple and is played with glass balls. One of the participants closes some balls in his hand and asks the other if the number is even or odd. If the partner gets it right, he gets a ball; if you miss, you lose one. The boy I am referring to won all the glass balls at school. Naturally, he had a divination system that consisted of simple observation and calculation of his opponents’ cunning. Suppose, for example, that your opponent was a fool who, closing his hand, asked him: “Even or odd?” Our boy would answer “odd”, and lose; but, the second time, he would win, as he would say with his buttons: “This bouncer got even the first time, and his cunning is just enough to have an odd number the second time. I will say, therefore, odd”. Say odd and win. Now, with a simpleton a little less foolish than the first, he would have reasoned like this: “This guy saw that, the first time, I said odd and, the second, he will propose to himself, driven by an impulse to vary from odd to pair, as the first simpleton did, but, on second thought, he thinks that this variation is too simple, and finally resolves itself in favor of the pair, as before. I will therefore say pair. ”And he says pair, and Well, that system of reasoning in our high school, which his teammates called luck, what was it ultimately?

  • Simply – I replied – an identification of the intellect of our reasoner with that of his opponent.
    “Indeed,” said Dupin, “and when I asked the boy how he made that perfect identification, in which your success lay, I received the following answer:
    “When I want to know how smart, stupid, good or bad someone is, or what their thoughts are at the moment, I model the expression on my face, as exactly as possible, according to that person’s expression and then I wait to see what feelings or thoughts arise in my brain or in my heart, to match or match the expression. ”This little schoolboy’s response far outweighs all
    spurious depth attributed to Rochefoucauld, La Bougive, Machiavelli and Campanella.
  • And the identification – I added – of the reasoner’s intellect with that of his opponent depends, if I understand him correctly, on the accuracy with which the latter’s intellect is measured.
    “On your practical assessment, it depends on it,” confirmed Dupin. – And if the delegate and his entire court have made so many mistakes, this is due, first, to a failure in that identification and, second, to an inaccurate assessment, or better, to a non-assessment of the intelligence of those with whom they are involved. . They only consider their own ideas ingenious and, when looking for something that is hidden, they think only of the means that they themselves would have used to hide it. They are only right on one point: that where their ingenuity faithfully represents that of the mass; but when the evildoer’s cunning is different from theirs, the evildoer naturally deceives them. This always happens when the cunning of the latter is above theirs and, very often, when it is below. Their investigation system does not vary; at best, when they are instigated by some unusual case, or by some extraordinary reward, they expand or exaggerate their usual ways of acting, without, however, departing from their principles. In the case of D.. ., for example, what did they do to change the way they act? What are all these perforations, these searches, these probes, these microscope exams, this division of the building’s surface into square inches, properly noted? What is all this if not an exaggeration in the application of one of these principles of investigation based on an order of ideas related to human cleverness, to which the delegate got used during the long years of exercising his functions? Do you not see that he takes it for granted that all men who seek to hide a letter use, if not precisely a hole made by a gimlet in the leg of a chair, at least some cavity, some dark corner suggested by the same order of ideas that would lead a man to pierce the leg of a chair? And do you not also see that such hiding places are only used on ordinary occasions and by common intelligences? Because, in all cases of hidden objects, this recherché way of hiding an object is, from the first moment, presumed and presumed – and, therefore, its discovery does not depend, in any way, on the perspicacity, but on the simple care, patience and determination of those who seek. But, when it comes to an important case – or one that, for the reward offered, is thus seen by the police – these qualities have never ceased to be put into action. You will now understand what I meant by stating that if the stolen letter had been hidden within the radius of our delegate’s investigation – or, in other words, if the inspiring principle was understood in the delegate’s principles – your discovery it would be a question entirely beyond doubt. This official, however, was completely wrong, and the remote source of his failure lies in the assumption that the minister is an idiot, as he has acquired the reputation of a poet. According to the delegate, all poets are idiots – and, in this case, he is only guilty of a non distributio medii, by inferring that all poets are idiots.
  • But is he really a poet? – I asked. – I know they are two brothers, and that both have acquired a reputation in the lyrics. The minister, I believe, wrote eruditically about differential calculus. He is a mathematician, not a poet.
  • You are mistaken. I know him well. And both. As a poet and mathematician, he would reason well; as a mere mathematician, he would not reason at all, and would thus be at the mercy of the delegate.
  • You surprise me – I replied – with these opinions, which have been denied by the voice of the world. Naturally, he will not want to destroy ideas that have matured for so many centuries in one stroke. Mathematical reason has long been regarded as the reason for excellence.
  • “Il y a à parier” – replied Dupin, quoting Chamfort – “that toute idée publique, toute convention reçue, est une sottise, car elle a convu au plus grande nombre.” The mathematicians, I agree, did everything possible to propagate the popular error that you allude to, and that, because it was promulgated as truth, is still an error. As an art worthy of a better cause, they taught us to apply the term “analysis” to algebraic operations. The French are to blame for this particular deception, but if a term has any importance – if words derive its value from its applicability – then analysis may mean algebra, just as, in Latin, ambitus means ambition, religio, religion, or homines honesti a group of honorable men.
    “I see you are going to clash with some algebras from Paris,” I told him. – But go ahead.
  • I challenge the validity and, therefore, the value of a reason cultivated by any special form other than abstract logic. I particularly challenge the reasoning produced by the study of mathematics. Mathematics is the science of form and quantity; mathematical reasoning is nothing more than simple logic applied to the observation of form and quantity. The big mistake is to assume that even the truths of what is called pure algebra are abstract or general truths. And this error is so great, that I am perplexed by the unanimity with which it was received. Mathematical axioms are not axioms of a general truth. What is true with respect to the relationship – in form or quantity – is often largely false as regards morality, for example. In the latter science, it is often not true that the sum of the parts is equal to the whole. In chemistry, the axiom also fails. In the appreciation of the driving force, it also fails, since two engines, each of a given power, do not necessarily have, when associated, a power equal to the sum of their two powers turned separately. There are numerous other mathematical truths that are only truths within the limits of the relationship. But the mathematician argues, out of habit, starting from his finite truths, as if they were of an absolute and general applicability – as the world, in fact, imagines them to be. Bryant, in his scholarly Mythology, refers to a similar source of error, saying that, “although no one believes in the fables of paganism, we often forget this, to the point of making inference from them, as if they were living realities “. Among algebraists, however, who are also pagans, “pagan fables” deserve credit, and such inferences are made not so much because of memory lapses, but because of an incomprehensible disorder in their brains. In short, I have never met a pure mathematician who could be trusted, outside of his roots and equations; I did not know a single one who did not have as an article of faith that x2 + px is absolutely and unconditionally equal to q. If you want to do an experiment, tell one of these gentlemen that you believe that there may be cases in which x2 + px is not at all equal to q, and, right after I have made you understand what you mean by that, get out of your sight as soon as possible, as he will undoubtedly try to beat you up.
  • “What I mean,” continued Dupin, while I was laughing only at these last remarks, “is that if the minister had been nothing more than a mathematician, the police chief would not have had to give me this check. I knew him, however, as a mathematician and poet, and I adapted the measures I took to suit his ability,
  • taking into account the circumstances in which he was placed. He knew him, too, not only as a court man, but also as a bold intriguer. Such a man, I thought, could not ignore the police’s usual way of acting. He should have foreseen – and events showed that he had, in fact, predicted – the disguised harassment to which he would be subject. I should also have anticipated, I reflected, the secret investigations carried out in his apartment. His frequent absences from home, at night, considered by the police chief as something that would undoubtedly contribute to the success of his company, I saw them only as cunning, so that the police had the opportunity to conduct a thorough search of his apartment and to be convinced, as soon as possible, as it actually happened, that the letter was not there. It also seemed to me that this whole series of ideas regarding the invariable principles of police action in cases of hidden objects, and that I had some difficulty, a little while ago, to explain to you, it seemed to me that this whole series of ideas should, necessarily have passed through the spirit of the minister. That would take him, imperatively. disdain all the usual hiding places. He could not be so naive as to fail to see that the most intricate and remote places in his hotel would be as visible as a wardrobe for the eyes, research, drills and microscopes of the deputy. I realized, in short, that he would be instinctively driven to act with simplicity if he were not led to this by simple deliberation. You may recall with what desperate laughter the delegate welcomed, in our first interview, my suggestion that it was quite possible that this mystery disturbed him so much because it was too evident.
  • Yes, I remember how he had fun. I really thought he was going to have convulsions from laughing so hard.
  • The material world – continued Dupin – contains many strict analogies with the immaterial and, thus, a certain shade of truth was given to rhetorical dogma, so that the metaphor, or simile, could give force to an argument, as well as embellish a description. The principle of vis inertiae, for example, appears to be identical in both physics and metaphysics. It is no less certain as regards the first, that a bulky body sets in motion with more difficulty than a small one, and that its subsequent momentum is in proportion to that difficulty, and that, as for the second, the intellects of greater capacity, although more powerful, more constant and more uneven in their movements than those of a lower degree, they are nevertheless slower, more embarrassed and full of hesitation when starting their steps. What’s more, have you noticed which ads, on the doors of stores, attract the most attention?
    “I never thought about it,” I said.

“There is a puzzle game,” he replied, “which is made on a map. One of the players asks the other to find a certain word – a city, river, state or empire name – any word, in short, understood in the variegated and intricate extension of the map. A newcomer to the game usually seeks to embarrass his opponents by indicating names printed in the smallest letters; but those used to the game choose words that extend, in large characters, from one side of the map to the other. The latter, as with the excessively large posters on the streets, escape observation precisely because they are too evident, and here material oblivion is precisely analogous to the moral inattention that makes the intellect overlook too obvious, too obvious considerations. But this is a point, it seems, that is somewhat above or slightly below the understanding of the delegate. He even thought it likely, or possible, that the minister had deposited the letter right under everyone’s nose in order to prevent any of those people from discovering it.

  • But the more I reflected on D.’s daring, bold and brilliant idea. . thinking of the fact that he should always have that document on hand, if he intended to use it successfully, and also of the decisive evidence obtained by the delegate that the letter was not hidden within the limits of an ordinary investigation, both I was more convinced that, in order to hide it, the minister had resorted to the understandable and sagacious expedient of not trying to hide it in any way.
    “Convinced of that, I put on green glasses and, one morning, as if I did it by chance, I looked for the minister in his apartment. I found D. … at home, yawning, loitering and wasting time as usual, and intending to to be taken by the deepest ennui. He is, perhaps, the most energetic man there is, but that only when no one sees him.
    “In order to comply with his state of mind, I complained of my weak eyesight and lamented the need to wear glasses, through which I examined the apartment with the utmost attention and thoroughness, while pretending to be attentive only to the conversation.
    “I paid special attention to a large table, next to which he was sitting and where, in confusion, several letters and other papers as well as one or two musical instruments and some books were seen. After a long and meticulous examination, I saw that there was nothing there was a particular suspicion that aroused.
    “Finally, my eyes, when looking around the room, came across a striking filigree cardboard letter holder, hanging from a faded blue ribbon, attached well to the mantelpiece. In that letter holder, which had three or four divisions, there were five or six business cards and a solitary letter, the latter was very dirty and crumpled and almost torn in half, as if someone, at first impulse, had thought of making it useless as something unimportant, but then changed It had a large black seal, with the initial “D” quite visible, and was addressed, in a small and feminine handwriting, to the minister himself. It was carelessly tucked in and, it seemed, even contemptuously, in one of the divisions. upper part of the card holder.
    “As soon as I looked over the letter, I concluded that it was the one I was looking for. It was, in fact, in all respects, radically different from what the delegate had described to us in such a detailed way. The one that was there. The seal was black and the initial a “D” on the stolen letter, the seal was red and had the S family oral weapons …
    Here, the minister’s address had been traced in very small feminine handwriting; in the other, the envelope, aimed at a certain royal personality, was markedly bold and incisive. Only in size was there a certain correspondence. But, on the other hand, the big difference between both letters, the dirt, the stained and torn paper, so at odds with D.’s true habits. ., and that revealed the purpose of giving to anyone who saw it the idea that it was a worthless document, all of this, allied to the very visible placement of the document, which put it in front of any visitor’s eyes, fitting perfectly – exactly to my previous conclusions, all this, I repeat, definitely corroborated the suspicions of someone who, like me, had gone there with the intention of suspecting.

“I extended my visit as much as possible and, while I had a lively conversation with the minister, on a topic that I knew had never ceased to interest and enthuse him, I kept my attention on the letter. During this examination, I kept in mind the aspect exterior and the disposition of the papers in the card holder, finally arriving at a discovery that completely dispelled any doubts that I might still have. By looking closely at the edges of the paper, I found that they were more damaged than seemed necessary , They had the irregular appearance that is noticed when a hard paper, after having been folded and pressed in a folder, is folded again in the opposite direction, although this is done on the same folds that constituted its previous format. It was evident to me that the letter had been folded upside down, like a glove that was turned inside out, overwritten again and sealed again. I said goodbye to the minister and left incontinently, attaching a gold tobacco box to the table.
“The next morning, I went back to look for my tobacco, when we restarted,
very vividly, the conversation from the previous day. As we spoke, we heard a loud firearm detonation right in front of the Hotel, followed by a series of horrible screams and the loudness of a crowd. D.. . he rushed towards the window, opened it and looked down. In the meantime, I approached the letter holder, took the document, put it in my pocket and replaced it with a facsimile (as far as the external aspect was concerned) carefully prepared in my house, easily imitating the initial “D” through a link made of bread crumbs.
“The uproar that had taken place on the street was caused by the foolish procedure of a man with a musket. He had fired it among a crowd of women and children. But, since the gun was loaded only with dry powder, the individual was taken by drunk. or lunatic, and allowed him to go on his way. After the man was gone, D. … retired from the window that I too had approached shortly after getting the letter. After a moment, I said goodbye to him. so-called lunatic was a man who was at my service. “
“But what did you intend,” I asked, “when replacing the letter with a facsimile?” Wouldn’t it have been better, on the first visit, to have picked her up at once and left?

  • D.. . – replied Dupin – he is a determined man of great courage. In addition, there are servants in your hotel who are faithful to your interests. Had I done what you suggest, I might not be able to get out of your “ministerial” presence alive. The good people of Paris would not hear any more from me. But apart from these considerations, I had an end in mind. You know what my political sympathies are. In that matter, I act as a supporter of the lady in question. For eighteen months, the minister had her at his mercy. Now, it is she who has it, since he ignores that the letter is no longer in his possession and will continue to act as if he still has it. In this way, he inevitably heads, unknowingly, towards his own political ruin. Its fall will be as hasty as it will be disastrous. It is well to speak of the facilis descensus Averni, but in all kinds of ascension, as Catalani said in its corners, it is much easier to ascend than to descend. In the present case, I have no sympathy – or even pity – for the one who descends. You are that monstrum horrendum – the genius without principles. I confess, however, that I would like to know the exact character of your thoughts when, when challenged by the one the delegate refers to as “a certain person”, he decides to open the paper that I left in his letter-holder.
  • As! Did you put anything in there?
  • Now, it would not be entirely correct to leave the interior blank. . . It would be an offense. Once, in Vienna, D. . He played a trick on me, and I said good-naturedly that I would not forget that. So, since I knew he would be curious about the identity of the person who had so cunningly overcome him, I thought it would be a shame not to give him a clue. He knows my handwriting well, so I just copied the following in the middle of the blank sheet:
    … a fun event,
    s’il n’est digne d’Artrée, est worth Thyest.
    These are words that can be found in Ar trée, by Crébillon.




A Carta Roubada

 POE, Edgar Allan. Histórias Extraordinárias. —————: Victor Civita, 1981. Tradução de Brenno Silveira e outros.

Nil sapientiae odiosus acumine nimio.

Sêneca

A Carta Roubada

Em Paris, justamente depois de escura e tormentosa noite, no outono do ano 18…, desfrutava eu do duplo luxo da meditação e de um cachimbo feito de espuma-do-mar, em companhia de meu amigo Auguste Dupin, em sua pequena biblioteca, ou gabinete de leitura, situado no terceiro andar da Rua Dunôt, 33, Faubourg Saint-Germain. Durante uma hora, pelo menos, mantínhamos profundo silêncio; cada um de nós, aos olhos de algum observador casual, teria parecido intensa e exclusivamente ocupado com as volutas de fumaça que tornavam densa a atmosfera do aposento. Quanto a mim, no entanto, discutia mentalmente certos tópicos que haviam constituído o assunto da conversa entre nós na primeira parte da noite. Retiro-me ao caso da Rua Morgue e ao mistério que envolvia o assassínio de Marie Rogêt. Pareceu-me, pois, quase que uma coincidência, quando a porta de nosso apartamento se abriu e entrou o nosso velho conhecido, Monsieur G…, delegado de polícia de Paris.

Recebemo-lo com cordialidade, pois havia nele tanto de desprezível como de divertido, e não o víamos havia já vários anos. Tínhamos estado sentados no escuro e, a entrada do visitante, Dupin se ergueu para acender a luz, mas sentou-se de novo sem o fazer, depois que G… nos disse que nos visitava para consultar-nos, ou melhor, para pedir a opinião de meu amigo sobre alguns casos oficiais que lhe haviam causado grandes transtornos.

— Se se trata de um caso que requer reflexão — disse Dupin —, desistindo de acender a mecha, será melhor examinado no escuro.

— Esta é outra de suas estranhas idéias — comentou o delegado, que tinha o costume de ‘chamar “estranhas” todas as coisas que estavam além de sua compreensão e que, desse modo, vivia em meio de uma legião inteira de “estranhezas”.

— Exatamente — disse Dupiu, enquanto oferecia um cachimbo ao visitante e empurrava para junto dele uma confortável poltrona.

— E qual é agora a dificuldade? — perguntei. — Espero que não seja nada que se refira a assassínios.

— Oh, não! Nada disso! Trata-se, na verdade, de um caso muito simples, e não tenha dúvida de que podemos resolvê-lo satisfatoriamente. Mas, depois, pensei que Dupin talvez gostaria de conhecer alguns de seus pormenores, que são bastante estranhos.

— Um caso simples e estranho — comentou Dupin.

— Sim, realmente; mas por outro lado, não é nem uma coisa nem outra. O fato é que todos nós ficamos muito intrigados, pois, embora tão simples, o caso escapa inteiramente a nossa compreensão.

— Talvez seja a sua própria simplicidade que os desorienta — disse o meu amigo.

— Ora, que tolice — exclamou o delegado, rindo cordialmente.

— Talvez o mistério seja um pouco simples demais — disse Dupin.

— Oh, Deus do céu! Quem já ouviu tal coisa?

— Um pouco evidente demais.

O delegado de polícia prorrompeu em sonora gargalhada, divertindo-se a valer:

— Oh, Dupin, você ainda acaba por me matar de riso!

— E qual é, afinal de contas, o caso em apreço? — perguntei.

— Pois eu lhes direi — respondeu o delegado, refestelando-se na poltrona, enquanto tirava longa e meditativa baforada do cachimbo. — Direi tudo em poucas palavras; mas, antes de começar, permitam-me recomendar que este caso exige o maior sigilo. Perderia, provavelmente, o lugar que hoje ocupo, se soubessem que eu o confiei a alguém.

— Continue — disse eu.

— Ou não diga nada — acrescentou Dupin.

— Bem. Recebi informações pessoais, de fonte muito elevada, de que certo documento da máxima importância foi roubado dos aposentos reais. Sabe-se quem foi a pessoa que o roubou. Quanto a isso, não há a menor dúvida; viram-na apoderar-se dele. Sabe-se, também, que o documento continua em poder da referida pessoa.

— Como se sabe disso? — indagou Dupin.

— É coisa que se deduz claramente — respondeu o delegado — pela natureza de tal documento e pelo fato de não terem surgido certas conseqüências que surgiriam incontinente, se o documento não estivesse ainda em poder do ladrão, isto é, se já houvesse sido utilizado com o fim que este último se propõe.

— Seja um pouco mais explícito — pedi.

— Bem, atrevo-me a dizer que esse documento dá a quem o possua um certo poder, num meio em que tal poder é imensamente valioso.

O delegado apreciava muito as tiradas diplomáticas.

— Ainda não entendo bem — disse Dupin.

— Não? Bem. A exibição desse documento a uma terceira pessoa, cujo nome não mencionarei, comprometeria a honra de uma personalidade da mais alta posição, e tal fato concede à pessoa que possui o documento ascendência sobre essa personalidade ilustre, cuja honra e tranqüilidade se acham, assim, ameaçadas.

— Mas essa ascendência — intervim — depende de que o ladrão saiba que a pessoa roubada o conhece. Quem se atreveria.

— O ladrão — disse G… — é o Ministro D…, que se atreve a tudo, tanto o que é digno como o que é indigno de um homem. O roubo foi cometido de modo não só engenhoso como ousado. O documento em questão… uma carta, para sermos francos, foi recebida pela personalidade roubada quando esta se encontrava a sós em seus aposentos. Quando a lia, foi subitamente interrompida pela entrada de outra personalidade de elevada posição, de quem desejava particularmente ocultar a carta. Após tentar às pressas, e em vão, metê-la numa gaveta, foi obrigada a colocá-la, aberta como estava, sobre uma mesa. O sobrescrito, porém, estava em cima e o conteúdo, por conseguinte, ficou resguardado. Nesse momento, entra o Ministro D… Seus olhos de lince percebem imediatamente a carta, e ele reconhece a letra do sobrescrito, observa a confusão da destinatária e penetra em seu segredo. Depois de tratar de alguns assuntos, na sua maneira apressada de sempre, tira do bolso uma carta parecida com a outra em questão, abre-a, finge lê-la e, depois, coloca-a bem ao lado da primeira. Torna a conversar, durante uns quinze minutos, sobre assuntos públicos. Por fim, ao retirar-se, tira de cima da mesa a carta que não lhe pertencia. Seu verdadeiro dono viu tudo, certamente, mas não ousou chamar-lhe a atenção em presença da terceira personagem, que se achava ao seu lado. O ministro retirou-se, deixando sua carta — uma carta sem importância — sobre a mesa.

— Aí tem você — disse-me Dupin — exatamente o que seria necessário para tornar completa tal ascendência: o ladrão sabe que a pessoa roubada o conhece.

— Sim — confirmou o delegado — e o poder conseguido dessa maneira tem sido empregado, há vários meses, para fins políticos, até um ponto muito perigoso. A pessoa roubada esta cada dia mais convencida de que é necessário reaver a carta. Mas isso, por certo, não pode ser feito abertamente. Por fim, levada ao desespero, encarregou-me dessa tarefa.

— Não lhe teria sido possível, creio eu — disse Dupin, em meio a uma perfeita espiral de

fumaça —, escolher ou sequer imaginar um agente mais sagaz.

— Você me lisonjeia — respondeu o delegado —, mas é possível que haja pensado mais ou menos isso.

— Está claro, como acaba de observar — disse eu —, que a carta se encontra ainda em poder do ministro, pois é a posse da carta, e não qualquer emprego da mesma, que lhe confere poder. Se ele a usar, o poder se dissipa.

— Certo — concordou G… — e foi baseado nessa convicção que principiei a agir. Meu primeiro cuidado foi realizar uma pesquisa completa no hotel em que mora o ministro. A principal dificuldade reside no fato de ser necessário fazer tal investigação sem que ele saiba. Além disso preveniram-me do perigo, caso ele venha a suspeitar de nosso propósito.

— Mas — disse eu — o senhor está perfeitamente a par dessas investigações. A polícia parisiense já fez isso muitas vezes, anteriormente.

— É verdade. Por essa razão, não desesperei. Os hábitos do ministro me proporcionam, sobretudo, uma grande vantagem. Com freqüência, passa a noite toda fora de casa. Seus criados não são numerosos. Dormem longe do apartamento de seu amo e, como quase todos são napolitanos, não é difícil fazer com que se embriaguem. Como sabe, tenho chaves que podem abrir qualquer aposento ou gabinete em Paris. Durante três meses, não houve uma noite sequer em que eu não me empenhasse, pessoalmente em esquadrinhar o Hotel D… Minha honra está em jogo e, para mencionar um grande segredo, a recompensa é enorme. De modo que não abandonarei as pesquisas enquanto não me convencer inteiramente de que o ladrão é mais astuto do que eu. Creio haver investigado todos os cantos e esconderijos em que o papel pudesse estar oculto.

— Mas não seria possível — lembrei — que, embora a carta possa estar em poder do ministro, como indiscutivelmente está, ele a tenha escondido em outro lugar que sua própria casa?

— É pouco provável — respondeu Dupin. – A situação atual, particularíssima, dos assuntos da corte e principalmente as intrigas em que, como se sabe, D… anda envolvido, fazem da eficácia imediata do documento — da possibilidade de ser apresentado a qualquer momento — um ponto quase tão importante quanto a sua posse.

— A possibilidade de ser apresentado? — perguntei.

— O que vale dizer, de ser destruído — disse Dupin.

— É certo — observei. — Não há dúvida de que o documento se encontra nos aposentos do ministro. Quanto a estar consigo próprio, guardado em seus bolsos, é coisa que podemos considerar como fora da questão.

De acordo — disse o delegado. Por duas vezes, já fiz com que fosse revistado, sob minhas próprias vistas, por batedores de carteiras.

— Podia ter evitado todo esse trabalho — comentou Dupin. — D…, creio eu, não é inteiramente idiota e, assim, deve ter previsto, como coisa corriqueira, essas “revistas”.

— Não é inteiramente tolo — disse G… —, mas é poeta, o que o coloca não muito distante de um tolo.

— Certo — assentiu Dupin, após longa e pensativa baforada de seu cachimbo —, embora eu também seja culpado de certos versos.

— Que tal se nos contasse, com pormenores. como se processou a busca? — sugeri.

— Pois bem. Examinamos, demoradamente, todos os cantos. Tenho longa experiência dessas coisas. Vasculhamos o edifício inteiro, quarto por quarto, dedicando as noites de toda uma semana a cada um deles. Examinamos, primeiro, os móveis de cada aposento. Abrimos todas as gavetas possíveis, e presumo que os senhores saibam que, para um agente de polícia devidamente habilitado, não existem gavetas secretas. Seria um bobalhão aquele que permitisse que uma gaveta “secreta” escapasse à sua observação numa pesquisa como essa. A coisa é demasiado simples. Há um certo tamanho — um certo espaço — que se deve levar

em conta em cada escrivaninha. Além disso, dispomos de regras precisas. Nem a qüinquagésima parte de uma linha nos passaria despercebida. Depois das mesas de trabalho, examinamos as cadeiras. As almofadas foram submetidas ao teste das agulhas. que os senhores já me viram empregar. Removemos a parte superior das mesas.

— Para quê?

— As vezes, a parte superior de uma mesa, ou de outro móvel semelhante, é removida pela pessoa que deseja ocultar um objeto; depois, a perna é escavada, o objeto depositado dentro da cavidade e a parte superior recolocada em seu lugar. Os pés e a parte superior das colunas das camas são utilizados para o mesmo fim.

— Mas não se poderia descobrir a parte oca por meio de som? — perguntei.

— De modo algum, se quando o objeto lá colocado for envolto por algodão. Além disso, em nosso caso, somos obrigados a agir sem fazer barulho.

— Mas o senhor não poderia ter removido. . . não poderia ter examinado, peça por peça, todos os móveis em que teria sido possível ocultar alguma coisa da maneira a que se referiu. Uma carta pode ser transformada em minúscula espiral, não muito diferente, em forma e em volume, de uma agulha grande de costura e, desse modo, pode ser introduzida na travessa de uma cadeira, por exemplo. Naturalmente, o senhor não desmontou todas as cadeiras, não é verdade?

— Claro que não. Mas fizemos melhor: examinamos as travessas de todas as cadeiras existentes no hotel e, também, as juntas de toda a espécie de móveis. Fizemo-lo com a ajuda de poderoso microscópio. Se houvesse sinais de alterações recentes, não teríamos deixado de notar imediatamente. Um simples grão de pó de verruma, por exemplo, teria sido tão evidente como uma maçã. Qualquer alteração na cola — qualquer coisa pouco comum nas junturas — seria o bastante para chamar-nos a atenção.

— Presumo que examinaram os espelhos, entre as tábuas e os vidros, bem como as camas, as roupas de cama, as cortinas e os tapetes.

— Naturalmente! E, depois de examinar desse modo, com a máxima minuciosidade, todos os móveis, passamos a examinar a própria casa. Dividimos toda a sua superfície em compartimentos, que eram por nós numerados, a fim de que nenhum pudesse ser esquecido. Depois, vasculhamos os aposentos palmo a palmo, inclusive as duas casas contíguas. E isso com a ajuda do microscópio, como antes.

— As duas casas contíguas?! — exclamei. — Devem ter tido muito trabalho!

— Tivemos. Mas a recompensa oferecida é, como já disse, muito grande.

— Incluíram também os terrenos dessas casas?

— Todos os terrenos são revestidos de tijolos. Deram-nos, relativamente, pouco trabalho. Examinamos o musgo existente entre os tijolos, verificamos que não havia nenhuma alteração.

— Naturalmente, olharam também os papéis de D. . . E os livros da biblioteca?

— Sem dúvida. Abrimos todos os pacotes e embrulhos, e não só abrimos todos os volumes, mas os folheamos página por página, sem que nos contentássemos com uma simples sacudida, como é hábito entre alguns de nossos policiais. Medimos também a espessura de cada encadernação, submetendo cada uma delas ao mais escrupuloso exame microscópico. Se qualquer encadernação apresentasse sinais de que havia sofrido alteração recente, tal fato não nos passaria despercebido. Quanto a uns cinco ou seis volumes, recém-chegados das mãos do encadernador, foram por nós cuidadosamente examinados, em sentido longitudinal, por meio de agulha.

— Verificaram os assoalhos, embaixo dos tapetes?

— Sem dúvida. Tiramos todos os tapetes e examinamos as tábuas do assoalho com o microscópio.

— E o papel das paredes?

— Também.

— Deram uma busca no porão?

— Demos.

— Então — disse eu — os senhores se enganaram, pois a carta não está na casa, como o senhor supõe.

— Temo que o senhor tenha razão quanto a isso, concordou o delegado. E agora Dupin, que é que aconselharia fazer?

— Uma nova e completa investigação na casa.

— Isso é inteiramente inútil — replicou G. . . — Não estou tão certo de que respiro como de que a carta não está no hotel.

— Não tenho melhor conselho para dar-lhe — disse Dupin. — O senhor, naturalmente, possui uma descrição precisa da carta, não e assim?

— Certamente!

E, aqui, tirando do bolso um memorando, o delegado de polícia pôs-se a ler, em voz alta, uma descrição minuciosa do aspecto interno e, principalmente, externo do documento roubado. Logo depois de terminar a leitura, partiu muito mais deprimido do que eu jamais o vira antes.

Decorrido cerca de um mês, fez-nos outra visita, e encontrou-nos entregues à mesma ocupação que na vez anterior. Apanhou um cachimbo e uma poltrona e passou a conversar sobre assuntos corriqueiros. Por fim, perguntei:

— Então, Monsieur G. . . , que nos diz da carta roubada? Suponho que se convenceu, afinal, de que não é coisa simples ser mais astuto que o ministro.

— Que o diabo carregue o ministro! — exclamou.

Sim, realizei, apesar de tudo, um novo exame, como Dupin sugeriu. Mas trabalho perdido, como eu sabia que seria.

— Qual foi a recompensa oferecida, a que se referiu? — indagou Dupin.

— Ora, uma recompensa muito grande . . . muito generosa. . . Mas não me agrada dizer quanto, precisamente. Direi, no entanto, que não me importaria de dar, de meu cheque cinqüenta mil francos a quem conseguisse obter essa carta. A verdade é que ela se torna, a cada dia que passa, mais importante. . . e a recompensa foi, ultimamente, dobrada. Mas, mesmo que fosse triplicada, eu não poderia fazer mais do que já fiz.

— Pois sim — disse Dupin, arrastando as palavras, entre as baforadas de seu cachimbo de espuma —, realmente. Parece-me. . . no entanto. . . G. . . que não se esforçou ao máximo quanto a este assunto. . . Creio que poderia fazer um pouco mais, bem?

— Como? De que maneira?

— Ora (baforada), poderia (baforada) fazer uma consulta sobre este assunto, hein? (baforada). Lembra-se da história que se conta a respeito de Abernethy?

— Não. Que vá para o diabo Abernethy!

— Sim, que vá para o diabo e seja bem recebido! Mas, certa vez, um avarento rico concebeu a idéia de obter de graça uma consulta de Ahernethy. Com tal fim, durante uma conversa entre um grupo de amigos, insinuou o seu caso ao médico, como se se tratasse do caso de um indivíduo imaginário.

— “Suponhamos” — disse o avaro — que seus sintomas sejam tais e tais. Nesse caso, que é que o doutor lhe aconselharia tomar?”

— ”Tomar! Aconselharia, claro, que tomasse um conselho.”

— Mas — disse o delegado, um tanto desconcertado — estou inteiramente disposto a ouvir um conselho e a pagar por ele. Daria, realmente, cinqüenta mil francos a quem quer que me ajudasse nesse assunto.

— Nesse caso — respondeu Dupin, abrindo uma gaveta e retirando um livro de cheques

— pode encher um cheque nessa quantia. Quando o houver assinado, eu lhe entregarei

a carta.

Fiquei perplexo. O delegado parecia fulminado por um raio. Durante alguns minutos, permaneceu mudo e imóvel, olhando, incrédulo e boquiaberto, o meu amigo, com os olhos quase a saltar-lhe das órbitas. Depois, parecendo voltar, de certo modo, a si, apanhou uma caneta e, após várias pausas e olhares vagos, preencheu, finalmente, um cheque de cinqüenta mil francos, entregando-o, por cima da mesa, a Dupin. Este o examinou cuidadosamente e o colocou na carteira; depois, abrindo uma escrivaninha, tirou dela uma carta e entregou-a ao delegado de polícia. O funcionário apanhou-a tomado como que de um espasmo de alegria. abriu-a com mãos trêmulas, lançou rápido olhar ao seu conteúdo e, depois, agarrando a porta e lutando por abri-la, precipitou-se, por fim, sem a menor cerimônia, para fora do apartamento e da casa, sem proferir uma única palavra desde o momento em que Dupin lhe pediu para preencher o cheque.

Depois de sua partida, meu amigo entrou em algumas explicações.

— A polícia parisiense — disse ele — é extremamente hábil á sua maneira. Seus agentes são perseverantes, engenhosos, astutos e perfeitamente versados nos conhecimentos que seus deveres parecem exigir de modo especial. Assim, quando G . . . nos contou, pormenorizadamente, a maneira pela qual realizou suas pesquisas no Hotel D . . ., não tive dúvida de que efetuara uma investigação satisfatória . . . até o ponto a que chegou o seu trabalho.

— Até o ponto a que chegou o seu trabalho? — perguntei.

— Sim — respondeu Dupin. — As medidas adotadas não foram apenas as melhores que poderiam ser tomadas, mas realizadas com absoluta perfeição. Se a carta estivesse depositada dentro do raio de suas investigações, esses rapazes, sem dúvida, a teriam encontrado.

Ri, simplesmente — mas ele parecia haver dito tudo aquilo com a máxima seriedade.

— As medidas, pois — prosseguiu —, eram boas em seu gênero, e foram bem executadas: seu defeito residia em serem inaplicáveis ao caso e ao homem em questão. Um certo conjunto de recursos altamente engenhosos é, para o delegado, uma espécie de leito de Procusto, ao qual procura adaptar à força todos os seus planos. Mas, no caso em apreço, cometeu uma série de erros, por ser demasiado profundo ou demasiado superficial, e muitos colegiais raciocinam melhor do que ele. Conheci um garotinho de oito anos cujo êxito como adivinhador, no jogo de “par ou ímpar”, despertava a admiração de todos. Este jogo é simples e se joga com bolinhas de vidro. Um dos participantes fecha na mão algumas bolinhas e pergunta ao outro se o número é par ou ímpar. Se o companheiro acerta, ganha uma bolinha; se erra, perde uma. O menino a que me refiro ganhou todas as bolinhas de vidro da escola. Naturalmente, tinha um sistema de adivinhação que consistia na simples observação e no cálculo da astúcia de seus oponentes. Suponhamos, por exemplo, que seu adversário fosse um bobalhão que, fechando a mão, lhe perguntasse: “Par ou ímpar?” Nosso garoto responderia “ímpar”, e perderia; mas, na segunda vez, ganharia, pois diria com os seus botões: “Este bobalhão tirou par na primeira vez, e sua astúcia é apenas suficiente para que apresente um número ímpar na segunda vez. Direi, pois, ímpar”. Diz ímpar e ganha. Ora, com um simplório um pouco menos tolo que o primeiro, ele teria raciocinado assim: “Este sujeito viu que, na primeira vez, eu disse ímpar e, na segunda, proporá a si mesmo, levado por um impulso a variar de ímpar para par, como fez o primeiro simplório; mas, pensando melhor, acha que essa variação é demasiado simples, e, finalmente, resolve-se a favor do par, como antes. Eu, por conseguinte, direi par”. E diz par, e ganha. Pois bem. Esse sistema de raciocínio de nosso colegial, que seus companheiros chamavam sorte, o que era, em última análise?

— Simplesmente — respondi — uma identificação do intelecto do nosso raciocinador com o do seu oponente.

— De fato — assentiu Dupin — e, quando perguntei ao menino de que modo efetuava essa perfeita identificação, na qual residia o teu êxito, recebi a seguinte resposta:

“Quando quero saber até que ponto alguém é inteligente, estúpido, bom ou mau, ou quais são os seus pensamentos no momento, modelo a expressão de meu rosto, tão exatamente quanto possível, de acordo com a expressão da referida pessoa e, depois, espero para ver quais os sentimentos ou pensamentos que surgem em meu cérebro ou em meu coração, para combinar ou corresponder à expressão”. Essa resposta do pequeno colegial supera em muito toda a

profundidade espúria atribuída a Rochefoucauld, La Bougive, Maquiavel e Campanella.

— E a identificação — acrescentei — do intelecto do raciocinador com o de seu oponente depende, se é que o compreendo bem, da exatidão com que o intelecto deste último é medido.

— Em sua avaliação prática, depende disso — confirmou Dupin. — E, se o delegado e toda a sua corte têm cometido tantos enganos, isso se deve, primeiro, a uma falha nessa identificação e, segundo, a uma apreciação inexata, ou melhor, a uma não apreciação da inteligência daqueles com quem se metem. Consideram engenhosas apenas as suas próprias idéias e, ao procurar alguma coisa que se ache escondida, não pensam senão nos meios que eles próprios teriam empregado para escondê-la. Estão certos apenas num ponto: naquele em que sua engenhosidade representa fielmente a da massa; mas, quando a astúcia do mal-feitor é diferente da deles, o malfeitor, naturalmente, os engana. Isso sempre acontece quando a astúcia deste último está acima da deles e, muito freqüentemente, quando está abaixo. Não variam seu sistema de investigação; na melhor das hipóteses, quando são instigados por algum caso insólito, ou por alguma recompensa extraordinária, ampliam ou exageram os seus modos de agir habituais, sem que se afastem, no entanto, de seus princípios. No caso de D. . ., por exemplo, que fizeram para mudar sua maneira de agir? Que são todas essas perfurações, essas buscas, essas sondagens, esses exames de microscópio, essa divisão da superfície do edifício em polegadas quadradas, devidamente anotadas? Que é tudo isso senão exagero na aplicação de um desses princípios de investigação baseados sobre uma ordem de idéias referentes à esperteza humana, à qual o delegado se habituou durante os longos anos de exercício de suas funções? Não vê você que ele considera como coisa assente o fato de que todos os homens que procuram esconder uma carta utilizam, se não precisamente um orifício feito a verruma na perna de uma cadeira, pelo menos alguma cavidade, algum canto escuro sugerido pela mesma ordem de idéias que levaria um homem a furar a perna de uma cadeira? E não vê também que tais esconderijos tão recherchés só são empregados em ocasiões ordinárias e por inteligências comuns? Porque, em todos os casos de objetos escondidos, essa maneira recherché de ocultar-se um objeto é, desde o primeiro momento, presumível e presumida — e, assim, sua descoberta não depende, de modo algum, da perspicácia, mas sim do simples cuidado, da paciência e da determinação dos que procuram. Mas, quando se trata de um caso importante — ou de um caso que, pela recompensa oferecida, seja assim encarado pela polícia — jamais essas qualidades deixaram de ser postas em ação. Você compreenderá, agora, o que eu queria dizer ao afirmar que, se a carta roubada tivesse sido escondida dentro do raio de investigação do nosso delegado — ou, em outras palavras, se o princípio inspirador estivesse compreendido nos princípios do delegado —, sua descoberta seria uma questão inteiramente fora de dúvida. Este funcionário, porém, se enganou por completo, e a fonte remota de seu fracasso reside na suposição de que o ministro é um idiota, pois adquiriu renome de poeta. Segundo o delegado, todos os poetas são idiotas — e, neste caso, ele é apenas culpado de uma non distributio medii, ao inferir que todos os poetas são idiotas.

— Mas ele é realmente poeta? — perguntei. — Sei que são dois irmãos, e que ambos adquiriram renome nas letras. O ministro, creio eu, escreveu eruditamente sobre o cálculo diferencial. É um matemático, e não um poeta.

— Você está enganado. Conheço-o bem. E ambas as coisas. Como poeta e matemático, raciocinaria bem; como mero matemático, não raciocinaria de modo algum, e ficaria, assim, à mercê do delegado.

— Você me surpreende — respondi — com essas opiniões, que têm sido desmentidas pela voz do mundo. Naturalmente, não quererá destruir, de um golpe, idéias amadurecidas durante tantos séculos. A razão matemática é há muito considerada como a razão par excellence.

— “Il y a à parier” — replicou Dupin, citando Chamfort — “que toute idée publique, toute convention reçue, est une sottise, car elle a convenu au plus grande nombre.” Os matemáticos, concordo, fizeram tudo o que lhes foi possível para propagar o erro popular a que você alude, e que, por ter sido promulgado como verdade, não deixa de ser erro. Como uma arte digna de melhor causa, ensinaram-nos a aplicar o termo “análise” às operações algébricas. Os franceses são os culpados originários desse engano particular, mas, se um termo possui alguma importância — se as palavras derivam seu valor de sua aplicabilidade —, então análise poderá significar algebra, do mesmo modo que, em latim, ambitus significa ambição, religio, religião, ou homines honesti um grupo de homens honrados.

— Vejo que você vai entrar em choque com alguns algebristas de Paris — disse-lhe eu. — Mas prossiga.

— Impugno a validez e, por conseguinte, o valor de uma razão cultivada por meio de qualquer forma especial que não seja a lógica abstrata. Impugno, de modo particular, o raciocínio produzido pelo estudo das matemáticas. As matemáticas são a ciência da forma e da quantidade; o raciocínio matemático não é mais do que a simples lógica aplicada à observação da forma e da quantidade. O grande erro consiste em supor-se que até mesmo as verdades daquilo que se chama álgebra pura são verdades abstratas ou gerais. E esse erro é tão grande, que fico perplexo diante da unanimidade com que foi recebido. Os axiomas matemáticos não são axiomas de uma verdade geral. O que é verdade com respeito à relação — de forma ou quantidade — é, com freqüência grandemente falso quanto ao que respeita à moral, por exemplo. Nesta última ciência, não é, com freqüência, verdade que a soma das partes seja igual ao todo. Na química, também falha o axioma. Na apreciação da força motriz, também falha, visto que dois motores, cada qual de determinada potência, não possuem necessariamente, quando associados, uma potência igual à soma de suas duas potências tornadas separadamente. Há numerosas outras verdades matemáticas que são somente verdades dentro dos limites da relação. Mas o matemático argumenta, por hábito, partindo de suas verdades finitas, como se estas fossem de uma aplicabilidade absoluta e geral — como o mundo, na verdade, imagina que sejam. Bryant, em sua eruditíssima Mitologia, refere-se a uma fonte análoga de erro, ao dizer que, “embora ninguém acredite nas fábulas do paganismo, nós, com freqüência, esquecemos isso, até o ponto de fazer inferência partindo delas, como se fossem realidades vivas”. Entre os algebristas, porém, que são, também eles, pagãos as “fábulas pagãs” merecem crédito, e tais inferências são feitas não tanto devido a lapsos de memória, mas devido a um incompreensível transtorno em seus cérebros. Em suma, não encontrei jamais um matemático puro cm quem pudesse ter confiança, fora de suas raízes e de suas equações; não conheci um único sequer que não tivesse como artigo de fé que x2 + px é absoluta e incondicionalmente igual a q. Se quiser fazer uma experiência, diga a um desses senhores que você acredita que possa haver casos em que x2+ px não seja absolutamente igual a q, e, logo depois de ter-lhe feito compreender o que você quer dizer com isso, fuja de suas vistas o mais rapidamente possível, pois ele, sem dúvida, procurará dar-lhe uma surra.

— O que quero dizer — continuou Dupin, enquanto eu não fazia senão rir-me destas últimas observações — é que, se o ministro não fosse mais do que um matemático, o delegado de polícia não teria tido necessidade de dar-me este cheque. Eu o conhecia, porém, como matemático e poeta, e adaptei a essa sua capacidade as medidas por mim tomadas,

levando em conta as circunstâncias em que ele se achava colocado. Conhecia-o, também, não só como homem da corte, mas, ainda, como intrigante ousado. Tal homem, pensei, não poderia ignorar a maneira habitual de agir da polícia. Devia ter previsto — e os acontecimentos demonstraram que, de fato, previra — os assédios disfarçados a que estaria sujeito. Devia também ter previsto, refleti, as investigações secretas efetuadas em seu aparta-mento. Suas freqüentes ausências de casa, à noite, consideradas pelo delegado de polícia como coisa que viria contribuir, sem dúvida, para o êxito de sua empresa, eu as encarei apenas como astúcia, para que a polícia tivesse oportunidade de realizar urna busca completa em seu apartamento e convencer-se, o mais cedo possível, como de fato aconteceu, de que a carta não estava lá. Pareceu-me, também, que toda essa série de idéias referentes aos princípios invariáveis da ação policial nos casos de objetos escondidos, e que tive certa dificuldade, há pouco, para explicar-lhe, pareceu-me que toda essa série de idéias deveria, necessariamente, ter passado pelo espírito do ministro. Isso o levaria, imperativamente. a desdenhar todos os esconderijos habituais. Não poderia ser tão ingênuo que deixasse de ver que os lugares mais intrincados e remotos de seu hotel seriam tão visíveis como um armário para os olhos, as pesquisas, as verrumas e os microscópios do delegado. Percebi, em suma, que ele seria levado, instintivamente, a agir com simplicidade, se não fosse conduzido a isso por simples deliberação. Você talvez se recorde com que gargalhadas desesperadas o delegado acolheu, em nossa primeira entrevista, a minha sugestão de que era bem possível que esse mistério o perturbasse tanto devido ao fato de ser demasiado evidente.

— Sim, lembro-me bem de como ele se divertiu. Pensei mesmo que ele iria ter convulsões de tanto rir.

— O mundo material — prosseguiu Dupin — contém muitas analogias estritas com o imaterial e, desse modo, um certo matiz de verdade foi dado ao dogma retórico, a fim de que a metáfora, ou símile, pudesse dar vigor a um argumento, bem como embelezar uma descrição. O princípio da vis inertiae, por exemplo, parece ser idêntico tanto na física como na metafísica. Não é menos certo quanto ao que se refere à primeira, que um corpo volumoso se põe em movimento com mais dificuldade do que um pequeno, e que o seu momentum subseqüente está em proporção com essa dificuldade, e que, quanto à segunda, os intelectos de maior capacidade, conquanto mais potentes, mais constantes e mais acidentados em seus movimentos do que os de grau inferior, são, não obstante, mais lentos, mais embaraçados e cheios de hesitação ao iniciar seus passos. Mais ainda: você já notou quais são os anúncios, nas portas das lojas, que mais atraem a atenção?

— Jamais pensei no assunto — respondi.

— Há um jogo de enigmas — replicou ele — que se faz sobre um mapa. Um dos jogadores pede ao outro que encontre determinada palavra — um nome de cidade, rio, Estado ou império —, qualquer palavra, em suma, compreendida na extensão variegada e intrincada do mapa. Um novato no jogo geralmente procura embaraçar seus adversários indicando nomes impressos com as letras menores; mas os acostumados ao jogo escolhem palavras que se estendem, em caracteres grandes, de um lado a outro do mapa. Estes últimos, como acontece com os cartazes excessivamente grandes existentes nas ruas, escapam à observação justamente por serem demasiado evidentes, e aqui o esquecimento material é precisamente análogo à desatenção moral que faz com que o intelecto deixe passar despercebidas considerações demasiado palpáveis, demasiado patentes. Mas esse é um ponto, ao que parece, que fica um tanto acima ou um pouco abaixo da compreensão do delegado. Ele jantais achou provável, ou possível, que o ministro houvesse depositado a carta bem debaixo do nariz de toda a gente a fim de evitar que alguma daquela gente a descobrisse.

— Mas, quanto mais refletia eu sobre a temerária, arrojada e brilhante idéia de D. . . pensando no fato de que ele devia ter sempre esse documento à mão, se é que pretendia empregá-lo com êxito e, ainda, na evidência decisiva conseguida pelo delegado de que a carta

não se achava escondida dentro dos limites de uma investigação ordinária, tanto mais me convencia de que, para ocultá-la, o ministro lançara mão do compreensível e sagaz expediente de não tentar escondê-la de modo algum.

“Convencido disso, muni-me de óculos verdes e, uma bela manhã, como se o fizesse por simples acaso, procurei o ministro em seu apartamento. Encontrei D. . . em casa, bocejando, vadiando e perdendo tempo como sempre, e pretendendo estar tomado do mais profundo ennui. Ele é, talvez, o homem mais enérgico que existe, mas isso unicamente quando ninguém o vê.

“Para estar de acordo com o seu estado de espírito, queixei-me de minha vista fraca e lamentei a necessidade de usar óculos, através dos quais examinava, com a máxima atenção e minuciosidade, o apartamento, enquanto fingia estar atento unicamente á conversa.

“Prestei atenção especial a uma ampla mesa, junto à qual ele estava sentado e onde se viam, em confusão, várias cartas e outros papéis bem como um ou dois instrumentos musicais e alguns livros. Depois de longo e meticuloso exame, vi que ali nada existia que despertasse, particularmente, qualquer suspeita.

“Por fim, meus olhos, ao percorrer o aposento, depararam com um vistoso porta-cartas de papelão filigranado, dependurado de uma desbotada fita azul, presa bem nomeio do consolo da lareira. Nesse porta-cartas, que tinha três ou quatro divisões, havia cinco ou seis cartões de visita e uma carta solitária. Esta última estava muito suja e amarrotada e quase rasgada ao meio, come se alguém, num primeiro impulso, houvesse pensado em inutilizá-la como coisa sem importância, mas, depois, mudado de opinião. Tinha um grande selo negro, com a inicial “D” bastante visível, e era endereçada, numa letra diminuta e feminina, ao próprio ministro. Estava enfiada, de maneira descuidada e, ao que parecia, até mesmo desdenhosa, numa das divisões superiores do porta-cartas.

“Mal lancei os olhos sobre a carta, concluí que era aquela que eu procurava. Era, na verdade, sob todos os aspectos, radicalmente diferente da que o delegado nos descrevera de maneira tão minuciosa. Na que ali estava. o selo era negro e a inicial um “D” na carta roubada, o selo era vermelho e tinha as armas ducais da família S…

Aqui, o endereço do ministro fora traçado com letra feminina muito pequena; na outra, o sobrescrito, dirigido a certa personalidade real, era acentuadamente ousado e incisivo. Somente no tamanho havia uma certa correspondência. Mas, por outro lado, a grande diferença entre ambas as cartas, a sujeira, o papel manchado e rasgado, tão em desacordo com os verdadeiros hábitos de D. . ., e que revelavam o propósito de dar a quem a visse a idéia de que se tratava de um documento sem valor, tudo isso, aliado á colocação bem visível do documento, que o punha diante dos olhos de qualquer visitante, ajustando-se perfei-tamente às minhas conclusões anteriores, tudo isso, repito, corroborava decididamente as suspeitas de alguém que, como eu, para lá me dirigira com a intenção de suspeitar.

“Prolonguei minha visita tanto quanto possível e, enquanto mantinha animada conversa com o ministro, sobre um tema que sabia não deixara jamais de interessá-lo e entusiasmá-lo, conservei a atenção presa á carta. Durante esse exame, guardei na memória o aspecto exterior e a disposição dos papéis no porta-cartas, chegando, por fim, a uma descoberta que dissipou por completo qualquer dúvida que eu ainda pudesse ter. Ao observar atentamente as bordas do papel, verifiquei que as mesmas estavam mais estragadas do que parecia necessário, Apresentavam o aspecto irregular que se nota quando um papel duro, depois de haver sido dobrado e prensado numa dobradeira, é dobrado novamente em sentido contrário, embora isso seja feito sobre as mesmas dobras que constituíam o seu formato anterior. Bastou-me essa descoberta. Era evidente para mim que a carta fora dobrada ao contrário, como uma luva que se vira no avesso, sobrescrita de novo e novamente lacrada. Despedi-me do ministro e sai incontinente, deixando uma tabaqueira de ouro sobre a mesa.

“Na manhã seguinte, voltei à procura de minha tabaqueira, ocasião em que reiniciamos,

com bastante vivacidade, a conversa do dia anterior. Enquanto palestrávamos, ouvimos forte detonação de arma de fogo bem defronte do Hotel, seguida de uma série de gritos horríveis e do vozerio de uma multidão. D. . . precipitou-se em direção da janela, abriu-a e olhou para baixo. Entrementes, aproximei-me do porta-cartas, apanhei o documento, meti-o no bolso e o substituí por um fac-símile (quanto ao que se referia ao aspecto exterior) preparado cuidadosamente em minha casa, imitando facilmente a inicial “D” por meio de um elo feito de miolo de pão.

“O alvoroço que se verificara na rua fora causado pelo procedimento insensato de um homem armado de mosquete. Disparara-o entre uma multidão de mulheres e crianças. Mas, como a arma não estava carregada senão com pólvora seca, o indivíduo foi tomado por bêbado ou lunático, e permitiram-lhe que seguisse seu caminho. Depois que o homem se foi, D. . .retirou-se da janela da qual eu também me aproximara logo após conseguir a carta. Decorrido um instante, despedi-me dele. O pretenso lunático era um homem que estava a meu serviço.”

— Mas o que pretendia você — perguntei — ao substituir a carta por um fac-símile? Não teria sido melhor, logo na primeira visita, tê-la apanhado de uma vez e ido embora?

— D. . . — respondeu Dupin — é homem decidido de grande coragem. Além disso, existem, em seu hotel, criados fiéis aos seus interesses. Tivesse eu feito o que você sugere, talvez não conseguisse sair vivo de sua presença “ministerial”. A boa gente de Paris não ouviria mais notícias minhas. Mas, à parte estas considerações, eu tinha um fim em vista. Você sabe quais são minhas simpatias políticas. Nesse assunto, ajo como partidário da senhora em apreço. Durante dezoito meses, o ministro a teve à sua mercê. Agora, é ela quem o tem a ele, já que ele ignora que a carta já não está em seu poder e continuará a agir como se ainda a possuísse. Desse modo, encaminha-se, inevitavelmente, sem o saber, rumo à sua própria ruína política. Sua queda será tão precipitada quanto desastrada. Está bem que se fale do facilis descensus Averni, mas em toda a espécie de ascenção, como dizia Catalani em seus cantos, é muito mais fácil subir que descer. No presente caso, não tenho simpatia alguma — e nem sequer piedade — por aquele que desce. És esse monstrum horrendum — o homem genial sem princípios. Confesso, porém, que gostaria de conhecer o caráter exato de seus pensamentos quando, ao ser desafiado por aquela a quem o delegado se refere como “uma certa pessoa”, resolva abrir o papel que deixei em seu porta-cartas.

— Como! Você colocou lá alguma coisa particular?

— Ora, não seria inteiramente correto deixar o interior em branco. . . Seria uma ofensa. Certa vez, em Viena, D. . . me pregou uma peça, e eu lhe disse, bem-humorado, que não me esqueceria daquilo. De modo que, como sabia que ele iria sentir certa curiosidade sobre a identidade da pessoa que o sobrepujara em astúcia, achei que seria uma pena deixar de dar-lhe um indício. Ele conhece bem minha letra e, assim, apenas copiei, no meio da tolha em branco, o seguinte:

… un dessein si funeste,

s’il n’est digne d’Artrée, est digne de Thyest.

São palavras que podem ser encontradas em Ar trée, de Crébillon.

Milky Way (Olavo Bilac)

Via Láctea, Universo, Pessoa, Estrelas


Now (you will say) hear stars! Right
You lost your sense! ” And I will tell you, however,
That, to hear them, often awake
And I open the windows, pale with astonishment …
And we talked all night, while
The Milky Way, like an open canopy,
It sparkles. And when the sun came, homesick and in tears,
I’m looking for them in the desert sky.
You will now say: “Crazy friend!
What conversations with them? What sense
Do you have what they say when they are with you? ”
And I will tell you: “Love to understand them!
For only those who love may have heard
Able to hear and understand stars.

Via Láctea (Olavo Bilac)

Via Láctea, Universo, Pessoa, Estrelas

Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto…

E conversamos toda a noite, enquanto
A Via Láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: “Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?”

E eu vos direi: “Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas.

Soneto da Fidelidade (Vinicius de Moraes)

Flamingo, Dia Dos Namorados, Coração


Of all, to my love I will be attentive
Before, and with such zeal, and always, and as much
That even in the face of the greatest charm
My thoughts are more enchanted by him.
I want to live it in every moment
And in praise I will spread my song
And laugh my laughter and spill my tears
Your grief or your contentment.
And so, when you look for me later
Who knows death, anguish of those who live
Who knows loneliness, the end of those who love
I can tell me about the love (I had):
Let it not be immortal, since it is flame
But let it be infinite while it lasts.

Soneto da Fidelidade (Vinicius de Moraes)

Flamingo, Dia Dos Namorados, Coração

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Lyricism in (about) living

Airton Souza de Oliveira

Abandoned the lyricism of (about) living
unpacked and removed his suits
put on colorful rubber espadrilles
cleaned the lipstick residue that still
persisted in existing on the lips
pretended he never loved
disguised the accuracy of the night hours
forgot the caresses of the past moment
washed his face completely
looked at himself in the old piece of mirror
hanging on the old clay wall
in the reflection, her eyes caught a glimpse of herself
no ornament to decorate you
some signs of the weather on the face
not a memory of childhood
as well as time, which also doesn’t
have childhood
while the stomach was complaining about the absence
any bread
the tired body insisted on resting
32 II PROEX / UFPA LITERATURE AWARD
clay pot, took a glass of water
drank in a tasty treat
ran his hand over his body
like someone who cleaned the dirt
the discoloration of the discolored roof
looked at the dark sky without knowing the exact time
contemplated stars dancing in the darkness
lay in the same simple bed as always
ignored the cold and everyone
closed the eyelids and rested the retinas.
Enviar feedback
Histórico
Salvas
Comunidade

Lirismo em (sobre) viver

Airton Souza de Oliveira

Abandonou o lirismo do (sobre) viver

desfez as malas e retirou os trajes

calçou as alpercatas de borracha colorida

limpou os resíduos de batom que ainda

persistiam em existir nos lábios

fez de conta que nunca amou

disfarçou a exatidão das horas noturnal

esqueceu as carícias do momento passado

lavou a face por completo

olhou-se no velho pedaço de espelho

pendurado na antiga parede de barro

no reflexo, os olhos vislumbrou si mesma

nada de ornamento a lhe enfeitar

alguns sinais do tempo no rosto

nem uma lembrança da infância

assim como o tempo, que também não

tem infância

enquanto o estômago foi reclamando a ausência

de um pão qualquer

o corpo cansado teimava em descansar

do pote de barro, pegou um copo com água

bebeu em um deleite saboroso

passou a mão pelo corpo

como quem limpava as sujeiras

da fresta do telhado descolorido

olhou o céu escuro sem saber a hora exata

contemplou estrelas a bailarem na escuridão

deitou na mesma cama simples de sempre

ignorou o frio e a todos

fechou as pálpebras e descansou as retinas.