Arquivos Mensais: junho 2020

Operation Mutum – THE POWERFUL

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é image.png

(Episode 4)

In Belo Horizonte, as a journalist, he followed the country’s political events as a privileged observer, since he had access to information that other ordinary citizens did not and did not dream of having.

The press, in general, although not counting with total freedom, considering the censorship existing in all the informative organs, still it was aided of the informants in all the areas of influence, indicating what it would be important to report.

News was never lacking, in that obscure period in the life of the Brazilians, although not all those that were written had been divulged. As well as not all that have been reported have essentially reported the whole truth of the facts presented. Of course the newsmakers always knew more than they knew.

It was normal for us journalists to be permanently watched, as if we had committed or were ever to commit some crime. This was because, as opinion makers, we were considered to be dangerous to the regime, since we had the strength of the news and the power of persuasion and persuasion of public opinion, through our writings, as contained in the manuals for guiding the fight against Subversives, scattered around the barracks.

In our specific case, these actions would be to disclose information and news contrary to the government, which should be framed as an incitement to resistance and insubordination.

Considered subversive, those responsible for reporting and for disclosing the news were arrested and taken to police interrogation. They were almost always prosecuted, arrested, and when they were released, if they were one day, they were placed under constant surveillance on charges of subversion.

There were also supporters of the situation, the governors. And, of course, some of them were considered to be more dangerous because they were able to denounce military or professional colleagues, friends and even family members in the name of national defense.

Because they favored the then-constituted government, they were not concerned with keeping themselves clandestinely, such as those who did open or armed opposition.

With the passage of time and the increase of the rigor used in the repression, they were assuming the highest positions in the institutions in which they worked. It did not matter whether in the public service or in the private enterprise. His rise to the command posts was the certainty that the company, no matter what it was, would be well regarded by the military authorities. Government privileges would thus be guaranteed.

Worse than being seen as being subversive was to take the plague of Communist subversive. Nothing could be worse. Nothing could be more dangerous. After all, the Democratic Revolution of March 31, 1964, as it was known and called the military coup that occurred in Brazil at that time, only happened, according to their leaders, to prevent the country from becoming communist.

They, the coup makers, were, therefore, in their view, the true saviors of the Brazilian homeland, and therefore were also responsible for maintaining democracy.

President Joao Goulart, or Jango, as he was known, would deliver Brazil to the communists and thus lose the freedom we so much appreciated, they proclaimed. Luckily, everything had passed without much resistance, mostly armed, and thousands of lives had been spared from death.

This was the unison speech of those who made the revolution, and so, as if they had rehearsed it, they justified it.

On March 31, 1964, when the Army General Olimpio Mourao Filho, commander of the 4th Military Region and the 4th Infantry Division of the First Army, based in Juiz de Fora (MG), began the march with his troops toward the Rio Of January, the history of Brazil was beginning to change its course.

For more than twenty years in the future, Brazilians would live under a dictatorial regime, by exception, would lose almost all political rights, would disrespect their human rights and lose their happiness, having to learn to live in the streets with tanks Of war, police barriers with armed machine guns and cannons placed at strategic points in major centers.

The revolution provided the Brazilians with some new, different, oddities, hitherto unimaginable situations.

For example, the prestige, power and authority of ordinary people, who belonged to the military, could be greatly increased, not only to the Navy, the Army and the Air Force, but also to those who composed the Military Police of the States, the Guards Municipal Police and, above all, the Civil Police.

In reality, every individual who had the power to hold and imprison was highly respected, highly regarded, and recognized as an authority. On the contrary, all who were civilians, being neither police nor military, clearly and substantially lost power, prestige, and authority. Thus, Intellectuals, students, and teachers were the ones who lost most and devalued, regardless of the degree of education they had.

From the point of view of credibility, a military officer of any rank, a detective or investigator, was more valuable than a university student, a master, or a doctor in any area of ​​human knowledge. Who, under any circumstance, would blindly believe in an intellectual in post-revolution Brazil? Who, in any of these circumstances, would discredit a post-revolution military?

These two questions, well done in the way I am putting it and whose answers left no doubt as to what should be answered, I did not do it, really. They were taken one night during one of the classes he attended in college. Who did it was one of the colleagues, called Nestor and he himself answered them, in an irrefutable, indisputable, unquestionable way. He told us, his colleagues and our teacher, that after the revolution had just had to wear a uniform, or had to present any police identification so that the person would be invested with a higher authority. And that the word of an authority, when confronted with that of a civilian, whatever it was, would always be the one to be considered and that would be true. And he said more, the Nestor, that being the word of an authority, could not be contested.

He stated further that “no matter who will decide the question of who is the true word the intellectual level of the calendar,” concluding that “it will have no authority over the military, the police or over who speaks for the government.”

I remember very well that when Nestor asked the questions, we were debating exactly the question of authority and power acquired by an individual when he won an election and was elected to a political office. Then Nestor interrupted the debate.

He would always sit there in the back of the room, close to the wall, in the last wallets, and never participate in the discussions. Until then. On that day, he not only pronounced as did an almost speech excited, taking up care to use a tone that did not leave doubts about what he meant: “I think this debate is a pure waste of time” thus began his speech. “They are forgetting that they live in a country where no more politicians are elected. Anything you say here should be understood only as utopia. Who determines today what is right or wrong, who has power and authority is who wears a uniform or can present a police identity. Who would blindly believe in an intellectual in Brazil today? Who would disbelieve of a soldier in this our Brazil? Only who is subversive or who is communist. And for these, we have this “and Nestor took a gun from the waist, placing it on the desk before concluding” and machine guns and chain. “

We thus discovered what we did not know until now that Nestor was a civilian police authority. After that day he was scarce attending our classes until he left the course.

Coincidentally, some of our classmates, from my classroom and from other classes, also started dropping out.

The comments made to the small mouth, in a very absent-minded manner, confirmed that some other police and military officers had infiltrated other courses in college, and that now, after Nestor’s astonishment, they had dropped out and returned to police stations and barracks. Not before they denounced some “subversives” who studied with us and who, mysteriously, disappeared from classrooms without locking up or transferring.

We then proceeded to make a joke: when someone asked what we thought of something or someone, we accounted laughing, jokingly, “I do not think anything because a friend of mine found and we do not think ever.”

(To be continued next week)

operação mutum – OS PODEROSOS

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é image.png

(Episódio 4)

Em Belo Horizonte, como jornalista, acompanhava os acontecimentos políticos do País como observador privilegiado, uma vez que tinha acesso a informações que os outros cidadãos comuns não tinham e nem sonhavam ter.

 A imprensa, de uma forma geral, embora não contasse com total liberdade, considerando a censura existente em todos os órgãos informativos, ainda se auxiliava dos informantes em todas as áreas de influência, indicando o que seria importante noticiar.

 Notícias nunca faltaram, naquele período obscuro na vida dos brasileiros, embora nem todas as que foram escritas tivessem sido divulgadas. Assim como também nem todas as que foram noticiadas relataram essencialmente toda a verdade dos fatos apresentados. Naturalmente os fazedores de notícias sempre sabiam bem mais do que noticiavam.

Era normal que nós, os jornalistas, fossemos permanentemente vigiados, como se tivéssemos cometido ou fossemos, sempre, cometer algum crime. Isso, porque na condição de formadores de opinião, éramos considerados perigosos para o regime, uma vez que tínhamos a força da notícia  e o poder da persuasão e convencimento da opinião pública, através de nossos escritos, segundo constava dos manuais de orientação de combate aos subversivos, espalhados pelos quartéis.

No nosso caso específico, essas ações seriam as de divulgar informações e notícias contrárias ao governo, que deveriam ser enquadradas como de incitamento à resistência e à insubordinação.

 Considerados subversivos, os responsáveis por noticiar e por divulgar a notícia eram detidos e levados a interrogatório policial. Quase sempre eram processados, presos e, ao serem soltos, se um dia o fossem, ficavam colocados sob vigilância constante sob acusação de subversão.

Havia também partidários da situação, os governistas. E, como não podia deixar de ser, entre esses, alguns que considerávamos mais perigosos,  porque eram capazes de denunciar às autoridades militares os colegas de trabalho ou de profissão, os amigos e até familiares, em nome da defesa nacional.

 Por serem favoráveis ao governo então constituído, não tinham a preocupação de se manterem clandestinos, como os que faziam oposição aberta ou armada.

Com o passar do tempo e o aumento do rigor empregado na repressão, iam assumindo os postos mais altos nas instituições em que trabalhavam. Não importava se no serviço público ou na iniciativa privada.  Sua ascensão aos postos de comando era a certeza de que a empresa, não importando qual fosse, seria bem vista pelas autoridades militares. Os privilégios governamentais estariam, assim, garantidos.

Pior do que ser visto como sendo subversivo era levar a pecha de subversivo comunista. Nada podia ser pior. Nada podia ser mais perigoso. Afinal, a Revolução Democrática de 31 de março de 1964, como era conhecido e chamado o golpe militar ocorrido no Brasil naquela data, só aconteceu, segundo os seus líderes, para evitar que o país se tornasse comunista.

 Eles, os golpistas, foram, portanto, do seu ponto de vista, os verdadeiros salvadores da pátria brasileira, e, por conseguinte,  eram também os responsáveis pela manutenção da democracia.

O Presidente João Goulart, ou Jango, como era conhecido, entregaria o Brasil aos comunistas e assim perderíamos a liberdade que tanto apreciávamos, apregoavam. Felizmente tudo transcorrera sem muita resistência, principalmente armada, e milhares de vidas tinham sido poupadas da morte.

 Essa era a fala uníssona dos que fizeram a revolução e assim, como se houvessem ensaiado,  a justificavam.

Em 31 de março de 1964, quando o General de Exército Olímpio Mourão Filho, comandante da 4ª Região Militar e da 4ª Divisão de Infantaria do I Exército, sediados em Juiz de Fora (MG), iniciou a marcha com suas tropas em direção ao Rio de Janeiro, a história do Brasil começava a mudar o seu rumo.

 Por mais de vinte anos futuros, os brasileiros viveriam debaixo de um regime ditatorial, de exceção, perderiam quase em sua totalidade os direitos políticos, veriam desrespeitados os seus direitos humanos e perderiam a felicidade, tendo que aprender a conviver, nas ruas, com tanques de guerra, barreiras policiais com militares armados de metralhadoras e com canhões colocados em pontos estratégicos nos grandes centros.

A revolução proporcionou aos brasileiros algumas situações novas, diferentes, esdrúxulas, até então inimagináveis.

Via-se, por exemplo, crescer enormemente o prestígio, poder e autoridade de pessoas comuns, que pertenciam às forças militares, entendendo-se não apenas à Marinha, Exército e Aeronáutica, mas também àqueles que compunham as Polícias Militares dos Estados, as Guardas Municipais e, principalmente, as Policias Civis.

Na realidade, todo aquele indivíduo que tivesse o poder de realizar detenção e conduzir à prisão era muito respeitado, tinha muito prestígio e era reconhecido como autoridade. Ao contrário, todos os que fossem civis, por não serem policiais nem militares, perderam clara e substancialmente o poder, o prestígio e autoridade. Assim, os Intelectuais, estudantes e professores foram os que mais perderam e se desvalorizaram, não importando o grau de instrução que tivessem.

 Do ponto de vista de credibilidade, mais valia um militar de qualquer patente, um detetive ou investigador, que um estudante universitário, um mestre ou um doutor em qualquer área do conhecimento humano. Quem, em qualquer circunstância, acreditaria cegamente em um intelectual no Brasil pós-revolução? Quem, em qualquer dessas circunstancias, desacreditaria de um militar pós-revolução?

Essas duas perguntas, feitas bem da forma como estou colocando e cujas respostas não deixavam nenhuma dúvida quanto ao que deve ser respondido, não fui eu que as fiz, de verdade. Foram feitas uma noite, durante uma das aulas a que assistia na faculdade. Quem as fez foi um dos colegas, chamado Nestor e ele mesmo as respondeu, de uma forma irrefutável, indiscutível, inquestionável. Disse-nos, a nós, seus colegas e ao nosso professor, que depois do acontecimento da revolução, bastava vestir uma farda qualquer, ou apresentar qualquer identificação policial para que a pessoa estivesse investida de toda uma autoridade superior. E que a palavra de uma autoridade, quando colocada em confronto com a de um civil, qualquer que fosse ele, seria sempre aquela a ser considerada e a que seria   verdadeira. E disse mais, o Nestor, que por ser a palavra de uma autoridade, não poderia ser contestada.

 Frisou ainda que “não importa para quem vai decidir a questão sobre de quem é a palavra verdadeira o nível intelectual do civil”, concluindo que “ele não terá autoridade nenhuma sobre o militar, o policial ou sobre aquele que fala pelo governo”.

Lembro bem que quando o Nestor fez as perguntas, estávamos debatendo exatamente a questão da autoridade e do poder adquiridos por um indivíduo quando vencia uma eleição e se elegia para um cargo político. Aí, o Nestor interrompeu o debate.

 Ele ficava sempre sentado lá no fundo da sala, rente à parede, nas últimas carteiras e nunca participava das discussões. Até então. Nesse dia, não só se pronunciou como fez um quase discurso de forma empolgada, tendo até o cuidado de usar um tom de voz que não deixasse dúvidas sobre o que queria dizer: “Acho que esse debate é uma pura e total perda de tempo” começou assim a sua fala. “Estão se esquecendo que vivem em um país onde não se elegem mais políticos. Qualquer coisa que disserem aqui deve ser entendida apenas como utopia. Quem determina, hoje, o que é certo ou errado, que possui poder e autoridade é quem veste uma farda ou pode apresentar uma identidade policial. Quem acreditaria cegamente em um intelectual no Brasil de hoje? Quem desacreditaria de um militar, neste nosso Brasil? Só quem é subversivo ou quem é comunista. E, para esses, temos isso” e o Nestor tirou da cintura um revólver, colocando-o sobre a carteira antes de concluir “ e metralhadoras e cadeia”.

 Descobrimos, assim, o que até então não sabíamos, que o Nestor era uma autoridade policial civil. Depois desse dia ele foi escasseando a sua presença em nossas aulas até abandonar o curso.

 Coincidentemente, alguns de nossos colegas, da minha sala e de outras turmas, começaram, também, a abandonar o curso.

Os comentários feitos à boca pequena, de forma bem despistada, confirmavam que alguns outros policiais e militares estiveram infiltrados em outros cursos na faculdade e que agora, depois do deslumbramento do Nestor, haviam abandonado os estudos e retornado às delegacias e aos quartéis. Não antes de denunciarem alguns “subversivos” que estudavam conosco e que, misteriosamente, desapareceram das salas de aulas sem trancarem a matrícula nem se transferirem.  Passamos então a fazer uma brincadeira: quando alguém nos perguntava o que achávamos de alguma coisa ou de alguém, respondíamos rindo, em tom de brincadeira, que “eu não acho nada porque um amigo meu achou e nós não o achamos nunca mais”.        

(Continua na próxima semana)

real mermaid

https://cdn.pixabay.com/photo/2017/02/24/01/56/mermaid-2093673__340.png


Angelica Freitas


the cruel was that however beautiful
as much as the tears boasted
faithful aristocratic genetics
and the hands were skilled
handling embroidery and roast chickens
and the hair attested
turtle combs and great care, bewilderment would always be
with the tail of the mermaid don’t want to tell the story
after andersen & co.
everyone knows the hardships
impossible wish first
by the prince (doll in formalwear)
then awareness
of a powerful macumba in exchange, something is left
the voice, the elastic hymen
the méditerranée membership card
the procedures are hard
female bipeds are wrong
imputing to high heels
the most correct pain to haughtiness
because
the mermaid steps on knives when using her feet
and who takes it seriously?
better would be an ending
when it came back to the original tail
and never shave
instead of the elephant dancing in the brain
when she meets the prince
and 36 fingers
that sprout when she reaches out

sereia a sério

Sereia, Fundo Transparente, Fantasia

Angélica Freitas

o cruel era que por mais bela
por mais que os rasgos ostentassem
fidelíssimas genéticas aristocráticas
e as mãos fossem hábeis
no manejo de bordados e frangos assados
e os cabelos atestassem
pentes de tartaruga e grande cuidado a perplexidade seria sempre
com o rabo da sereianão quero contar a história
depois de andersen & co.
todos conhecem as agruras
primeiro o desejo impossível
pelo príncipe (boneco em traje de gala)
depois a consciência
de uma macumba poderosaem troca deixa-se algo
a voz, o hímen elástico
a carteira de sócia do méditerranée

são duros os procedimentos

bípedes femininas se enganam
imputando a saltos altos
a dor mais acertada à altivez
pois
a sereia pisa em facas quando usa os pés

e quem a leva a sério?
melhor seria um final
em que voltasse ao rabo original
e jamais se depilasse

em vez do elefante dançando no cérebro
quando ela encontra o príncipe
e dos 36 dedos
que brotam quando ela estende a mão

If it encompasses


Jorge Domingues Lopes


March Preamar
answer
Paraoara abanca at the bailéu
Under the shapeless night
devour
Mounts and barriers
to the tip
Faced in tijupar
Carapanãs, nets and maruins
drink and sing
The river that leaves
the port
Panema, worldwide
Pale chibé without pitú
the hunger
Look at the passing acacã
in dreams
And leave the cold in the spurt
From the muddy shadows of the tapera
calm down
Stick, Boto cuíra chases
and changes
Camba alone through holes
Maresher of heresies and tapiris
far
Far away, only the attention of aningas
And the tajá goodbye
The look, poita thrown in the night
Leave the old bubu regatão
in time
Peaked in the growing stream
Jacumã in Peru
Mature taperebá in the paneiro
Sitting in the light
flows
From the edges of the bowl
memoirs
From old putiruns, farms
Loading aturas
moqueando
The joy of the tough tools
lassa closure
Brown horse, tears
Bangolou and was angry at peconha
screwed
Assembling holes and holes
cages and more
The world has become smaller
Uncertain traces of the tesos
to the falls
The pitiú on the boarded body
change
Gapping peacocks, pirás
Naps without shoulder blades
nor ends
A tucumã wine pipira noise
and loves in the old jirau
It encompasses the stream along the bank
Greeted by the last shadows
do tijuco in tipitinga bed
Ending the silence
to strings
To launch a broken name
In the distance
the vague anchor of your forgetfulness.Enviar feedbackHistóricoSalvas

Se Abarca

Jorge Domingues Lopes

Preamar de março

reponta

Paraoara abanca no bailéu

Sob a noite desconforme

devora

Montarias e barreiros

à ponta

Afrontado no tijupar

Carapanãs, redes e maruins

bebem e cantam

O rio que abandona

o porto

Panema, mundiado

Pálido chibé sem pitú

à fome

POESIAS 29

Olha o acauã que passa

nos sonhos

E deixa a friagem no estirão

Das sombras barrentas da tapera

à calma

Vara, Boto cuíra persegue

e muda

Camba sozinho por furos

Mareante de heresias e tapiris

ao longe

Longe, só a atenção das aningas

E o adeus do tajá

O olhar, poita lançada na noite

Deixa o velho regatão de bubuia

no tempo

Abicado no igarapé crescente

Jacumã no peráu

Matura taperebá no paneiro

Aprumando-se na luz

deságua

Das bordas do alguidar

memórias

De antigos putiruns, fazendas

Carregando aturás

moqueando

30 II PRÊMIO PROEX/UFPA DE LITERATURA

A alegria das duras ferras

fechação lassa

Cavalo sestroso, rasgaduras

Bangolou e foi brabo de peconha

trepou

Montando furos e paranás

gaiolas e mais

O mundo apequenou-se

Traços incertos dos tesos

às caídas

O pitiú no corpo embarcado

à muda batição

Gapuiando tucunarés, pirás

Sestas sem escápulas

nem fins

Um vinho de tucumã ruído de pipira

e amores no velho jirau

Abarca o igarapé ao largo banzeiro

Saudado pelas últimas sombras

do tijuco no leito tipitinga

Findo o remanso do silêncio

a cordas

Para lançar um nome desfeito

Na distância que marulha

a vaga âncora do teu esquecimento.

WHALE RABO

Tail of humpback whale — Fotografia de Stock


Alice Santana


a huge whale tail
would cross the room at that moment
without any noise the animal
would sink into the floorboards
and would disappear without us realizing
on the couch the lack of subject
what I wanted but I won’t tell you
is to hug the whale to dive with it
I feel dreadful boredom these days
of standing water accumulating mosquito
despite the hustle and bustle of days
from the exhaustion of days
the body that comes home exhausted
with his hand stretched out in search
of a glass of water
the urgency of going on a Tuesday
or fourth buoy and the will
is to embrace a huge
whale tail follow her

RABO DE BALEIA

Tail of humpback whale — Fotografia de Stock

Alice Santana

um enorme rabo de baleia
cruzaria a sala nesse momento
sem barulho algum o bicho
afundaria nas tábuas corridas
e sumiria sem que percebêssemos
no sofá a falta de assunto
o que eu queria mas não te conto
é abraçar a baleia mergulhar com ela
sinto um tédio pavoroso desses dias
de água parada acumulando mosquito
apesar da agitação dos dias
da exaustão dos dias
o corpo que chega exausto em casa
com a mão esticada em busca
de um copo d’água
a urgência de seguir para uma terça
ou quarta boia e a vontade
é de abraçar um enorme
rabo de baleia seguir com ela

Retreating Indiana

Max Reis
I
It’s hard to say in every rhyme
What has been talked about for life
Of this man who descends uphill
And backwards steps up
When everything is sad soon it animates
From the gogó takes a melody sound
And sadness smiles in singing
Whoever arrives whistles and sings
And whoever starts humming
With a chest full of joy
II
It was the rooster crowing in the morning
Hatching chickens on perch
That this man-boy was the first
Saluting the dawn of the kitchen
And after coffee, donut and flour
It was already seen in the heart of the forest
The folder falling over the forehead
And a knife stuck in the shorts
Black Indian, Bai-bai, lightning and thunder
A native peering through the crack
24 II PROEX / UFPA LITERATURE AWARD
III
In that time we walked slowly
Short, measured, almost slow steps
As if puffed by the winds
I’m sure you could wait
Speak softly, paused and without shouting
In the cheerful conversations of the veranda
There he grew up in a bland life
Between leaves, roots and igapó
Imitating the singing of the bullfinch
Where the time of time does not go away
IV
But nobody knows for sure their destiny
Where and when to arrive without even going
And for being brave and fearless
It was following the footsteps of a feline
Much more certain to say – a lion
Hoping for a happy life
There in the brenches so it is said
As if in the grandeur of the city
Were such happiness
Invisible and a hand’s nose
POETRY 25
V
He put the laundry bag on the neck
And the knife in the shoe sock
Didn’t even look back to see the bush
Turn sadness into a whip
When the boat lit its searchlight
Longing shone in his pupil
Drop by drop a pain lined up
And in the corner of his eyes, he cried
Dark night of pure disenchantment
In which fear does not kill, but mutilates
VI
He landed like a poor retiree
Among the stones of Beco do Cardoso
Stepping was a little awesome
I didn’t even remember the figure of a Xavante
Downcast and with wrinkles on his face
He entered the house a little sad
From the window that life watches everything
Glimpsed mansions and the old church
As at the end of the prayer he said “so be it”
Birdie can’t live without birdseed

Índio Retirante

Max Reis

I

É difícil dizer em cada rima

O que já foi falado pela vida

Desse homem que desce na subida

E de costas dá passos para cima

Quando tudo está triste logo anima

Do gogó tira um som de melodia

E a tristeza sorri na cantoria

Quem se chega assovia e vai cantando

E quem parte se vai cantarolando

Com o peito repleto de alegria

II

Era o galo cantar de manhãzinha

Assanhando as galinhas no poleiro

Que esse homem-menino era o primeiro

A saudar a alvorada da cozinha

E depois do café, rosca e farinha

Já se via no seio da floresta

A pastinha caindo pela testa

E uma faca enfiada no calção

Índio preto, Bai-bai, raio e trovão

Um nativo espreitando pela fresta

24 II PRÊMIO PROEX/UFPA DE LITERATURA

III

Nesse tempo se andava devagar

Passos curtos, medidos, quase lentos

Como se bafejados pelos ventos

Co’a certeza que dava pra esperar

Fala mansa, pausada e sem gritar

Nas conversas alegres da varanda

Lá crescia o moreno em vida branda

Entre folhas, raízes e igapó

Imitando o cantar do curió

Onde a hora do tempo não desanda

IV

Mas ninguém sabe ao certo o seu destino

Onde e quando chegar sem nem ter ido

E por ser um valente e destemido

Foi seguir as pegadas de um felino

Bem mais certo dizer – um leonino

Na esperança de uma vida feliz

Lá nas brenhas assim é que se diz

Como se na grandeza da cidade

Estivesse uma tal felicidade

Invisível e a um palmo do nariz

POESIAS 25

V

Pôs o saco de roupa no cangote

E a faquinha na meia do sapato

Nem olhou para trás pra ver o mato

Transformar a tristeza num chicote

Quando o barco acendeu seu holofote

A saudade brilhou em sua pupila

Gota a gota uma dor fazia fila

E no canto dos olhos virou pranto

Noite escura de puro desencanto

Em que o medo não mata, mas mutila

VI

Aportou feito um pobre retirante

Entre as pedras do Beco do Cardoso

O pisar era um tanto temeroso

Nem lembrava a figura de um xavante

Cabisbaixo e com rugas no semblante

Adentrou pela casa meio triste

Da janela que a vida tudo assiste

Vislumbrou casarões e a velha igreja

Como em fim de oração disse “assim seja”

Passarinho não vive sem alpiste