CARTAS A MINHA FILHA

I

Querida Juliana,

Hoje, o dia amanheceu com um tempo feio, com jeito de chuva, um vento mais frio que ontem, um céu coberto de nuvens escuras. Parece que teremos mesmo um dia chuvoso. Nem parece véspera de Natal. Pois na véspera do Natal o dia deveria ser lindo, não acha? Não é verdade que as pessoas estão mais alegres, no Natal? Então, não há nenhum motivo para que o dia seja triste. O dia da véspera do Natal deverá ser alegre como todas as pessoas deverão ser alegres na véspera do Natal. Se não estiverem alegres, como poderão receber Papai Noel com sorrisos, músicas natalinas, frutas tropicais e orientais e abraços efusivos? Se não estiverem alegres, como poderão trocar presentes, celebrar a ceia e tomar espumantes? Mas parece que hoje, Ju, o dia será feio, o clima será feio e, tenho receio, o Natal também poderá ser  feio.

Como será um Natal feio? Não é muito difícil imaginar um Natal sem beleza e sem alegria. Basta que deixemos de lado o pensamento de como é o nosso Natal, ano após ano, em família, para imaginarmos um dia como todos os outros, com a diferença de ser Natal, também, para os que não têm família.

Para quem não tem família, o dia de Natal amanhece, acontece e anoitece simplesmente como um dia igual a todos os outros dias, de uma vida vivida sem família. Ao acordar, para quem não tem família, não faz diferença se o dia é claro ou não, se o céu é azul ou escuro cheio de nuvens. Se chove ou não chove, a única diferença perceptível é o fato de estar ou não estar molhado. Quanto ao mais, o dia é sempre um dia como os demais, mesmo sendo Natal.

Para quem não tem família não importa as lojas estarem cheias ou vazias de clientes, os preços serem baratos ou caros, haver ou não haver queima e saldão de estoques, produtos nacionais ou importados, promoções, descontos, brindes ou sorteios de prêmios através de cupons, anúncios em panfletos, jornais, revistas ou outdoor.

Para quem não tem família um quilo de nozes é um quilo de nada, sem ter com quem dividir na noite de Natal ou durante a ceia, que também não é ceia porque não existirá. E o panetone, um bolo que é preparado somente para o Natal, não tem nenhum sentido, para quem não tem família, mesmo tendo sua origem em Milão, no Norte da Itália, há mais de mil anos. Para quem não tem família tanto faz fazer um como fazer mil anos.

Para quem não tem família, Juliana, não existe nenhum laço de sentimentos que os ligue a alguém de forma mais íntima. Há os amigos, alguns amigos, uns poucos, porque a vida parece mais curta para os que não em família e não lhes permite arrebatar muitos. Os amores, então, são mais escassos, em menor número e quantidade, e até a qualidade nunca conta, pois, para os que não tem família, nenhum amor que tiveram permaneceu  o tempo suficiente para virar família.

Hoje, o dia amanheceu com um tempo feio, com jeito de chuva, um vento mais frio que ontem, um céu coberto de nuvens escuras. E eu, enquanto observo o céu pela janela do meu quarto, imagino o quanto seria diferente e bom e lindo esse dia se você estivesse aqui, junto à sua família.

Beijos saudosos do Papai

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s